Topo

Em três pontos, o que é investigação do FBI sobre a Fundação Clinton

05/01/2018 20h31

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos abriu um novo inquérito para investigar a organização sem fins lucrativos da família Clinton.

Segundo a imprensa americana, a Promotoria e o FBI irão investigar suspeitas de que Hillary Clinton teria se envolvido com uma estratégia política conhecida como "pay-to-play", - na prática, quando uma pessoa ou empresa doa dinheiro em troca benefícios políticos ou econômicos.

O porta-voz de Hillary afirmou nesta sexta-feira que o inquérito é uma "farsa".

Segundo ele, o Procurador-Geral, Jeff Sessions, estaria fazendo isso para desviar a atenção da investigação sobre a suposta influência russa na eleição de Donald Trump.

A seguir, três pontos para entender a investigação e seus possíveis desdobramentos:

O foco do inquérito

O FBI investiga há meses secretamente a Fundação Clinton, de acordo com pessoas que tiveram acesso ao inquérito.

A investigação estaria sendo liderada por agentes do FBI de Little Rock, Arkansas, onde a fundação foi criada.

O New York Times informa que agentes entrevistaram pessoas ligadas à fundação para apurar se doações à fundação foram feitas em troca - ou com a expectativa - de receber favores políticos enquanto Hillary ainda era secretária de Estado do governo Obama, entre 2009 e 2013. Uma investigação semelhante havia sido arquivada em 2016, por falta de provas.

Mas, de acordo com apurações do Washington Post, dificilmente uma acusação formal será feita pelo Departamento de Justiça ou pelo FBI.

O que é a fundação - e suas polêmicas

Diversos veículos de imprensa dos Estados Unidos investigaram em detalhes as atividades da Fundação Clinton.

Alguns relatos apontam supostos vínculos entre algumas contribuições e pagamentos por palestras e discursos a decisões do Departamento de Estado que beneficiaram os doadores quando Hillary comandava a pasta.

Muitas alegações foram detalhadas no livro do autor conservador Peter Schweizer, Clinton Cash, publicado em 2015.

Criada em 1997 pelo ex-presidente Bill Clinton, a Fundação Clinton se tornou uma organização multibilionária. Tem projetos ao redor do mundo voltados a projetos em saúde feminina, mudanças climáticas e desenvolvimento econômico, segundo seu site oficial.

Bill Clinton ainda preside a fundação, enquanto sua filha, Chelsea, é a vice.

Hillary, porém, alega não ter tido nenhum papel formal na organização enquanto era secretária de Estado.

Em novembro do ano passado, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos teria solicitado uma investigação sobre um controverso aval do governo Obama à venda de uma empresa de urânio que envolvia um grande doador da fundação.

Mas o procurador-geral Jeff Sessions disse à época em uma audiência no Senado que não havia justificativa para um conselho especial para investigar o tema.

A repercussão

O porta-voz da Fundação Clinton, Nick Merrill, criticou o novo inquérito do Departamento de Justiça.

"Repetidamente, a fundação tem sido sujeita a alegações de motivações políticas, e repetidamente essas alegações se provaram falsas. É vergonhoso e todos os americanos deveriam estar preocupados", afirmou, em comunicado.

O inquérito, porém, será bem recebido pelo presidente Trump, que por muitas veze já havia pedido investigação sobre a atuação de Hillary como secretária de Estado.