A bailarina russa que virou piloto de avião

No mês passado, a Rússia passou a aceitar pilotos de guerra mulheres pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

Os militares dizem que receberam centenas cartas de interesse. O primeiro grupo, com quinze mulheres, começa a treinar no mês que vem.

BBC
Ekaterina Voronina

Durante a guerra, as pilotos da União Soviética eram conhecidas como "Falcões de Stálin", mas depois não puderam continuar a carreira na aeronáutica.

A BBC perguntou a três mulheres como é ser piloto hoje no país.

"Sou bailarina profissional e dou aulas de dança para crianças. Alguns pais das minhas alunas ficaram surpresos e chocados quando descobriram que o balé não é meu único interesse", diz a bailarina Ekaterina Voronina, que também é piloto há dez anos.

"Para aviadores, o gênero não importa. Cada voo me faz feliz. Você doma essa fera, e juntos vocês conquistam o céu."

No topo

Svetlana Kapanina é campeã mundial de acrobacias aéreas.

"É difícil descrever o que sinto quando ganho um campeonato", diz. "É difícil ganhar da primeira vez e ainda mais difícil continuar ganhando, ano após ano."

"No meu primeiro campeonato, havia 44 homens. Eu era a única mulher. Quando a competição pegou fogo, todos os homens ficaram de pé e gritaram: 'Primeira! Primeira! Eles queriam que eu fizesse o primeiro voo", conta.

A estudante de aviação Anastasia Dagaeva diz que não há estereótipos de gênero entre os pilotos, mas mesmo a aviação amadora ainda é considerada um universo masculino.

"As mulheres superam os desafios, e isso me deixa muito feliz."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos