PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
4 meses

Adolescente é a mais jovem a dar volta ao mundo em voo solo

21/01/2022 08h57

Zara Rutherford, de 19 anos, fez percurso de mais de 50 mil quilômetros em uma classe de ultraleve.

Uma adolescente se tornou a mais jovem mulher a voar sozinha pelo mundo em um desafio que durou 5 meses.A piloto belgo-britânica Zara Rutherford, de 19 anos, pousou em Kortrijk-Wevelgem, na Bélgica, dois meses depois do planejado por causa das condições adversas de tempo.

Durante a viagem ela ficou presa em solo por um mês na cidade de Nome, no Alasca, e 41 dias na Rússia.No retorno à Bélgica ela foi recebida por familiares, imprensa e fãs. Ela foi acompanhada durante a aterrisagem por quatro aeronaves da equipe de acrobacia aérea Diabos Vermelhos Belgas.

Após o pouso ela se enrolou nas bandeiras da Bélgica e do Reino Unido e disse aos repórteres que "tudo parece louco, eu ainda não consegui processar".Durante a entrevista coletiva Rutherford declarou que estava "muito feliz" de ter topado o desafio de 51 mil quilômetros."A parte mais difícil foi na Sibéria - estava extremamente frio e se o motor falhasse eu estaria a horas de um socorro. Não sei se eu sobreviveria", disse.

"Quero muito falar para as pessoas sobre minha experiência e encorajá-las a fazer algo louco com sua vida"."Se você tiver chance, vai nessa."

Como foi a aventura

O trajeto incluiu mais de 60 paradas em 5 continentes e começou em 18 de agosto do ano passado.

A aviadora belga-britânica, que é filha de pilotos, disse que gostaria de inspirar garotas a entrar nas áreas de engenharia, matemática, ciência e tecnologia.Ela bateu o recorde da americana Shaesta Waiz, que tinha 30 na época do seu desafio, em 2017. O homem mais jovem do mundo a fazer a circunavegação aérea tem 18 anos.Rutherford, além de ser a mais jovem mulher a estabelecer essa marca, é a primeira mulher a fazer o percurso em uma classe de ultraleve.A jornada deveria ter a duração de três meses, mas diversos problemas com o tempo atrasaram a viagem e levaram a estourar o prazo do visto russo - e ainda nas proximidades do inverno siberiano.Quando ela chegou no Alasca, apenas três de 39 voos puderam decolar e ela ainda teve que esperar o visto chegar do consulado russo em Houston, nos EUA.

Mesmo quando a documentação chegou, ela teve que esperar três semanas para atravessar o Estreito de Bering, que separa o Alasca da Rússia.

Frio na Sibéria

Em um post em vídeo no Instagram ela disse "Faz 18 graus negativos e minhas mãos estão literalmente geladas. Estou aqui já faz quase um mês."

"Eu tenho me mantido ocupada. Tenho mandado cartas de admissão para universidades e trabalhando no avião para estar pronto para voar".

"O tempo não tem estado muito bom. Toda vez ou a Rússia está com tempo ruim ou é Nome [no Alasca] que tem problemas".

Quando estava na Sibéria as temperaturas atingiram 35 graus negativos em terra e 20 graus negativos na altitude. Um mecânico bloqueou parte da entrada de ar para manter o motor quente no frio extremo.

Apesar dos ajustes na aeronave, a aviadora foi forçada a ficar no solo por um tempo em duas cidades russas: em Magadan ela permaneceu por uma semana e em Ayan por três.

Após uma parada não programada no aeroporto Rahadi Usman, na Indonésia, ela teve que dormir duas noites no terminal por causa da falta de documentação para deixar o local.

Apesar das dificuldades e após passar o Natal e o Ano Novo longe da sua família, ela pareceu animada em postagens no Instagram.

Um outro desafio foi ter sobrevoado em meio à fumaça de um incêndio na Califórnia.

Os avião teve problemas de funcionamento com a obstrução de um tubo pitot (um instrumento de medição) no Novo México, nos EUA, e um pneu furado adiou os planos em Singapura.

Em Veracruz, no México, ela sentiu um terremoto em um quarto de hotel no sexto andar.

"De repente o prédio começou a balançar. Acho que eu nunca desci as escadas tão rapidamente. Achei que a parte mais perigosa da viagem seria pelo ar."