PUBLICIDADE
Topo

Twitter pede desculpas por permitir anúncios direcionados a neonazistas

17/01/2020 14h21

Investigação da BBC descobriu ser possível segmentar anúncios com palavras-chave sensíveis, como 'transfobia', supremacista branco" e 'anti-gay'.

O Twitter se desculpou por permitir que anúncios neonazistas, homofóbicos e de outros grupos de ódio fossem direcionados para parte de seus usuários.

A BBC descobriu o problema e isso levou a empresa de tecnologia a agir.

Nossa investigação descobriu que é possível segmentar usuários que demonstraram interesse em palavras-chave, incluindo "neonazismo", "supremacista branco", "transfobia" e "anti-gay".

O Twitter permite que os anúncios sejam direcionados aos usuários que publicaram ou pesquisaram tópicos específicos.

Mas a empresa já pediu desculpas por não excluir termos discriminatórios.

Organizações não governamentais que monitoram e combatem discurso de ódio já tinham levantado a preocupação de que a plataforma de publicidade da empresa de tecnologia americana pudesse ter sido usada para espalhar intolerância.

Qual foi exatamente o problema?

Como muitas empresas de redes sociais, o Twitter cria perfis detalhados sobre seus usuários, coletando dados sobre o que eles publicam, curtem, assistem e compartilham.

Os anunciantes podem tirar proveito disso usando suas ferramentas para selecionar o público para suas campanhas em uma lista de características, por exemplo, "pais de adolescentes" ou "fotógrafos amadores".

Eles também podem controlar quem lê as mensagens deles usando palavras-chave.

O Twitter fornece ao anunciante uma estimativa de quantos usuários devem ser atingidos por aquele resultado.

Por exemplo, um site de carros que deseja alcançar pessoas usando a gíria "petrolhead" ("cabeça de gasolina", em tradução livre) seria informado de que o público potencial está entre 140 mil e 172 mil pessoas.

As palavras-chave do Twitter deveriam ser restritas.

Mas nossos testes mostraram que era possível anunciar para pessoas usando o termo "neonazista".

A ferramenta de anúncios havia indicado que, no Reino Unido, isso atingiria um público potencial de 67 mil a 81 mil pessoas.

Outros termos mais sensíveis também funcionavam.

Como a BBC testou isso?

Criamos um anúncio genérico a partir de uma conta anônima no Twitter, dizendo "Feliz Ano Novo".

Em seguida, segmentamos três públicos-alvo diferentes com base em palavras-chave sensíveis.

O Twitter disse que os anúncios em sua plataforma seriam revisados ??antes do lançamento, e o anúncio da BBC entrou inicialmente em um estado ainda "pendente".

Mas logo depois foi aprovado e funcionou por algumas horas até que parássemos.

Até ali, 37 usuários viram a postagem e dois deles clicaram em um link anexado, o que os levou a uma notícia sobre memes. A execução do anúncio custa £ 3,84 (o equivalente a R$ 21).

Segmentar um anúncio usando outras palavras-chave problemáticas pareceu igualmente fácil.

Uma campanha usando as palavras-chave "islamophobes", "islamaphobia", "islamophobic" e "#islamophobic" (todas relacionadas ao ódio contra muçulmanos) tinha um potencial para atingir entre 92.900 a 114 mil usuários do Twitter, de acordo com a ferramenta do próprio Twitter.

Também foi possível fazer anúncios para grupos vulneráveis.

Fizemos o mesmo anúncio para um público de 13 a 24 anos de idade, usando as palavras-chave "anorexic" (anoréxica/o), "bulimic" (bulímica/o), "anorexia" e "bulimia".

O Twitter estimou que o público-alvo era de 20 mil pessoas. A postagem foi vista por 255 usuários e 14 pessoas clicaram no link antes de interrompermos.

O que os ativistas disseram?

A Hope Not Hate, uma instituição anti-extremismo, disse temer que os anúncios do Twitter possam se tornar uma ferramenta de propaganda para a extrema direita.

"Vejo isso sendo usado para promover o engajamento e aprofundar a convicção de indivíduos que indicaram alguma ou parcial concordância com causas ou ideias intolerantes", disse Patrik Hermansson, pesquisador de redes sociais.

A Instituição Contra a Anorexia e Bulimia acrescentou que acreditava que a ferramenta de publicidade já havia sido ajustada.

"Estou falando sobre meu distúrbio alimentar nas redes sociais há alguns anos e tenho sido alvo muitas vezes de anúncios baseados em suplementos alimentares, suplementos para perda de peso, cirurgia corretiva vertebral", disse Daniel Magson, presidente da organização.

"É um gatilho para mim, e estou fazendo uma campanha no Parlamento para acabar com isso. Portanto, é uma ótima notícia que o Twitter tenha agido agora."

O que o Twitter diz?

A rede social afirmou ter políticas em vigor para evitar abusos da segmentação por palavras-chave, mas reconheceu que elas não foram aplicadas corretamente.

"As medidas preventivas incluem a proibição de certos termos sensíveis ou discriminatórios, que atualizamos continuamente", afirmou em comunicado.

"Nesse caso, alguns desses termos foram permitidos para fins de segmentação. Isso foi um erro. Lamentamos muito o ocorrido e, assim que fomos informados sobre o problema, o corrigimos."

"Continuamos aplicando nossas políticas de anúncios, inclusive restringindo a promoção de conteúdo em uma ampla variedade de áreas, incluindo conteúdo impróprio direcionado a menores."

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=pnGyoOjozJ4

https://www.youtube.com/watch?v=Er5Axy0l64s

https://www.youtube.com/watch?v=K31t6Ctlq2M

Notícias