Evo, Maduro, Cristina e líderes do Foro de SP criticam decisão contra 'companheiro Lula'

Ricardo Senra - Da BBC Brasil em Washington

Da BBC Brasil em Washington

  • Roberto Stuckert Filho/Palácio do Planalto

    A ex-presidente da argentina, Cristina Kirshner, manifestou apoio à Lula

    A ex-presidente da argentina, Cristina Kirshner, manifestou apoio à Lula

A decisão desta quarta-feira do Supremo Tribunal Federal, que abriu caminho para a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), decretada nesta quinta-feira pelo juiz federal Sergio Moro, gerou críticas e manifestações de repúdio de alguns de seus mais importantes aliados na esquerda latino-americana.

Os presidentes da Bolívia, Evo Morales, Venezuela, Nicolás Maduro, Nicarágua, Daniel Ortega, e o ministério de Relações Exteriores de Cuba mandaram saudações ao companheiro petista.

Os ex-presidentes Cristina Kirchner, da Argentina, Rafael Correa, do Equador e Fernando Lugo, do Paraguai, também reagiram contra as decisões judiciais.

Todos eles são membros do Foro de São Paulo, uma organização formada por partidos e movimentos políticos em 1990. Criada a partir de um seminário organizado pelo PT de Lula, a entidade se propõe a unir a esquerda latino-americana - e é alvo constante de críticas de setores ligados à direita.

O foro teve seu auge na última década: em 2005, três quartos dos 350 milhões de moradores da América do Sul eram governados por políticos de esquerda ligados ao movimento. Nos últimos anos, governos de importantes países do Foro foram ocupados por políticos de oposição ao movimento, o que fez o Foro perder parte de sua relevância no continente.

Bolívia e Venezuela

A prisão de Lula não era esperada até meados da próxima semana, quando, em tese, seriam avaliados os últimos recursos da defesa do petista em Porto Alegre.

No despacho desta quinta-feira, no entanto, Sergio Moro disse não ver necessidade de aguardar pela resolução de tais apelações.

"Hipotéticos embargos de declaração constituem apenas uma patologia protelatória e que deveria ser eliminada do mundo jurídico".

"Força, irmão Lula", disse o líder boliviano Morales nesta quinta-feira. "Sua luta e a luta dos pobres, trabalhadores, intelectuais e profissionais comprometidos com a dignidade e a soberania de nossos povos é também nossa. Nenhuma decisão, nenhum golpe judicial nunca poderá impedi-lo ou separá-lo das pessoas."

"Hoje, mais do que nunca, nos abraçamos", continuou o boliviano.

Para o venezuelano Nicolás Maduro, "dói na alma esta injustiça".

"Não só o Brasil, o mundo inteiro te abraça", disse o líder bolivariano, que acusou "a direita, frente à sua incapacidade de ganhar democraticamente", de "eleger o caminho judicial para amedrontar as forças populares".

Cuba e Nicarágua

Em seu despacho, o juiz Moro justifica a prisão do petista com base na decisão do Supremo Tribunal Federal de 2016, que permitiu o início do cumprimento de pena por réus que já tenham condenação confirmada em segunda instância, caso de Lula.

Moro afirma ainda que "em atenção à dignidade do cargo que ocupou", dará a Lula a possibilidade de se apresentar espontânea e voluntariamente à sede da Polícia Federal em Curitiba. Caso se entregue até às 17 horas desta sexta-feira, Lula não será buscado por agentes da PF.

O ministério de Relações Exteriores de Cuba, em nota, disse que Lula "continua gozando de amplo apoio popular", além de reconhecimento internacional.

"Cuba, mais uma vez, expressa sua solidariedade e apoio", diz o governo da ilha caribenha.

Já o presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, enviou mensagem na quinta-feira à noite ao petista.

"Os guardiões dos interesses imperiais e oligárquicos se colocaram contra você, mas suas decisões atiçam mais o fogo libertador dos nossos povos", afirmou, em nota assinada junto a vice-presidente Rosario Murillo, sua esposa.

Ambos classificaram o petista como "gloriosa referência destes novos tempos difíceis, desafiantes, complexos".

Cristina, Correa e Lugo

Atual senadora, a ex-presidente argentina Cristina Kirchner, aliada histórica dos governos petistas, mandou "todo o carinho" para o brasileiro e disse que "Lula ganhará as próximas eleições presidenciais".

Na visão dela, no entanto, "as elites do poder, a quem nunca interessou a justiça ou a democracia, usam o aparato judicial para seu afastamento".

Rafael Correa, ex-líder do Equador, mandou "um abraço solidário e companheiro ao irmão Lula"

"Todos sabemos que seu crime foi ter tirado 38 milhões de brasileiros da pobreza, sem se submeter às elites brasileiras", continou Correa. "Tudo é questão de tempo. O poder popular voltará como um furacão."

Já o ex-mandatário do Paraguai disse que a decisão da Justiça contra Lula "é reflexo de que o político está acima do legal".

"A democracia está em risco", avaliou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos