É visível o silêncio das ruas em relação à Lava Jato, diz cientista político

  • Marcello Casal Jr/Agência Brasil

    Protestos de rua eclodiram em várias cidades brasileiras, ano passado, "contra a corrupção" e pelo impeachment de Dilma Rousseff

    Protestos de rua eclodiram em várias cidades brasileiras, ano passado, "contra a corrupção" e pelo impeachment de Dilma Rousseff

Professor de Ciência Política da PUC-RJ, Luiz Werneck Vianna avalia que as delações da Odebrecht têm tido repercussão muito maior na imprensa do que nas casas dos brasileiros.

"É visível o silêncio das ruas em relação a tudo isso", afirma Vianna, que já lecionou na Unicamp e na Universidade Federal de Juiz de Fora e é autor de livros como A judicialização da política e das relações sociais no Brasil (1999) e Democracia e os três poderes no Brasil (2002) .

Para ele, a abertura de investigações contra dezenas de líderes partidários citados pela empreiteira abre espaço para outsiders na política, mas não deve provocar transformações tão radicais em Brasília.

Em entrevista à BBC Brasil, ele afirma que grandes partidos abalados pelas delações - como PT, PSDB e PMDB - deverão passar por uma renovação, mas continuarão relevantes.

Leia a seguir os principais trechos da entrevista:

BBC Brasil - Quais consequências as delações da Odebrecht terão para o governo?

Luiz Werneck Vianna - O governo Temer deve sobreviver - acho que ele deve cumprir o seu mandato. E deve também fazer as reformas com as quais vem se identificando. O apoio do Congresso continua forte.

BBC Brasil - A forma como a política é feita vai mudar? Haverá mudanças na relação entre partidos e empresas?

Vianna - Isso certamente vai sofrer uma mudança radical. Mas não creio que esse expurgo da classe política assuma a mesma proporção que asumiu na Itália [após a Operação Mãos Limpas, nos anos 1990]. Vai ser forte, mas não com a radicalidade da situação italiana. Acho muito difícil que partidos mais enraizados, como PT, PSDB e PMDB, saiam do mapa. Acho que eles ficarão, porque inclusive fora deles não há nada de novo surgindo.

BBC Brasil - Novos partidos, como Rede, PSOL e Partido Novo, não são capazes de preencher espaços?

Vianna - Dificilmente. Eles não têm quadros, não têm programa. O PSOL é muito parecido com o que o PT foi em determinado momento, com a denúncia da corrupção e [a defesa da] ética na política. Mas qual o programa econômico do PSOL?

BBC Brasil - Com a crescente rejeição popular à política tradicional, há possibilidade de surgimento de outsiders ?

Vianna - O outsider é uma possibilidade real - para o bem e para o mal. Tem vários tentando furar esse nevoeiro e se projetar como alternativa. Por ora, nenhum deles é muito atraente.

Rovena Rosa/Agência Brasil
Para professor da PUC-RJ, as ruas estão em silêncio e o atual momento do país tem como protagonistas a mídia e o judiciário

BBC Brasil - Haverá algum esforço dos grandes partidos para estancar danos?

Vianna - Acho que sim, a reforma política vem aí. Não vem de forma muito aprofundada porque as circunstâncias não permitem. A cláusula de barreira deve vir, assim como a interdição das coligações eleitorais nas eleições proporcionais. Isso já tem um efeito muito saneador do quadro atual.

BBC Brasil - Na história brasileira, momentos de grande turbulência - como as revoltas do século 19 - se intercalam com momentos de acomodação de interesses e transições pacíficas, como na Independência. Qual característica vai predominar na crise atual?

Vianna - A grande massa, por ora - e isso pode mudar -, está apenas sentindo e observando de longe esses fatos. Esses fatos têm tido muito peso, muita vocalização na mídia. Uma coisa que se tem de considerar na política brasileira hoje é que a mídia se tornou ator político de peso considerável, mas ela não tem braço, não tem mãos. Tem apenas voz.

Não tivemos ainda as crises da Regência [período de grande turbulência entre a abdicação de dom Pedro 1º e o governo de seu filho, Pedro 2º]. Elas (as pessoas) não estão se manifestando. É visível o silêncio das ruas em relação a tudo isso.

Mas os partidos, as personalidades políticas sobreviventes podem procurar um caminho de salvação mútua. Isso está em curso. Será possível? Não sei, dependerá da habilidade e criatividade deles e, ao mesmo tempo, de que aceitem perdas. Esses partidos não poderão mais ser o que eram, vão ter que passar por mudanças.

Haverá uma renovação de pessoas. Não talvez com a carga necessária, porque se se olha toda movimentação que tem havido, há pouquíssimos quadros novos. Não surgiu quase ninguém [com os protestos] em junho de 2013.

A política brasileira tem sido muito pouco permeável a novas lideranças. Essa hora poderá ser a da grande mudança geracional? Tomara, mas depende de como vem essa geração. Porque, a tomar por algumas manifestações, elas não suscitam muita esperança.

BBC Brasil - O grande público não está tão abalado pelos acontecimentos?

Vianna - Se olharmos o registro das ruas, acho que não.

BBC Brasil - Como a situação atual se compara com outros grandes momentos da história brasileira?

Vianna - Certamente tudo isso vai ser lembrado. Agora, o que temos de novo aí? Primeiro o protagonismo da mídia. Segundo, do Judiciário. Ambos parecem que vieram para ficar. Mas a política deve reagir a isso.

O Brasil é muito grande. É muito diverso. É muito difícil haver formas muito vertebradas de expressão, no sentido de que unifiquem classes e regiões, dada a diversidade e a desigualdade existentes.

Vejo esse momento com preocupação, mas serenidade, inclusive porque um ator determinante na vida republicana brasileira, as Forças Armadas, tem procurado ficar à margem do conflito. Só isso garante uma serenidade muito grande.

Nenhum dos atores que estão aí tem força para cortar, romper. Qual seria a expectativa? De que as ruas irrompessem. Se irromperem, de fato passaremos por poderosíssimas turbulências, com resultados absolutamente imprevisíveis. Não se sabe o que poderia acontecer no final. Um Bonaparte? É hora do Bonaparte sair há muito tempo, mas até agora ele não se fez presente.

BBC Brasil - O deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) não chega a ser um Bonaparte?

Vianna - Não, porque Bonaparte tinha armas na mão. Já Bolsonaro, o que ele pode ter? A rua. Mas ele não tem rua.

BBC Brasil - E o prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB)?

Vianna - Pode ser. Mas este é um candidato do sistema, de um grande partido.

BBC Brasil - Lula chega forte em 2018, apesar das denúncias contra ele?

Vianna - Chega. Ele tem um eleitorado cativo que não vai abandoná-lo, inclusive porque, falando na diversidade do país , o Lula é muito representativo disso, do Nordeste, dos subordinados da sociedade.

Ele tem lastro. Esse lastro será inteiramente perdido? Só saberemos na hora da urna. Algumas manifestações parecem indicar que ele continua com apoio significativo em setores do eleitorado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos