PUBLICIDADE
Topo

A 'blasfêmia' que contrariou a Bíblia sobre a verdadeira idade da Terra

23/07/2017 09h33

Isso demonstrava que o granito estava fundido quando se encontrou com as rochas cinza, e que havia um "motor gigante de calor" em ação. Além disso, sustentava seu argumento de que Terra tinha sofrido mudanças desde a Criação, ao contrário do que dizia a Bíblia.

Essas observações já provavam grande parte da teoria de Hutton de que a Terra era um sistema. Mas ele ainda queria saber a idade do planeta, em especial se era mais antigo que os milhares de anos sugeridos pela Bíblia.

Muitos milhares de anos

Em 1788, Hutton tomou o rumo de Siccar Point, uma formação rochosa na Costa Leste escocesa. Ele estava intrigado pelos diferentes ângulos das rochas ao longo dos desfiladeiros - em alguns pontos eram verticais, enquanto em outros eram horizontais.

Observando-as, ele concluiu que a diferença se devia a ciclos geológicos, em que uma variedade de tipos de rocha se intercalavam.

Na época, Hutton são sabia que estava vendo o resultado do movimento de placas tectônicas, mas tinha informações suficientes para deduziras que as alterações não tinham como ocorrer no templo bíblico, mas sim no que chamou de tempo profundo.

Esse conceito foi um avanço extraordinário, tão significativo como a Teoria da Evolução das Espécies de Darwin ou a Teoria da Relatividade de Einstein.

James Hutton vislumbrou a verdadeira e vasta idade da Terra, um descobrimento que nos permitiu reconstruir a complexa história de nosso planeta.