Eleições 2018

Com seguranças mulheres e 'guerra' na internet, seguidores preparam visita de Bolsonaro a Belém

Leandro Machado - Enviado especial da BBC Brasil a Belém

  • Leandro Machado/BBC Brasil

    Grupo Endireita Pará criou um sistema de segurança para a estadia de Bolsonaro em Belém

    Grupo Endireita Pará criou um sistema de segurança para a estadia de Bolsonaro em Belém

Duas procissões têm chacoalhado a capital do Pará nesta semana. A primeira é o tradicional Círio de Nazaré, romaria que, a partir de sexta-feira, vai abarrotar as ruas de Belém com mais de dois milhões de fiéis de Nossa Senhora de Nazaré. A segunda é a visita do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC), pré-candidato à Presidência da República: os devotos do político estão em polvorosa e uma "operação de guerra" foi organizada nas ruas e na internet.

Nesta quinta-feira, o ídolo da direita será recebido por milhares de pessoas no aeroporto, desfilará pela cidade em carro de som e vai terminar o roteiro com uma palestra em lugar com capacidade para 1,3 mil pessoas - as vagas estão concorridíssimas. É a primeira visita do deputado à cidade nos últimos dois anos - e há uma desconfiança geral entre seus seguidores de que possa existir um "ataque" de militantes de esquerda durante a estadia do parlamentar.

Segundo seus seguidores, ativistas de esquerda e feministas chegaram a criar eventos em redes sociais para tentar inchar um protesto contra o parlamentar - depois, dizem, as publicações foram apagadas. O medo, principalmente, é de que Bolsonaro seja alvo de uma ovada - como aconteceu em Salvador com João Doria (PSDB), prefeito de São Paulo e também pré-candidato à Presidência.

Grupos de fãs de Bolsonaro querem tentar impedir que isso aconteça. Um deles, o "Endireita Pará", recrutou um time de 20 seguranças, todas mulheres, para serem "guarda-costas" do congressista conservador. Motoqueiros também vão passar pelo trajeto para tentar descobrir "inimigos" pelo caminho - caso encontrem, a rota deverá ser modificada. No início da tarde, horas antes de Bolsonaro desembarcar na cidade, "batedores" vão circular pelo aeroporto para tentar identificar "possíveis esquerdistas". Os apoiadores esperam lotar o saguão do local para recepcionar o pré-candidato, assim como já ocorreu em outras cidades do país.

O grupo escolheu mulheres para a segurança por dois motivos: a primeira razão seria uma forma de "quebrar o estereótipo" de que Bolsonaro seria machista e misógino. Essa fama cresceu após declarações do deputado, como a em que afirmou que Maria do Rosário (PT), sua colega de Congresso, "não merecia ser estuprada" por ele, e a vez em que disse: "Tenho cinco filhos. Foram quatro homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher".

Para os militantes, declarações como essas são tiradas do contexto para imprimir uma imagem de machismo. No caso de Maria do Rosário, por exemplo, eles dizem que Bolsonaro estava defendendo castração química para estupradores, uma de suas principais bandeiras - Maria do Rosário é contra.

"Se você analisar, vai ver que pegam várias frases dele e fazem como uma montagem. Coisas que não têm procedência. Eu já fui para Brasília, eu o conheci, ele é super tranquilo. Sou mulher e ele me recebeu. Ele não me passou isso, de ser preconceituoso, de ser rígido, como dizem", diz a produtora de eventos Drica Pinheiro, de 35 anos, uma das seguranças na quinta-feira.

O outro motivo para a formação do time feminino é mais prático. Os militantes querem evitar que ocorra um conflito entre feministas e algum seguidor homem, o que repercutiria de forma negativa.

"A esquerda está infiltrando mulheres para criar confusão, jogar ovos. Se tivesse segurança homem, poderia ter conflito. Então o trato vai ser de mulher para mulher", afirma Pinheiro.

Na tarde de terça-feira, integrantes do Endireita Pará se encontraram na beira da piscina de um hotel de Belém para organizar as ações.

