Governo da Nigéria diz que conquistou principal refúgio do Boko Haran na floresta

O exército nigeriano conseguiu retirar militantes grupo extremista Boko Haram de seu último acampamento na floresta da Sambisa, informou o presidente do país, Muhammadu Buhari.

"Os terroristas não têm mais lugar para se esconderem", afirmou Buhari, em um comunicado. O último acampamento do grupo teria sido desmontado na última sexta-feira.

O exército local investiu em uma grande ofensiva nas últimas semanas dentro da floresta, uma antiga reserva no nordeste do país.

Especula-se que algumas das meninas sequestradas em 2014 de uma escola ainda sejam mantidas como reféns na floresta, depois de delatos de um pequeno grupo de estudantes que conseguiu escapar.

O presidente Buhari afirmou em seu comunicado que os esforços para encontrar as meninas desaparecidas serão intensificados. Ele prosseguiu, parabenizando as forças armadas pela operação, classificando o aparente sucesso como "aguardado há muito tempo e muito gratificante".

"Quero usar esta oportunidade para homenagear a determinação, coragem e resiliência das tropas da operação em finalmente entrar e esmagar os insurgentes do Boko Haram que resistiam", afirmou.

O exército recapturou áreas importantes do território, anteriormente controladas pelo Boko Haram desde o início da ofensiva militar, em fevereiro.

Os militantes do grupo extremista ainda realiza ataques suicidas no nordeste da Nigéria e em países vizinhos, como Niger e Camarões.

Acredita-se que os homens do Boko Haram tenham matado mais de 15 mil pessoas e deixado outras 2 milhões sem moradia nos últimos sete anos de insurgência na região.

O líder Abubakar Shekau, que prometeu lealdade ao autoproclamado Estado Islâmico, defende uma leitura do Islã que proibe muçulmanos de participarem de qualquer atividade política ou social associada com a sociedade ocidental.

Sobreviventes

A insurgência do Boko Haram é vista como a principal ameaça de segurança para a Nigéria, o país mais populoso da África, com 170 milhões de habitantes, e principal produtor de petróleo do continente.

O grupo foi fundado em 2002 na cidade de Maiduguri, pelo clérigo muçulmano Mohammed Yusuf, que também fundou na época um complexo religioso que incluía uma escola islâmica.

O Boko Haram ampliou seus objetivos com uma série de ataques em 2009, mas Yusuf foi morto depois de ser capturado pelo Exército.

O novo líder do grupo, Abubakar Shekau, disse que sua organização 'não será vencida pelas forças de segurança'.

Sua principal empreitada aconteceu em 2014, quando 276 estudantes foram levadas pelo grupo de uma escola na cidade de Chibok. Em maio do ano passado, a agência Reuters conversou com algumas das jovens que conseguiram fugir após o sequestro.

"Todos os dias nós testemunhávamos a morte de uma de nós e esperávamos nossa vez", disse na época Asabe Umaru, de 24 anos, sequestrada com seus dois filhos pelo Boko Haram.

Ela estava em um grupo de 300 mulheres e crianças que estavam na floresta da Sambisa, no norte da Nigéria, e que foram libertadas pelo Exército nigeriano naqule mês. Durante o resgate em Sambisa, segundo as sobreviventes, algumas delas foram apedrejadas até a morte quando o Exército se aproximou.

No cativeiro, "eles não deixavam a gente se mover um centímetro," afirmou a jovem na época. "Tínhamos que ficar em um só lugar. Estávamos amarradas."

Segundo sobreviventes, elas eram vigiadas até quando iam ao banheiro.

Outra mulher disse em entrevista à Reuters que elas recebiam apenas uma refeição por dia.

"Éramos alimentadas apenas com milho seco à tarde, que não estava bom para o consumo humano", afirmou Cecilia Abel. Isso levou muitas à desnutrição, doenças e morte.

As sobreviventes disseram que, quando foram pegas, os militantes mataram homens e meninos mais velhos na frente de suas famílias antes de levar mulheres e crianças para a floresta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos