Topo

O grande poder dos homens que limpavam o traseiro do rei inglês Henrique 8º

Edward Dutton* - BBC History Extra

01/12/2018 15h51

No século 16, o súdito que chegava ao cargo de 'limpador' oficial do rei tinha controle sobre a riqueza da coroa e propriedades.

Qualquer um que tivesse ambições políticas na Inglaterra do século 16, período do reinado de Henrique 8º, deveria aspirar a uma das mais preciosas - e degradantes - posições na corte do rei: limpador do traseiro da majestade.

Na autocracia do período conhecido como Casa de Tudor, a arena política da Inglaterra não era o Parlamento, e sim a corte real. Tornar-se um cortesão, e não um deputado, era um começo para ascender dentro da família real.

Com os contatos certos, que podiam ser cultivados sendo primeiro um "cavaleiro da comarca", era possível que um oficial camareiro da corte chegasse ao posto de cortesão.

Assim, uma pessoa que fez um trabalho de baixa categoria poderia impressionar o rei ou alguma das "facções" que trabalhavam para ele. Esses grupos tendiam a ser protestantes (radicais) ou católicos (conservadoras) e eram liderados por homens como Thomas Cromwell e Thomas Howard, duque de Norfolk.

À época, um cortesão poderia representar a majestade do rei. Esse cargo também era um trampolim para alçar voos mais altos, como a chefia do condado de origem ou mesmo de um órgão nacional.

Quanto mais íntimas e próximas eram as relações com o rei, mais facilmente o cortesão virava um alvo importante das facções que queriam influenciar a coroa.

Todo esse molho poderia aumentar as chances de ascensão no império.

Na cova com os leões

Qualquer que fosse o palácio usado por Henrique 8º, o centro da corte era sempre sua "câmara privada". Os "cavaleiros da câmara" eram pagos para servir e serem amigos do rei. Havia outros súditos mais íntimos que, além de "amigos", também ajudavam Henrique 8º a se vestir.

Mas havia outros níveis de proximidade: os "senhores do corpo" tinham acesso ao quarto do rei. Eles o acordavam às 8h e tinham o controle de quem entrava e saía do aposento durante a noite. Também o ajudavam a comer e a trocar o colete e as calças.

Mas a posição mais próxima do rei era conhecida como groom of the stool - em tradução livre, o "serviçal do banquinho", em referência ao móvel usado pelo rei para fazer suas necessidades. Em outras palavras, esse cuidador era responsável por limpar partes íntimas do rei após ele evacuar.

Mais tarde, depois do banquinho ficar obsoleto, a expressão foi substituída por algo como "garçom das fezes".

Henrique 8º confiava tanto nessa figura que eles eram chamados de "os principais cavalheiros da câmara".

Desde o tempo de Henrique 7º, quem ocupava esse cargo também gerenciava as finanças pessoais do rei. Ou seja, ele praticamente era responsável pela política fiscal da Inglaterra.

No final do reinado de Henrique 7º, foi decidido que a corte real precisava de mais dinheiro. Para isso, vários planos foram criados para retirar dinheiro da nobreza (a rica "nobreza inferior" composta de cavalheiros, descendentes não cavalheiros, e fazendeiros cavalheiros).

Em particular, alguns direitos feudais do rei, muitos deles esquecidos, foram aplicados para arrecadar mais dinheiro. Foi decidido que a aristocracia seria fortemente multada por delitos leves, por exemplo.

Além disso, crianças e adolescentes que herdassem propriedades seriam arregimentados e transformados em pupilos da coroa. Isso significa que a coroa podia administrar propriedades para seu próprio benefício até que os jovens se tornassem adultos - e eles eram incorporados aos serviçais da corte.

Esse "terrorismo fiscal" fez com que a coroa inglesa e, portanto, o governo, ficasse imensamente rica. E quem administrava essa riqueza era o "garçom das fezes".

Então, trocar a roupa do rei ou fazer um trabalho menos "edificante", como limpar as fezes de seu traseiro, poderia tornar uma pessoa muito poderosa mas também era um serviço perigoso: podia custar sua cabeça.

O primeiro 'garçom de fezes' de Henrique 8º

O primeiro garçom de fezes de Henrique 8º foi Sir William Compton (1482-1528), que ocupou esse cargo entre 1509 e 1526.

Seu pai morreu quando ele tinha 11 anos. Como herdeiro, Compton se convertou em um pupilo de Henrique 7º.

Quando Henrique 8º chegou ao trono, ele nomeou o amigo Compton como seu limpador de traseiro oficial. Graças a sua intimidade com o rei (e também sua capacidade de influenciá-lo), ficou excepcionalmente rico.

Em 1521, por exemplo, ele administrava mais propriedades que todos os cortesãos juntos. Henrique 8º também deu cargos lucrativos aos seus cuidados, como chanceler na Irlanda e xerife de Worcestershire, Somerset e Dorset.

Compton morreu de suor inglês (também chamado de suor anglicus ou pestis suado), uma doença altamente contagiosa e fatal que afetou a Inglaterra em vários momentos durante os séculos 15 e 16. E depois sumiu.

Quem limparia o rei?

Assim como Compton, seu sucessor, Sir Henry Norris (1490-1536), de Berkshire, também era de uma família nobre.

Em 1526, ele virou "garçom das fezes" e ajudou a Ana Bolena, segunda esposa de Henrique 8º, a se converter em uma líder da facção protestante.

Em 1536, essa facção defendia usar o dinheiro dos mosteiros dissolvidos para ajudar os pobres e também conseguiu firmar uma aliança com a França.

Mas Thomas Cromwell, um dos mais poderosos e fervorosos defensores da reforma inglesa e antes um aliado de Ana Bolena, queria doar o dinheiro para o rei e para si próprio, e também se aliar com o Sacro Império Romano.

Por isso, Ana Bolena e seus partidários se converteram em uma ameaça para Cromwell, que tramou sua eliminação.

A rainha era tida como "paqueradora" e, na época, houve suspeitas de que ela traía Henrique 8º.

Cromwell foi atrás de provas. Uma delas foi uma conversa que ouviu entre Norris e Ana, em que a rainha fazia uma brincadeira.

Então, Cromwell interrogou o músico da corte Mark Smeaton, que, talvez sob tortura, confessou ter cometido adultério com a rainha - e também disse que Norris e outros eram culpados.

Em 1º de maio de 1536, Henrique 8º e seus cortesãos mais próximos receberam a notícia do suposto adultério. Ele se levantou, abandonou a esposa e exigiu que Norris o acompanhasse.

Ao final daquele mês, os cortesãos Henry Norris, Jorge Bolena (irmão de Ana), Mark Smeaton, Francis Weston e William Brereton foram decapitados por traição.

O último ajudante

O último a ocupar o cargo de garçom de fezes de Henrique 8º foi Sir Anthony Denny (1501-1549). Ele era um protestante radical que se aliou a Cromwell e se converteu em cortesão na década de 1520.

Quando o reit estava para morrer, em 1547, Denny ocupava o cargo e controlava quem podia ou não encontrar o monarca prostrado na cama.

Denny estava presente junto ao rei no momento decisivo, quando ele estava terminando seu testamento. Assim, ele assegurou que Edward Seymour fosse nomeado ao cargo de Lorde Protetor (um título importante na monarquia), garantindo o poder à facção protestante depois da morte do rei.

Isabel 1ª, uma das sucessoras de Henrique 8º, não tinha "garçom de fezes" por ser uma mulher. O cargo retornou com Jaime 1º com o nome de Lord of Bedchamber - senhor da alcova privada. Ele foi usado até a ascensão da rainha Vitória, ainda que seu marido tenha utilizado um serviço parecido.

O cargo de "garçom das fezes" só foi extinto em 1901.

*Edward Dutton é professor associado de antropologia da religião na Universidade de Oulu, na Finlândia.

Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site da BBC History Extra.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=m6yRLSqabpI

https://www.youtube.com/watch?v=Qu4t6CnDnCs&t=165s

https://www.youtube.com/watch?v=T_yTm_M_qPs