O poço de 5 km de profundidade em um vulcão que pode revolucionar a economia da Islândia

Uma empresa na Islândia pretende transformar a força destruidora dos vulcões em motor de desenvolvimento econômico.

Em busca de uma nova fonte de energia renovável, a Iceland Drilling está perfurando um poço de cinco quilômetros de profundidade em uma dessas estruturas geológicas.

A cavidade vai gerar um vapor extremamente poderoso, capaz de produzir energia elétrica e uma revolução econômica no país nórdico de pouco mais de 320 mil habitantes, avalia a revista científica New Scientist.

A iniciativa revela que a Islândia não é apenas uma terra de vulcões traiçoeiros como o Eyjafjallajökull, cujas cinzas provocaram o fechamento de diversos aeroportos na Europa, em 2010.

Trata-se de uma boa notícia para um país que viu sua economia entrar em colapso com a crise financeira global de 2008, e acumulou dívidas num valor 12 vezes maior do que o seu PIB (Produto Interno Bruto).

Praticamente toda (85%) a energia elétrica islandesa vem de fontes renováveis: geotérmica e hidrelétrica.

Nas usinas geotérmicas, o funcionamento das turbinas é produzido pelo calor das rochas.

O poço da Iceland Drilling pretende ultrapassar a camada de rochas e chegar à lava. Ao longo da extensão da estrutura, a temperatura deverá variar de 400 a 1 mil graus Celsius.

E essa nova fonte de calor é dez vezes mais poderosa do que as rochas dos poços geotermais.

O novo processo gerador de energia deve garantir o completo abastecimento doméstico e industrial da ilha de pouco mais de 100 mil quilômetros quadrados, área inferior à do Estado do Amapá.

Técnica de perfuração inédita

A perfuração do poço começou há três meses e até o fim do ano pretende atingir um ponto da Cordilheira Meso-Atlântica ? a cadeia de montanhas submarina que se estende sob o Oceano Atlântico e o Oceano Ártico e onde se encontram as placas tectônicas Norte-Americana e Euroasiática.

Há 30 vulcões na Islândia, que fica em uma região onde a crosta oceânica é mais fina do que no resto do mundo. Por isso, quando as duas placas tectônicas se movem, surge uma fissura e o magma chega à superfície por meio de uma erupção vulcânica.

"Já haviam sido feitas perfurações em rocha sólida, mas nunca nas condições que agora encontramos", destaca Albert Albertsson, da companhia islandesa HS Orka, que também participa do projeto.

Os técnicos querem alcançar o ponto onde o lençol de lava sofre infiltrações de água do mar. É uma região onde o calor e a pressão são 200 vezes maiores do que na superfície e a matéria atinge um estado que não é líquido nem gás ? o chamado "vapor supercrítico".

Descoberta acidental

Por incrível que pareça, esse ambicioso projeto surgiu por acidente.

Em 2009, durante a construção de uma central geotérmica, a Iceland Drilling perfurou um poço e atingiu uma corrente de magma.

Os técnicos resolveram, então, experimentar inundar o poço com água e analisar quanta energia o vapor poderia gerar.

Resultado: criaram a usina geotérmica mais poderosa da Islândia.

Se tudo correr como planejado, a técnica poderá ser levada a outras áreas vulcânicas do planeta, tornando-se uma alternativa aos combustíveis fósseis, um dos responsáveis pelo aquecimento global.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos