'Será a última guerra da história': ex-general russo adverte para escalada de tensão com Ocidente

A tensão diplomática entre a Rússia e parte do Ocidente desencadeada pelo envenenamento de um ex-oficial dos serviços de inteligência russo na Grã-Bretanha ainda não tem um desfecho previsível.

O governo britânico acusou o governo russo de estar por trás do ataque a Sergei Skripal e sua filha, Yulia, em 4 de março, e anunciou a expulsão de 23 diplomatas do país. Desde então, outros 20 governos também expulsaram diplomatas russos. A Rússia respondeu expulsando mais de 100 diplomatas do Reino Unido, EUA e outros países.

Skripal, que era agente duplo e fornecia informações ao serviço secreto britânico, teria sido atacado com um gás neurotóxico em Salisbury, na Inglaterra. Ele e sua filha estão sob tratamento em um hospital - ele em estado crítico, ela, em estado de recuperação.

O apoio do presidente Vladimir Putin ao presidente sírio Bashar al-Assad e o suposto envolvimento do governo russo na disseminação de notícias falsas pata tentar influenciar as eleições americanas são outros fatores que complicam as relações com o Ocidente.

Pessoas próximas ao Kremlin acreditam que existe a possibilidade de um conflito maior - incluindo uma guerra. Essa é a opinião do tenente-general Evgeny Buzhinsky, que foi um dos principais negociadores militares da Rússia até 2009 e hoje dirige o centro de estudos PRI em Moscou.

Na terça-feira, quase um mês depois do ataque, Buzhinsky deu uma entrevista ao programa Today, da rádio BBC 4.

O programa também entrevistou Tony Brenton, que foi embaixador britânico na Rússia entre 2004 e 2008. Ele afirmou que a opinião de Buzhinsky é uma "visão relativamente dominante (na Rússia), muito espalhada tanto na elite quanto no povo."

"Nós dizemos para nós mesmos, no oeste, que Putin é um autocrata, que quando ele sair a situação vai melhorar. Mas a verdade é que não temos um problema com Putin, temos um problema com a Rússia", disse Brenton.

No programa, Buzhinsky, começou explicando que Putin apoia Assad porque este "é um presidente legítimo e não queremos que a Síria vire uma bagunça, como aconteceu com a Líbia".

"Ele (Assad) pode sair, mas como resultado de eleições gerais, não forçado por terroristas e seus aliados."

Abaixo, o diálogo que se seguiu com o apresentador do Today, Nick Robinson:

Então o objetivo da Rússia tem sido impedir uma mudança na Síria, e que os grupos que você chama de terroristas, mas que outros chamam de grupos rebeldes, obtenham algum tipo de poder?

O principal objetivo agora é acabar com a guerra civil.

Estamos muito, muito longe disso. A guerra já dura oito anos e mesmo se Assad vencer seus opositores, todos os ingredientes para um conflito prolongado estão aí, não?

Sim, com certeza. Porque os objetivos da Rússia, da Turquia, do Irã e os da oposição, liderada pelos Estados Unidos, são diferentes. Todos querem a mudança do regime. A Rússia não quer isso.

É interessante você levantar a questão de que existe uma visão do Ocidente e uma visão diferente da Rússia. Isso é verdade para quase todos as questões nas quais a Rússia está atualmente envolvida. Qual sua avaliação da situação internacional Rússia, considerando que não só o Reino Unido, mas países da União Europeia e do mundo todo expulsaram diplomatas russos e simplesmente não acreditam no que o Kremlin diz sobre o envenenamento (do ex-espião) em Salisbury?

Não tem sentido (essa descrença). Foi com certeza um crime. Começando a investigação de qualquer crime, qual a primeira pergunta que o investigador faz? Quem se beneficia. Nesse crime, o presidente Putin é a última pessoa que se beneficia, porque o crime foi nas vésperas da eleição presidencial (na Rússia), nas vésperas da Copa Mundial de Futebol, é inacreditável que a Rússia...

A Rússia que, a propósito, apresentou 13 perguntas para a Organização para a Proibição de Armas Químicas, porque o gás que acusam a Rússia de ter usado é tão venenoso que é impossível que as pessoas... A não ser que o antídoto seja administrado minutos depois. Se o antídoto foi usado, como (os britânicos) sabiam que tipo de gás foi usado? Há muitas questões.

Há muitas perguntas, muitas teorias da conspiração que vem de Moscou também. O que não existem são respostas, respostas (que digam) o porquê de tantos países no mundo todo, não só os inimigos tradicionais da Rússia, acreditarem que o Kremlin é responsável pelo ataque.

Por favor, quando você diz o mundo, você quer diz o Reino Unido, os Estados Unidos e alguns outros países.

Mas "alguns outros países" é algo crucial, não? Não é apenas o Reino Unido, não é apenas a União Europeia, não são apenas os Estados Unidos.

Quem mais responsabiliza a Rússia? Que grandes países? Índia, China, países asiáticos, Coreia, quem? Que países?

Então você acha que não importa?

Veja, é uma guerra fria. É pior do que a Guerra Fria porque se a situação continuar se desenvolvendo (da forma) como (está caminhando) hoje, vai ter um resultado muito, muito ruim.

Dê mais detalhes, o que você quer dizer com "resultado muito ruim"? Porque seria pior que a Guerra Fria?

Uma guerra real. Pior que a Guerra Fria é uma guerra real. Será a última guerra na história da humanidade.

Você está dizendo que as repercussões do envenenamento podem levar a uma guerra real? Como?

Não só o envenenamento em Salisbury, mas tudo o que está acontecendo. A pressão dos Estados Unidos e do Reino Unido vai continuar. O que vão conseguir com isso? Vão conseguir uma mudança no regime (na Síria)? É inútil. Vocês não conhecem os russos.

Quanto maior a pressão externa, mas a sociedade se consolida em torno do presidente.

Eu pediria que você desse mais detalhes. Você é um ex-militar de alta patente, chefia um respeitado centro de estudos e acaba de dizer que o resultado poderia ser pior que a Guerra Fria e levar a uma guerra real. Como poderia ser o desenrolar disso? Como iríamos da situação atual para essa?

Bom, vamos começar a falar, vamos começar a discutir. Vocês não querem conversar. Vocês dizem "a Rússia deveria mudar o seu comportamento". Não é esse tipo de conversa, não é esse tipo de compromisso que precisamos. Ok, então vocês expulsam diplomatas, nós expulsamos diplomatas, vocês expulsam mais diplomatas... Aonde isso vai levar? Qual o próximo passo? O fim das relações diplomáticas?

O que você acha que vai acontecer agora, depois disso?

Como eu disse, vai levar a lugar nenhum. Na verdade, vocês estão colocando a Rússia contra a parede. E encurralar a Rússia é algo muito perigoso.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos