Topo

Por que a 'amante oficial' do rei da Tailândia caiu em desgraça

Rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, ao lado da consorte real, Sineenat Wongvajirapakdi - Casa Real da Tailândia/AFP
Rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, ao lado da consorte real, Sineenat Wongvajirapakdi Imagem: Casa Real da Tailândia/AFP

22/10/2019 15h29

Em julho, Sineenat Wongvajirapakdi tornou-se a primeira 'consorte real' na Tailândia em mais de um século. Agora, ela foi destituída de todos os seus títulos e honrarias por 'mau comportamento e deslealdade contra o monarca'.

O rei da Tailândia destituiu sua consorte real de seu posto e também de seus títulos, em uma decisão considerada surpreendente por ter sido tomada apenas alguns meses depois de ele conferir a ela estas honrarias.

Em julho, Sineenat Wongvajirapakdi, de 34 anos, foi nomeada "consorte oficial" ao lado da nova rainha, mas o palácio disse que ela foi punida por tentar elevar-se ao "mesmo status da rainha".

Para alguns observadores, sua queda em desgraça diz muito tanto sobre a monarquia da Tailândia quanto sobre as supostas impropriedades cometidas por ela.

Mas o que é uma consorte real? O termo normalmente se refere à mulher, marido ou companheiro(a) de um monarca, mas, na Tailândia, também é usado como um termo para outra parceira, além da mulher do rei.

Historicamente, a instituição de consortes reais é usada pela realeza da Tailândia para garantir a fidelidade de famílias poderosas de províncias do reino.

Os reis tailandeses tiveram ao longo dos séculos várias esposas ou consortes. A última vez que um rei tailandês havia tido uma consorte oficial foi na década de 1920, e o título não foi usado desde que o país se tornou uma monarquia constitucional, em 1932.

Sineenat tornou-se a primeira consorte real na Tailândia em quase um século. Quando recebeu o título, isso fez dela uma companheira oficial do rei, mas não uma rainha, logo depois de ele se casar com sua quarta mulher, a rainha Suthida.

O que se sabe sobre Sineenat?

As informações sobre seu histórico são escassas, exceto os dados biográficos divulgados pela corte na época. "O que sabemos sobre o passado dela se resume ao que a família real quis que soubéssemos", explica Pavin Chachavalpongpun, professora de estudos do sudeste asiático da Universidade de Kyoto, no Japão.

Nascida em 1985, ela é do norte da Tailândia e trabalhou como enfermeira. Quando passou a se relacionar com o então príncipe herdeiro Vajiralongkorn, tornou guarda-costas, piloto, paraquedista e se juntou à guarda real. No início deste ano, foi nomeada major-general.

Tailândia divulgou uma série de imagens de Sineenat Wongvajirapakdi em ação, mas fotos foram apagadas após retirada de títulos da consorte - Royal Household Bureau/Handout via Reuters
Tailândia divulgou uma série de imagens de Sineenat Wongvajirapakdi em ação, mas fotos foram apagadas após retirada de títulos da consorte
Imagem: Royal Household Bureau/Handout via Reuters
A variedade de honras e títulos conferidos a ela pela corte foi ampliada quando ela se tornou consorte real.

Logo depois, o palácio divulgou uma série de imagens dela em ação, juntamente com uma biografia oficial. Agora, tudo foi removido do site oficial.

O que aconteceu?

Sineenat foi destituída de sua posição e títulos por "mau comportamento e deslealdade contra o monarca", de acordo com um anúncio oficial publicado no jornal oficial da corte. Segundo o comunicado, ela foi "ambiciosa" e tentou "elevar-se ao mesmo status da rainha".

"Os comportamentos da consorte real foram considerados desrespeitosos", mostrando "desobediência contra o rei e a rainha" e abusos de seu poder de dar ordens em nome do rei. O rei entendeu que "ela não estava grata pelo título que lhe fora conferido, nem agiu adequadamente de acordo com seu status".

Tamara Loos, professora de história e estudos tailandeses na Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, diz que a falta de transparência sobre o que exatamente aconteceu é essencial para entender a situação.

"Em qualquer situação como essa, há um sistema de favorecimento nos bastidores. Sineenat pode ter feito parte desse sistema de favorecimento e agido de uma maneira que não funcionou para ela", diz a professora, indicando haver divisões na corte.

Ela acrescenta que a linguagem do comunicado sobre seu rebaixamento é "remanescente de uma época em que as mulheres não podiam ter poder político direto e, portanto, se dizia que mulheres com 'influência' eram ambiciosas".

Para Loos, a declaração está alinhada com o que ela identifica como "a ascensão de uma monarquia absolutista moderna na Tailândia".

O que acontecerá com ela?

Até agora, Sineenat foi apenas despojada de seus títulos e não está claro o que mais a espera. "Não temos ideia do que vai acontecer", explica Pavin, que acrescenta ser improvável que os desdobramentos ocorram de forma transparente.

Por mais que a narrativa de seu passado fosse controlada pelo tribunal, o mesmo provavelmente acontecerá com seu futuro.

O repentino rebaixamento de Sineenat ecoa o que aconteceu com duas das ex-mulheres do rei Vajiralongkorn. Em 1996, ele repreendeu publicamente sua segunda mulher, Sujarinee Vivacharawongse, que fugiu para os Estados Unidos, e repudiou os quatro filhos que teve com ela.

Em 2014, sua terceira mulher, Srirasmi Suwadee, cujo paradeiro é desconhecido - foi despojada de todos os seus títulos e banida da corte enquanto seus pais eram presos por crime de lesa-majestade. O filho deles, que agora tem 14 anos, foi criado por ele.

Ambas nunca emitiram declarações sobre o assunto.

O que tudo isso significa?

Maha Vajiralongkorn chegou ao trono em 2016, quando seu pai, o rei Bhumibol Adulyadej, morreu. Desde então, exerceu seus poderes de maneira mais direta.

No início deste ano, as duas unidades militares mais importantes da capital Bangcoc foram colocadas diretamente sob seu comando, mostrando uma concentração de poder militar nas mãos da realeza sem precedentes na Tailândia moderna.

"A linguagem brutal e brusca usada pela corte para denunciar Sineenat é uma forma do rei legitimar a punição dada a ela", explica Pavin.

Loos concorda que o rei está enviando uma mensagem que vai além de apenas repreender sua amante. "O rei está enviando um sinal de que não se pode ir contra ele e que, uma vez que você caia em desgraça, não tem controle sobre seu destino. Cada ação dele, econômica, militar ou familiar, revela um exercício irrestrito de poder", acrescenta ela.

De acordo com a lei de lesa-majestade do país, o rebaixamento não pode ser discutido publicamente, mas observadores acreditam que essa queda em desgraça dramática ficará guardada nas mentes de muitas pessoas.

Ouça o podcast Baixo Clero (https://noticias.uol.com.br/podcast/baixo-clero/), com análises políticas de blogueiros do UOL.

Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Rei da Tailândia tira privilégios da sua amante oficial

Band Notí­cias

Notícias