'Perdi meu emprego de 21 anos por postar uma foto no Facebook'

Quando Rachel Burns postou, no Facebook, uma foto de uma festa ocorrida no trabalho, ela não tinha a menor ideia de que isso acabaria com a sua carreira. O repórter da BBC Laurence Grissell acompanhou a história de Rachel ao longo de um ano.

"Eu amava o meu trabalho. É a minha vocação. Eu amo cuidar das pessoas", diz Rachel.

Por 21 anos, até dezembro de 2015, ela trabalhou no Park Hall, abrigo para idosos e adultos vulneráveis em Reigate, Surrey.

Ela começou lá como cuidadora assistente e foi subindo de posição. Nos últimos dois anos, atuou como gerente.

"Sempre havia atividades acontecendo. Eu queria que os residentes tivessem uma qualidade de vida decente."

Uma das atividades organizadas por Rachel para os moradores do Park Hall era a noite musical, que ocorria toda sexta-feira.

"Nós colocávamos flores nas mesas", diz Rachel. "Os residentes se arrumavam e tínhamos um jantar diferente toda semana."

Como uma apaixonada cantora amadora, Rachel se apresentava nas noites musicais, cantando de Roberta Flack a Nina Simone e Boney M.

"Os funcionários se levantavam para dançar com os residentes. Você podia ver o sorriso no rosto deles. Era uma coisa bonita de se ver."

Numa sexta-feira, Rachel voltou para casa após a noite musical e decidiu compartilhar, na internet, alguns dos momentos especiais daquela noite.

"Eu estava bem eufórica com o resultado daquela noite", conta Rachel. "Eu postei a foto pensando que seria vista só por algumas pessoas, os meus funcionários que estão no Facebook."

Mas, dois meses depois, Rachel recebeu uma ligação convocando-a para o escritório da diretoria.

"Assim que cheguei lá, quando vi os rostos deles, percebi que estava em apuros."

Rachel tinha feito quatro coisas erradas. Ela postou uma foto no Facebook, identificou um residente do Park Hall na foto - um homem com síndrome de Down que, animado para ser fotografado, pulou para ser clicado ao lado dela -, postou um vídeo da noite musical, e era amiga, na rede social, de um parente de um dos residentes.

Todas estas ações violavam as regras do governo local, o Conselho Municipal de Surrey, que administra a residência de idosos. Dois dias depois, Rachel foi suspensa do trabalho.

O recurso

Desde o início, Rachel admitiu ao conselho todas as alegações, mas ainda assim queria apelar da decisão. "Eu sei que não deveria ter postado aquela foto, mas eu realmente mereço ter minha carreira de 21 anos sacrificada por um erro? Eu queria justiça, porque não achava que o que eles fizeram comigo era justo."

Rachel perdeu o recurso pedindo para não ser suspensa, e recebeu só dois dias para decidir se aceitaria ser rebaixada de posição - o que significaria um importante corte salarial - ou se encararia a demissão.

Ela pediu mais tempo para considerar as opções, mas o conselho recusou. Em vez de um prazo maior, Rachel, que hoje sofre com estresse e ansiedade, recebeu um telefonema dizendo que teria de tomar uma decisão imediatamente.

"Eu disse: 'Estou sob licença médica, meu médico não acha que eu possa tomar uma decisão dessa magnitude neste momento.'"

Mas Rachel foi informada que, se não aceitasse o "rebaixamento" de posição, seria demitida do trabalho, que lhe rendia £45 mil (R$ 193 mil) por ano (cerca de R$ 16 mil por mês), com efeito imediato.

"Eu recebi uma carta no dia seguinte que dizia: 'Sentimos muito que tenha decidido optar pela demissão'. E foi isso aí", conta.

O irmão de Claire Pooley é o residente de Park Hall que aparece na foto que Rachel postou na internet.

Claire diz que o irmão ama ser o centro das atenções e compartilhar fotos com o restante da família. As sextas musicais eram o ponto alto da semana dele.

"Ele ama cantar e dançar", diz Claire. "Rachel e o pessoal simplesmente permitiam que ele florescesse numa sexta à noite."

"Desde o momento em que cruzamos a porta do Park Hall, percebemos que era um lugar especial", afirma Graham, marido de Claire. "A atmosfera, a cultura e o comportamento... As pessoas eram felizes ali e tinham muitos estímulos."

O casal diz que os funcionários de Park Hall encorajavam o irmão de Claire a cantar durante as noites musicais.

"Ele praticava e se preparava para isso, embora cantasse as mesmas três músicas toda semana", diz Graham. "Nós adorávamos vê-lo cantar. Isso trazia vida a ele, era incrível."

Nem Claire nem Graham acham que Rachel deveria ter sido demitida por postar a foto do irmão de Claire. "Nenhum de nós se incomoda com isso - tendo sido um erro de conduta ou não", diz Claire.

"Depois de 21 anos, é apropriado demitir a gerente que criou essa cultura e atmosfera neste abrigo especial?", questiona Graham. "A resposta é não, não é."

É outubro de 2016 e Rachel decidiu levar o Conselho Municipal de Surrey à Justiça do trabalho, alegando demissão injusta.

"Eles tinham que entender que é da minha vida que estamos tratando aqui", diz ela. "Eu quero minha carreira de volta."

Uma audiência preliminar foi marcada para novembro. Mas ela não tem condições de arcar com um advogado pago e pretende encarar os advogados do conselho com a ajuda de um amigo, o reverendo David Walford, um capelão aposentado que nunca atuou nos tribunais e que admite ter sido retirado da sua zona de conforto.

"Eu fico muito feliz em defender as pessoas", diz David. "O que não me dá segurança é encarar pessoas que têm toda uma carreira dedicada a atividades relacionadas ao Direito."

David estava em Park Hall na noite em que a foto foi tirada. Como Rachel, ele é cantor amador e se apresentava nas noites musicais.

"Eu já conheci muitos abrigos de idosos ao longo da minha vida como clérigo e capelão de hospital. Eu sabia a diferença entre o que eu estava acostumado a ver e o Park Hall. Cuidados com amor, não cuidados por obrigação - era isso que a Rachel estava dando. Pensar que a Rachel foi dispensada por causa disso me fez chorar."

Para piorar, o marido de Rachel, Gary, não está bem de saúde.

"Faz quatro anos que ele tem um tumor no cérebro", diz Rachel. "Ele era muito saudável, mas agora anda com uma bengala."

Gary está impossibilitado de trabalhar e, sem uma referência de empregador prévio, Rachel não consegue achar trabalho. Os dois estão acumulando enormes dívidas, sobrevivendo com seus cartões de crédito, mas esperam que os problemas de dinheiro sejam resolvidos, se tiverem sorte no tribunal.

Duas semanas antes da data da audiência preliminar, Rachel está cantando de graça num pub local. Ela está no palco cantando Stuck in the Middle with You, do grupo Stealers Wheel, e pedindo para o público ocupar a pista de dança.

"É tanto stress. É uma loucura", Rachel disse, depois. "Por isso, noites assim são maravilhosas."

O dia da audiência preliminar em Croydon finalmente chega. Rachel, que sempre acreditou que o caso seria resolvido fora dos tribunais, diz que nunca imaginou que chegaria a este ponto. Ela está nervosa.

"Eu vou ter que me defender contra um dos advogados mais experientes de Surrey por ter cometido um erro em 21 anos de carreira. Eles me crucificaram."

O juiz marca uma data para o julgamento, mas é só daqui a sete meses, no começo de junho.

Então, de repente, perto do final de dezembro, Rachel recebe uma oferta de acordo do conselho. Por dois dias, ela considera aceitar os £ 7.500 (R$ 32.168), até mudar de ideia.

"Era uma piada, uma completa piada", diz Rachel. "E agora nem se trata do dinheiro. Trata-se de mostrar o que eles são."

Com o arrastar do caso, Rachel está sentindo a pressão. Ela está ansiosa e depressiva. Muita coisa está em jogo - ela e Gary estão numa situação difícil. As dívidas deles estão se acumulando, e a casa em Reigate, onde eles vivem com o cachorro border collie, Bramble, está com sete meses de aluguel atrasado.

"Estamos juntando centavos, literalmente centavos", ela diz. "Isso não termina nunca, não vai acabar nunca."

"Tudo o que eu fiz foi postar uma foto de um morador aproveitando a vida na residência de idosos onde eu amava trabalhar", diz ela, começando a chorar.

Em junho de 2017, o casal está em uma situação limite. Eles não têm dinheiro na conta bancária e nenhuma economia para os socorrer. Rachel teme perder tudo, inclusive o teto sobre a cabeça deles.

"Isso só mostra que, quando você pensa que tem tudo, pode ter tudo tirado de você assim, por um único erro", ela diz.

O julgamento também se tornou um peso para David. Ele está exausto. "Esse caso se tornou monstruoso", diz ele.

Dois dias antes de o julgamento começar, Rachel decide que vai desistir, não vai seguir adiante com isso. O marido, Gary, implora por quase três horas para que ela não desista agora. Esta não é a primeira vez que Rachel tem dúvidas sobre a decisão de continuar com o caso.

"Esse caso a destruiu", Gary explica. "Ela não tem mais confiança, ela não dorme mais. A gente briga muito mais agora. Tem sido desastroso."

"Eu tive que assistir à minha esposa se desmoronar lentamente por tudo o que fizeram com ela."

Finalmente, em junho, o julgamento que definirá o futuro de Rachel tem início. Ela apresenta uma série de evidências e várias testemunhas depõem. Mas, após dois dias, o juiz adia as oitivas, porque Rachel fica muito angustiada.

"É demais para mim", ela diz. "Eu pensei: 'Você me quebrou a um ponto em que não me sobrou autoestima para exercer novamente funções de gestão'. E é lamentável isso. Eu pedi desculpas. Eu contei absolutamente toda a verdade ao juiz."

As audiências finalmente são concluídas, mas sem uma decisão final. Rachel ainda precisa esperar outras sete semanas por uma resposta.

É o começo de agosto de 2017, quase 20 meses depois de Rachel ser suspensa do trabalho, e ela tem boas novidades para contar.

"Eu venci! Meu Deus, eu venci!"

A corte acolheu o argumento de que a demissão foi injusta.

A juíza decidiu que a decisão do Conselho Municipal de Surrey de "rebaixar" Rachel era razoável, considerando que ela admitiu as acusações contra si. Mas a juíza também considerou que o prazo que o conselho deu a Rachel para decidiu se aceitava o rebaixamento ou se optaria pela demissão - de apenas dois dias úteis - não foi suficiente. O procedimento adotado, ela afirmou, foi uma falha fundamental.

"A justiça prevaleceu", Rachel diz. "É incrível como, quando você acredita em algo e sabe que é merecedora, você consegue continuar. Você persiste e persiste."

Mas Rachel terá que retornar ao tribunal no dia 13 de novembro para uma audiência de reparação, na qual a corte decidirá quanto ela deverá receber de compensação. Rachel não tem ideia de quanto será, mas teme que a soma seja reduzida porque ela confirmou as alegações contra si.

Ela e Gary agora têm uma dívida de cerca de £ 50.000 (R$ 214.453) e estão com 14 meses de aluguel atrasado. Além disso, Rachel acabou recebendo uma carta de referência do Conselho Municipal de Surrey, mas o documento diz que ela foi demitida por uma séria falha de conduta, o que torna incerta as suas perspectivas de achar trabalho.

"Eu própria, como administradora, não enxergaria de forma favorável um candidato assim", ela diz.

Apesar da vitória, voltar a trabalhar tem sido uma batalha. Antes de perder o emprego, dois anos atrás, Rachel já havia sido ser diagnosticada com estresse e ainda sofre de ansiedade e depressão.

Ao mesmo tempo, o emprego que ela amava se foi para sempre. Park Hall fechou as portas em 30 de junho, como parte dos planos do Conselho Municipal de Surrey de fechar todos os seis abrigos que administrava. Os moradores foram transferidos para outras residências para idosos e vulneráveis.

"Eu realmente amava Park Hall", diz Rachel. "Era como uma família para mim, mais do que trabalho."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos