O emotivo discurso de despedida Barack Obama em 7 frases

  • Jonathan Ernst/ Reuters

    Barack Obama enxuga uma lágrima durante seu último discurso como presidente dos EUA, em Chicago

    Barack Obama enxuga uma lágrima durante seu último discurso como presidente dos EUA, em Chicago

"É bom estar em casa. (...) Esta noite é a minha vez de dizer obrigado".

Assim o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, iniciou seu último discurso no cargo.

O pronunciamento ocorreu na noite de terça-feira (10), em Chicago, cidade onde começou sua carreira política.

Obama falou diante de uma multidão de pessoas que o aguardou por horas.

No discurso, que durou mais de 50 minutos, o presidente americano mencionou as pendências de seu mandato e destacou várias realizações que conseguiu nos oito anos à frente da Casa Branca.

Obama também defendeu sua luta contra o racismo e a discriminação e seus esforços para promover um acordo global frente às mudanças climáticas.

Ressaltou, ainda, as medidas durante sua gestão que permitiram o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a ampliação da cobertura médica a 20 milhões de pessoas por meio da lei conhecida como Obamacare.

Além disso, o presidente americano resumiu em três pontos o que chamou de ameaças à democracia americana: desigualdade econômica, divisões raciais e a reclusão dos diferentes segmentos da sociedade em "bolhas, cercadas por pessoas que se parecem conosco e compartilham a mesma visão política e nunca desafiam nossas suposições".

As declarações foram em tom otimista quanto ao futuro, mas Obama não deixou de demonstrar preocupação diante dos problemas que persistem nos Estados Unidos.

No próximo dia 20 de janeiro, ele deixa a Presidência dos Estados Unidos, que exerceu por dois mandatos, desde 2009.

Na data, Obama entregará o cargo ao presidente eleito Donald Trump, que ganhou as eleições presidenciais em novembro do ano passado.

Confira sete frases simbólicas do último discurso de Barack Obama, compiladas pela BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

1."Vocês foram a mudança": Obama deu crédito aos cidadãos pelas várias realizações de seu governo, como o descongelamento das relações com Cuba, o fim da recessão econômica, a queda da taxa de desemprego e o acordo nuclear com o Irã.

2."O futuro está em boas mãos": foi a forma otimista do líder de dirigir-se às novas gerações que, segundo ele, "em breve serão maioria".

3."No entanto, não estamos onde precisamos estar. Todos nós temos muito trabalho para fazer", refletiu Obama frente ao racismo existente nos Estados Unidos.

4."A democracia pode cambalear quando entregue ao medo", foi o que disse o presidente americano sobre a crescente intolerância frente a minorias, principalmente em relação à discriminação contra a comunidade muçulmana nos Estados Unidos.

5."Assumam o desafio das mudanças climáticas": Obama destacou que, em oito anos, conseguiu reduzir a dependência de seu país por combustíveis fósseis e dobrou as reservas de energias renováveis. Ele pediu aos americanos para não abandonar essa agenda. "Nossos filhos não terão tempo para debater a existência das mudanças climáticas. Estarão ocupados lidando com seus efeitos", concluiu.

6."Peço a vocês que criem": o "último pedido como presidente" de Obama foi um apelo para que os americanos usem suas habilidades para mudar as coisas.

7."Sim, podemos": assim concluiu o presidente dos Estados Unidos em seu discurso. Ele afirmou que ter servido a seu país foi a maior honra de sua vida. Depois agradeceu à plateia, pediu a Deus que "continue abençoando os Estados Unidos" e terminou a fala.

Obama encerra discurso com frase que marcou campanha de 2008

  •  

'Mais quatro anos'

Os seguidores de Obama interromperam o discurso com gritos pedindo "mais quatros anos".

"Não posso fazer isso", reagiu Obama aos risos.

Ele evitou polêmicas com o sucessor, Donald Trump.

Inclusive chegou a indicar que apoiará publicamente um novo programa de assistência social de Trump "se for comprovadamente melhor" do que o Obamacare.

Racismo e ataques a muçulmanos

Em relação ao racismo, Obama reconheceu que se trata de uma "força que divide o país" e que ainda há um longo caminho a percorrer.

"No entanto, não estamos onde precisamos estar. Todos nós temos muito trabalho por fazer", afirmou o presidente americano.

Obama acrescentou ser contrário às agressões contra os muçulmanos nos Estados Unidos.

"Nós como cidadãos devemos permanecer vigilantes contra a agressão externa, devemos nos proteger contra o enfraquecimento dos valores que nos fazer ser quem somos".

"A democracia pode cambalear quando entregue ao medo", concluiu Obama.

Racismo ainda é fator de divisão nos EUA, diz Obama

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Assine e receba em seu e-mail em dois boletins diários, as principais notícias do dia

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos