O que se sabe sobre os ataques ao Parlamento iraniano e ao mausoléu do aiatolá Khomeini

  • Ebrahim Noroozi/IRN

    7.jun.2017 - Policias patrulham o lado de fora do Parlamento iraniano após o ataque

    7.jun.2017 - Policias patrulham o lado de fora do Parlamento iraniano após o ataque

Pelo menos 12 pessoas morreram no que parece ser primeiro ataque extremista no país desde a Revolução Islâmica, de 1978.

Dois ataques de homens armados em Teerã nesta quarta-feira, contra o Parlamento iraniano e ao mausoléu do aiatolá Khomeini, deixaram pelo menos 12 mortos e cerca de 40 feridos.

O ataque ao prédio do Parlamento parece já ter terminado, após horas de tiroteios. No ataque ao mausoléu, um homem-bomba se explodiu e outro foi morto a tiros.

Autoridades iranianas afirmam ter conseguido frustrar a tentativa de um terceiro ataque.

O Estado Islâmico (EI) reivindicou a responsabilidade pelos ataques, algo até então inédito no Irã. O grupo extremista islâmico divulgou um vídeo que mostra o que seriam imagens de dentro do prédio do Parlamento.

A mídia iraniana disse que quatro indivíduos foram mortos por forças de segurança no interior do prédio. Ainda não está claro se a soma de 12 mortes inclui os responsáveis pelos ataques.

Cerca de 40 pessoas foram feridas nos dois atentados, de acordo com o chefe do serviço de emergência Pir Hossein Kolivand.

Invasão

O prédio do Parlamento foi invadido por homens armados de fuzis Kalashnikov, supostamente vestidos de mulher.

Imagens do local mostraram uma grande operação de segurança e barulho de tiros.

Autoridades iranianas negaram que pessoas tinham sido feitas reféns dentro do Parlamento.

Um porta-voz, Ali Larijani, minimizou o ataque, chamando-o de "incidente menor".

O ataque ao mausoléu no sul de Teerã dedicado ao fundador da República Islâmica, o aiatolá Ruhollah Khomeini, teria ocorrido por volta das 10h40 do horário local (3h10 de Brasília).

Um dos autores do ataque morreu ao detonar um colete-bomba e outro foi morto por forças de segurança, segundo a TV estatal Irib.

Imagens do local mostram granadas e cartuchos de armas sendo aparentemente recolhidos do corpo de um agressor.

Pelo menos um dos envolvidos parece ser uma mulher, ou talvez estivesse vestido de mulher.

Várias pessoas que visitavam o lugar foram feridas.

Contexto - por Jenny Norton, do serviço persa da BBC

Este parece ser o mais grave incidente de violência terrorista em Teerã desde os turbulentos anos logo após a Revolução Islâmica de 1979.

Isto será um grande choque para os iranianos, que se acostumaram a viver num país que geralmente é muito mais estável e seguro do que a maioria de seus vizinhos.

Apesar do ativo envolvimento do Irã no combate ao EI tanto no Irã como na Síria, o grupo sunita até então não tinha realizado ataques no interior do Irã, e parece ter pouco apoio no país predominantemente xiita.

Entretanto, nos últimos meses, o grupo intensificou os esforços de propaganda na língua farsi - com foco na minoria sunita rebelde do Irã, e as agências de inteligência afirmam ter frustrado uma série de possíveis ataques do EI.

Análise - da equipe de monitoramento da mídia jihadista da BBC

O EI divulgou este ano uma série de peças de propaganda com o objetivo de incitar ataques dentro do Irã.

Um vídeo com o estilo documental do EI mostrou, em março, militantes que eram introduzidos como combatentes iranianos do EI no Iraque.

Falando em farsi, eles criticaram o governo iraniano e o establishment religioso, incluindo o líder espiritual do país, o aiatolá Ali Khamenei.

Um ataque no Irã, se for bem-sucedido, poderia ser um triunfo importante contra um inimigo tradicional que outros grupos jihadistas, incluindo seu rival Al-Qaeda, nunca conseguiram. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos