PUBLICIDADE
Topo

Cães são os companheiros mais antigos do homem, indica análise de DNA

Paul Rincon - Editor de Ciência da BBC News

30/10/2020 20h11

Um estudo dos padrões de DNA de cães mostra que nosso "melhor amigo" entre os animais também é o mais velho.

Um estudo feito com o DNA do cachorro mostrou que nosso "melhor amigo" no mundo animal também pode ser o nosso mais antigo companheiro.

A análise revela que a domesticação dos cães remonta há 11 mil anos, no final da última Era do Gelo.

Isso confirma que os cães foram domesticados antes de qualquer outra espécie conhecida.

Nossos companheiros caninos estavam espalhados pelo hemisfério norte nessa época e já haviam se dividido em cinco tipos diferentes.

Apesar da expansão dos cães europeus durante a era colonial, vestígios dessas antigas raças indígenas sobrevivem até hoje nas Américas, Ásia, África e Oceania.

A pesquisa preenche algumas lacunas na história natural de nossos companheiros animais mais próximos.

Pontus Skoglund, coautor do estudo e líder do grupo do laboratório Ancient Genomics, do Crick Institute de Londres, disse à BBC News: "Os cães são realmente únicos por serem essa coisa bastante estranha, se você pensar bem. Quando todas as pessoas ainda eram caçadores coletores, eles domesticaram o que era realmente um carnívoro selvagem ? os lobos são bastante assustadores em muitas partes do mundo".

"A questão é: por que as pessoas fizeram aquilo? Como isso aconteceu? É nisso que estamos interessados."

Até certo ponto, os padrões genéticos dos cães espelham os humanos porque as pessoas levavam seus companheiros com eles quando se mudavam. Mas também havia diferenças importantes.

Traços antigos

Por exemplo, os primeiros cães europeus eram inicialmente diversos, parecendo originar-se de duas populações muito distintas. Uma relacionada aos cães do Oriente Médio e outra dos cães siberianos.

Mas em algum momento, talvez após o início da Idade do Bronze (3.000 a 1.200 a.C.), uma única linhagem de cães se espalhou amplamente e substituiu todas as outras populações de cães no continente. Esse padrão não tem contrapartida nos padrões genéticos das pessoas da Europa.

Anders Bergström, principal autor e pesquisador de pós-doutorado no Crick, disse: "Se olharmos para trás, há mais de 4 ou 5 mil anos, podemos ver que a Europa era um lugar muito diversificado no que diz respeito a cães. Embora os cães europeus que vemos hoje chegar em uma gama tão extraordinária de formas e tamanhos, geneticamente eles derivam de apenas um subconjunto muito pequeno".

Uma equipe internacional analisou os genomas inteiros (o complemento total do DNA nos núcleos das células biológicas) de 27 restos de cães ancestrais associados a diversas culturas arqueológicas. Eles os compararam entre si e com os cães modernos.

Os resultados revelam que raças como o Rhodesian Ridgeback, no sul da África, e o Chihuahua e o Xoloitzcuintli, no México, retêm traços genéticos de antigos cães indígenas da região.

A ancestralidade dos cães do Leste Asiático é complexa. As raças chinesas parecem derivar de alguns de seus ancestrais como o dingo australiano e o cão cantor da Nova Guiné, com o resto vindo da Europa e cães da estepe russa.

O cão cantor da Nova Guiné recebe esse nome por causa de seu uivo melodioso, caracterizado por um aumento acentuado do tom no início.

Greger Larson, um coautor da Universidade de Oxford, disse: "Os cães são nossos parceiros animais mais antigos e mais próximos. Analisar o DNA de cães antigos está nos mostrando quão longe nossa história compartilhada vai e nos ajuda a entender quando e onde este relacionamento profundo começou".

Acredita-se que os cães tenham evoluído de lobos que se aventuraram em acampamentos humanos, talvez farejando comida. Ao serem domesticados, eles poderiam ter servido aos humanos como companheiros de caça ou guardas.

Os resultados sugerem que todos os cães derivam de uma única população extinta de lobos ? ou talvez de alguns parentes próximos. Se houve vários eventos de domesticação ao redor do mundo, essas outras linhagens não contribuíram com muito DNA para os cães posteriores.

Skoglund disse que não está claro quando ou onde começou a domesticação. "A história dos cães tem sido tão dinâmica que você não pode realmente esperar que ela ainda esteja lá para ser lida prontamente nos DNAs. Nós realmente não sabemos ? e isso é fascinante."

Muitos animais, como gatos, provavelmente se tornaram nossos animais de estimação quando os humanos se estabeleceram em fazendas há pouco mais de 6.000 anos. Os gatos provavelmente foram úteis no controle de pragas como ratos, que eram atraídos pelos resíduos gerados por povoamentos densos. Isso coloca sua domesticação em berços da agricultura, como o Oriente Próximo.

"Para os cães, quase poderia estar em qualquer lugar: a fria Sibéria, o quente Oriente Próximo, o Sudeste Asiático. Todas essas são possibilidades em minha mente", explicou Pontus Skoglund.

O estudo foi publicado na revista Science.


  • Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=bbW2YzhdAwE

https://www.youtube.com/watch?v=F1JrRT8vYRk

https://www.youtube.com/watch?v=J1cR-ox1bU8