FMI piora previsão de desemprego no Brasil no ano que vem

Diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde; para instituição, economia brasileira deve continuar piorando

Diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde; para instituição, economia brasileira deve continuar piorando

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reviu para pior suas previsões para o emprego no Brasil neste ano e no próximo, apesar de acreditar que a economia brasileira passará por uma melhora nos próximos meses.

Em relatório sobre o cenário da economia global divulgado nesta terça-feira, o órgão diz que o Brasil deve fechar 2016 com 11,2% de desempregados - um ponto percentual acima do que o FMI havia previsto em abril.

Hoje, o desemprego está em 11,8%, segundo índice divulgado no fim de setembro pelo IBGE.

Para 2017, o Fundo acredita que o desemprego no país será de 11,5% - previsão 1,3 ponto acima da previsão anterior.

Para FMI, desemprego continuará crescendo no país até 2017

Para FMI, desemprego continuará crescendo no país até 2017

Ainda no relatório, o FMI deixou inalteradas as suas previsões de crescimento para o país. Neste ano, a previsão é de retração de 3,3% (em 2015, a queda foi de 3,8%).

Porém, o documento diz que a economia brasileira passou a contrair num ritmo mais moderado e estima que o PIB (Produto Interno Bruto, a soma de todas as riquezas produzidas no país) crescerá 0,5% em 2017.

'Fundo do poço'

O órgão diz que o Brasil "continua a enfrentar condições macroeconômicas desafiadoras", mas que o cenário futuro está um pouco mais favorável que o projetado no início do ano.

Segundo o fundo, a inflação segue acima dos padrões de tolerância do Banco Central e a "credibilidade política foi fortemente prejudicada pelos eventos que levaram à mudança de regime" no Palácio do Planalto.

Apesar disso, de acordo com o FMI, a confiança na economia brasileira parece já ter atingido "o fundo do poço", o que abriria o caminho para o início da recuperação.

Temer, ministros e parlamentares discutem PEC que estabelece teto para gastos públicos

Temer e parlamentares discutem PEC que estabelece teto para gastos públicos; FMI defende proposta

O órgão voltou a defender que o Brasil adote a proposta do governo Michel Temer de limitar o aumento de gastos do Orçamento à variação da inflação, o que "enviaria um forte sinal do compromisso político" com o controle da dívida pública.

Uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que trata do tema deve ser apreciada pelo Congresso nas próximas semanas. Críticos afirmam que a medida pioraria os serviços públicos e, na prática, reduziria os investimentos em áreas como saúde e educação, já que adotará como base o Orçamento de 2016, ano de fraca arrecadação.

O FMI defende ainda no relatório que o governo simplifique o sistema tributário, reduza as barreiras ao comércio e estimule investimentos em infraestrutura para reduzir o custo de fazer negócios no país.

Maior protecionismo

Na introdução do relatório, o conselheiro do fundo Maurice Obstfeld afirma que algumas preocupações que havia em relação à economia mundial no ano passado perderam força.

Ele diz que, em 2015, temiam-se os impactos globais da redução do crescimento da China, as dificuldades vividas por exportadores de matérias-primas (caso do Brasil) e os efeitos de um aumento de juros pelo Banco Central dos EUA, o Federal Reserve.

Obstfeld diz, no entanto, que o crescimento estável da economia mundial reduziu as preocupações de curto prazo em relação à China, que os preços de matérias-primas se recuperaram parcialmente e que o primeiro aumento de juros do Federal Reserve já ocorreu sem produzir grandes impactos.

FMI cita tensão causada pelo "Brexit" como um dos novos problemas para a economia global

FMI cita tensão causada pelo "Brexit" como um dos novos problemas para a economia global

Por outro lado, o conselheiro cita novos problemas para a economia global, entre os quais as tensões políticas geradas pelo "Brexit" (saída do Reino Unido da União Europeia), a crise de refugiados e a retórica anti-imigrantes e anti-comércio na campanha presidencial nos EUA.

Segundo ele, medidas comerciais protecionistas têm crescido ao redor do mundo, o que ele considera preocupante para países como o Brasil.

"Um ambiente global hostil ao comércio tornará impossível que exportadores de matérias-primas e países de baixa renda em geral desenvolvam novos modelos de exportação e gradualmente reduzam as diferenças de renda em relação a países ricos", afirma.

"Em resumo, voltar o relógio em relação ao comércio só pode aprofundar e prolongar a atual estagnação da economia global."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos