PUBLICIDADE
Topo

Em segundo dia de resgate, mais quatro meninos são retirados de caverna na Tailândia

09/07/2018 05h29

Mergulhadores conseguiram retirar nesta segunda-feira mais quatro garotos do complexo de cavernas em que estavam presos na Tailândia, confirmou a Marinha do país. Com isso, oito dos 13 integrantes do grupo já foram resgatados. Continuam no local outros quatro meninos e o técnico de futebol deles, de 25 anos.

De acordo com uma fonte ligada à operação, os garotos salvos nesta segunda estão em boas condições de saúde. A operação foi novamente pausada para que os socorristas descansem e planejem a próxima etapa. O plano da equipe é que os demais sejam retirados na terça-feira.

Quatro dos meninos foram resgatados no domingo e encaminhados a um hospital local - segundo autoridades, eles estavam bem.

Noventa mergulhadores estão envolvidos na operação de resgate - 40 tailandeses e 50 estrangeiros. A missão havia sido pausada durante a noite para os cilindros com ar serem substituídos. Ela é considerada de alto risco, e foi antecipada devido ao perigo de as águas voltarem a subir com novas chuvas que atingem a área.

Fontes que acompanham a operação informaram que os mergulhadores voltaram a entrar na caverna entre as 10h e as 11h, no horário local (entre meia-noite e 1h da manhã no horário de Brasília). A equipe foi reforçada em relação ao domingo e a previsão era de que o trabalho nesta segunda durasse até às 21h (por volta das 10h em Brasília).

Segundo o correspondente da BBC News, o resgate de segunda-feira foi concluído em apenas seis horas, tempo inferior ao das missões de domingo, de 11 horas no total para ida e volta das equipes com os adolescentes.

O grupo está preso na caverna desde o dia 23 de junho, depois que fortes chuvas inundaram a caverna e bloquearam a saída do local. Os 12 meninos e o técnico foram encontrados por mergulhadores na semana passada. Eles estavam famintos, mas sem ferimentos graves.

A repórter da BBC em Sidney Frances Mao disse que a Austrália enviou uma equipe de especialistas em resgate dentro de cavernas e de mergulhadores da polícia para auxiliar a operação.

Antes da confirmação de que mais quatro garotos haviam sido resgatados, helicópteros-ambulância foram vistos saindo do complexo de cavernas, e ambulâncias foram vistas chegando ao hospital da cidade de Chiang Rai.

Operação

Segundo informações divulgadas pelo chefe da missão de resgate, as identidades dos que saíram foram mantidas em sigilo em respeito às famílias cujos filhos permanecem presos no local e porque os resgatados ainda não haviam se reunido com as próprias famílias.

Ele acrescentou que o contato físico com os entes queridos seria evitado até que um risco de infecção tivesse passado, embora possa ser permitido que eles se vejam à distância ou por meio de uma proteção de vidro.

Equipes de resgate aproveitaram uma pausa na chuva no domingo para iniciar a missão mais cedo que o previsto.

No sábado, Narongsak Osottanakorn, governador da província de Chiang Rai, onde está localizado o complexo de cavernas, disse que as equipes tinham uma janela de três a quatro dias para realizar a operação.

O resgate é ainda mais complicado porque há sessões na caverna que envolvem mergulho - algumas vezes em um espaço muito estreito - e outras que requerem equipamento de montanhismo.

A operação desta segunda-feira envolveu "mais pessoas" do que ontem, segundo o coordenador da missão, Narongsak Osottanakorn.

Ele disse ainda que os garotos resgatados ainda não tiveram contato físico com suas famílias, por causa do risco de infecção. Contato à distância ou através de uma porta ou janela de vidro são permitidos.

O socorrista disse ainda que as condições de resgate nesta segunda estavam "tão boas quanto ontem", mas que a próxima fase "dependerá das condições".

Segundo a equipe de meteorologistas da BBC Weather, há previsões de tempestades tropicais na região próxima à caverna nos próximos dias.

O plano para a próxima fase, segundo Osottanakorn, é trazer mais quatro garotos. Dessa forma, apenas o técnico ficaria mais algumas horas dentro da caverna.

"Se trouxermos cinco pessoas de uma vez, precisaremos mudar o plano", disse.

Quem são os garotos e o treinador presos na caverna?

Os garotos fazem parte do time de futebol Wild Boars e têm entre 11 e 17 anos. Acredita-se que eles foram para a caverna no dia 23 de junho, após um treino, para comemorar o aniversário de um dos colegas. Teriam levado apenas alimentos básicos e acabaram presos por causa da inundação. Quatro integrantes do grupo foram resgatados no domingo, mas as identidades deles não foram reveladas:

  • Chanin Vibulrungruang, 11 (Apelido: Titan) - começou a jogar futebol aos 7 anos de idade;
  • Panumas Sangdee, 13 (Apelido: Mig), escreveu aos pais: "A Navy Seals (a força de operações especiais da Marinha) está cuidando bem de mim";
  • Duganpet Promtep, 13 (Apelido: Dom) - capitão do time de futebol. Estaria sendo sondado por vários clubes profissionais da Tailândia;
  • Somepong Jaiwong, 13 (Apelido: Pong) - sonha em jogar na seleção tailandesa;
  • Mongkol Booneiam, 13 (Apelido: Mark) - descrito pelo professor como "um bom garoto e muito respeitoso";
  • Nattawut Takamrong, 14 (Apelido: Tern) - disse aos pais que não se preocupem com ele;
  • Ekarat Wongsukchan, 14 (Apelido: Bew) - prometeu à mãe que a ajudaria uma vez que fosse resgatado;
  • Adul Sam-on, 14 - membro de uma equipe de vôlei classificada em segundo lugar em um torneio no norte da Tailândia;
  • Prajak Sutham, 15 (Apelido: Note) - descrito por amigos da família como um "rapaz inteligente e tranquilo";
  • Pipat Pho, 15 (Apelido: Nick) - pediu aos pais, na carta, que o levem para comer churrasco quando for resgatado;
  • Pornchai Kamluang, 16 (Apelido: Tee) - disse aos pais: "não se preocupem, eu estou muito feliz";
  • Peerapat Sompiangjai, 17 (Apelido: Night) - completava ano no dia em que o grupo entrou na caverna para comemorar e os pais dizem que o esperam agora para fazer sua festa de aniversário;
  • Treinador assistente Ekapol Chantawong (apelido: Ake), de 25 anos - em carta aos pais dos garotos, pediu desculpas pelo ocorrido, mas eles responderam que não o culpavam.

Por que o resgate foi antecipado?

Inicialmente, autoridades locais e especialistas pensaram em manter o grupo dentro da caverna até o fim do período de monções na região - chegou-se a cogitar que eles teriam de esperar até quatro meses pelo resgate no local.

Mas a estação mais chuvosa no país está apenas começando e há possibilidade de a enchente que os deixou presos na caverna piorar nos próximos dias.

Os socorristas vêm tentando escoar água para fora do local e, segundo o líder da operação, o nível de água lá dentro é o mais baixo registrado até agora.

"Não há outro dia além de hoje (domingo) para estarmos mais preparados. Se não (começarmos), perderemos a oportunidade", disse Osottanakorn no domingo.

Como estão sendo retirados da caverna?

A viagem de ida e volta até o local onde o grupo está é exaustiva até mesmo para mergulhadores experientes - dura cerca de 11 horas no total, seis para a ida e cinco para a volta.

Para sair do local, eles precisam andar nas rochas, caminhar na água, escalar e mergulhar - tudo na completa escuridão - com o auxílio de cordas colocadas ao longo de todo o percurso para guiá-los.

Segundo o governo tailandês, que divulgou o plano do resgate, os garotos foram divididos em quatro grupos e são transportados um a um. O treinador estará no último grupo.

Usando máscaras de mergulho de rosto inteiro, que são melhores para iniciantes, cada garoto é acompanhado por dois mergulhadores, que também carregam seu cilindro com ar.

Há quatro pontos no caminho em que eles podem parar para descansar e receber atendimento médico.

Segundo o governo, a vantagem do plano é que ele pode ser executado rapidamente e sem a necessidade de muitos recursos.

No entanto, ele requer muita habilidade dos mergulhadores. Os garotos têm que saber o básico sobre mergulhar, além de manterem-se tranquilos e não entrarem em pânico. Esta é uma das razões pelas quais eles foram separados.

O pior trecho fica mais ou menos na metade do caminho de volta - um local chamado de "Bifurcação em T", que é tão estreito que não é possível levar os cilindros com ar nas costas.

Nesse momento, os mergulhadores devem tirar os cilindros de suas costas, colocá-los no chão e rolá-los devagar, enquanto guiam os garotos pelo canal.

Algum tempo depois, eles chegam então na Câmara 3, a caverna que é usada como base avançada para os mergulhadores. Lá, descansam, são examinados novamente e caminham até a saída, de onde devem ser levados diretamente para um hospital local.

Um mergulhador experiente da Marinha, Saman Gunan, morreu dentro da caverna durante a viagem de volta, revelando quão difícil é a missão. Ele tinha ido levar cilindros com ar ao grupo.

Ele perdeu a consciência e não pôde ser reanimado. Seus colegas disseram que "não permitiriam que o sacrifício dele fosse em vão".

Como começou o resgate?

Na última semana, uma enorme operação de voluntários e da mídia se formou no local onde fica a entrada da caverna.

Mas nas primeiras horas do domingo, os jornalistas foram realocados para um ponto mais afastado e aumentou o número de policiais na entrada, aumentando a especulação de que o resgate começaria.

Em seguida, o líder da operação, Narongsak Osottanakorn, confirmou que 13 mergulhadores haviam entrado na caverna para começar a trazer de volta os 12 meninos e seu técnico, de 25 anos.

Além deles, outros socorristas estão na caverna a postos, incluindo mergulhadores de Tailândia, Estados Unidos, Austrália, China e Europa.

"Esse é o dia D. Os garotos estão prontos para enfrentar esse desafio", afirmou no domingo.

Narongsak disse ainda que todos os garotos foram examinados por um médico e estão "saudáveis fisicamente e mentalmente... Eles estão determinados e focados".

Tanto o grupo quanto seus familiares concordaram que eles deveriam ser removidos do local assim que possível.

Havia um forte clima de expectativa no acampamento onde se reúnem voluntários de todo o país e internacionais, familiares e jornalistas, segundo a repórter da BBC Helier Cheung.

Horas depois do início, ambulâncias foram vistas deixando a área da entrada da caverna em direção ao hospital de Chiang Rai, e as autoridades começaram a confirmar o resgate dos meninos.