A estudante de direito Nana Magalhães, de 43 anos, explicou aos colegas homens:

"Se aparecer alguma mulher, vocês avisam e saem de perto, não encostem, deixa com a gente".

Um militante perguntou:

"E se for bonitinha?".

A universitária respondeu:

"Piorou, nem olha, não é para você olhar nem pelo retrovisor."

Tudo pela família brasileira

Magalhães conta que vive esse embate ideológico dentro de sua própria casa. Seu filho, um estudante de publicidade de 21 anos, é de esquerda - o que ela considera ruim. "Foi nisso que eu errei, só depois vi que tinha palestra do PSOL na faculdade. Não percebi e ele foi doutrinado", diz.

A estudante é uma das fundadoras do Endireita Pará, que tem dezenas de participantes, a maioria mulheres conservadoras - o grupo se corresponde pelo WhatsApp e se encontra regularmente.

Começou assim: em 2013, Magalhães visitou a escola onde estuda sua outra filha, hoje com dez anos. Descobriu que o colégio conversava com os alunos sobre homossexualidade.

"Fiquei revoltada. Todo aquele papo de kit gay (material sobre questões de gênero que teve distribuição cogitada no governo Dilma Rousseff). Comecei a reunir algumas mães para conversar sobre isso, depois evoluiu para política. Fui procurar um político que falava sobre o que eu acreditava. Encontrei o Bolsonaro."

A funcionária pública Joana (nome fictício, a pedido dela), de 49 anos, também foi neste embalo.

"A nossa principal afinidade com Bolsonaro é sobre família. Nós acreditamos nas propostas dele para a família brasileira, que está sendo destruída. Somos contra ideologia de gênero e somos a favor da escola sem partido (projeto que propõe proibir professores de 'doutrinar ideologicamente seus alunos')."

Nem sempre Joana foi de direita, ela confessa já ter votado em quem hoje é seu arqui-inimigo.

"Já votei na esquerda. Confesso que, em 2002, votei no (ex-presidente) Lula. Eu acreditava na proposta que ele tinha para a educação e fui iludida", diz.

Culpa por Dilma

Há entre os militantes de Bolsonaro no Pará um certo sentimento de "culpa" em relação ao segundo turno das eleições de 2014. De certa forma, eles acreditam que Dilma Rousseff (PT) só ganhou a reeleição porque "virou" a disputa contra o senador Aécio Neves na Região Norte. Ou seja, ela estaria perdendo até que os votos da área fossem computados. Não há comprovação de que isso tenha ocorrido de fato - a enorme maioria dos votos foi divulgada de uma só vez.

Historicamente, no entanto, candidatos a presidente pelo PT ganham de seus adversários no Pará. Em 2002, por exemplo, Lula teve 52% dos votos no Estado no segundo turno. Em 2006, foram 60%. Quatro anos depois, Dilma teve 52% - em sua reeleição, em 2014, a petista chegou a 57% dos votos.

Uma pesquisa Datafolha, divulgada nesta semana, mostrou que Lula lidera o cenário para as eleições de 2018 com 36% das intenções de voto; Bolsonaro tem 16% e Marina Silva (Rede), 14%.

No Pará, os fiéis de Bolsonaro querem virar esse cenário.

"O PT não vence mais aqui, essa situação mudou. A direita hoje é mais forte e tenho certeza de que Bolsonaro ganha no Pará", diz o empresário Magno Guerra, de 47 anos, um dos organizadores do evento com o deputado conservador.

Guerra também admite: já votou em Lula em algumas eleições.

"Eu achava que ele tinha feito coisas boas, como ampliar o crédito para pessoas mais pobres, dar bolsa para os jovens estudarem, estimulou a economia. Mas depois, com os escândalos, vi que tudo era uma máscara para esconder a corrupção do PT", diz.

Condenado por corrupção, Lula sempre negou qualquer desvio.

Hoje, o empresário é a favor de que Bolsonaro, caso ganhe a eleição, feche o Congresso Nacional para excluir os "corruptos" que estão lá.

Invasão, espionagem, xingamentos

Em Belém, a "guerra" entre fãs do deputado e eleitores da esquerda também está ocorrendo em grupos de WhatsApp. Desde segunda-feira, a BBC Brasil participa de grupos de discussão com fãs de Bolsonaro e de Lula no Pará.

Na maior parte do tempo, eles defendem as ideias dos dois políticos e falam sobre a chegada do deputado a Belém. No entanto, os participantes de ambos os lados invadem os grupos rivais - isso é possível porque o convite para fazer parte da conversa é público. Quando entram, os apoiadores espionam a conversa dos adversários, fazem xingamentos contra o lado oposto, propaganda de seu político favorito e, depois, acabam excluídos pelos administradores - únicos com esse poder. Segundo ativistas de direita, foi com esse método que descobriram um plano de protesto contra Bolsonaro em Belém.

Há um objetivo maior e mais difícil na invasão: a ideia é colocar um nome falso de apresentação no aplicativo, fingir ser um apoiador do rival, ganhar confiança dos participantes e tornar-se um administrador. Depois, o mentiroso apaga o grupo adversário, que tinha centenas de pessoas. Um militante de direita conseguiu excluir um fórum de apoio a Lula na terça - ele se vangloriou para os colegas. Para evitar que isso ocorra com o grupo, o Endireita Pará restringiu os participantes e ficou com apenas três administradores fixos.

Na manhã de terça, seguidores do parlamentar criaram outra brincadeira: mandaram mensagens para rádios locais, pedindo músicas. Ao se identificarem, trocavam o sobrenome para o de Bolsonaro.

Doria quer aparecer na cidade do Círio

Outro pré-candidato a presidente vai dar as caras em Belém nesta semana. João Doria deve receber o título de cidadão da cidade na sexta-feira - a mesma homenagem foi recusada a Bolsonaro pelos vereadores. O tucano vai aproveitar o Círio de Nazaré para se mostrar a dois milhões de pessoas que estarão nas ruas neste fim de semana.

Devotos de Bolsonaro no Pará se dividem em duas correntes em relação a Doria. Há aqueles que admiram seu perfil de "gestor" e acreditam que ele seja de direita e conservador - para estes, o tucano seria uma alternativa. Outros veem o prefeito como um bom político, mas que tem viés esquerdista, assim como seu partido - que está envolvido em casos de corrupção.

"Ele se diz de direita, mas é a favor da ideologia de gênero e do desarmamento. Ele tem segurança. Nós é que vivemos a violência, temos o direito de ter uma arma. Ele quer que a gente se defenda dos bandidos como, com uma sombrinha?", pergunta Nana Magalhães.

Drica Pinheiro faz outra crítica. "Para mim, existe o cavalo de Doria: você quebra e sai um monte de tucano de dentro."

'Os esquerdistas'

Doria e Bolsonaro não estarão ao mesmo tempo na cidade do Círio de Nazaré.

Antes de ir embora, o parlamentar vai fazer uma palestra em um centro de eventos - o aluguel do espaço custou R$ 9 mil. A organização e os custos ficaram a cargo do deputado federal Éder Mauro (PSD), um ex-delegado do Pará e amigo do pré-candidato a presidente. Mauro espalhou cartazes pela cidade anunciando o evento na quinta.

O dono do salão, que preferiu não se identificar, afirmou ter receio de que ocorra uma confusão em seu imóvel - o local tem capacidade para 1,3 mil, mas 7 mil pessoas se inscreveram.

"Isso (conflitos com seguidores da esquerda) não tem a mínima possibilidade de acontecer. Os eventos vão ter segurança, também avisei a polícia. Serão milhares de pessoas. Duvido que grupos radicais tentem alguma coisa", disse Mauro, por telefone.

Drica Pinheiro, uma das seguranças de Bolsonaro, faz uma provocação aos adversários políticos.

"Estamos preparando nossa segurança, mas olha, eu conheço o perfil dos esquerdistas do Pará: eles são medrosos."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos