PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Prisão de deputado suspeito de estupro abala partido de Boris Johnson

Parlamento britânico - Reuters
Parlamento britânico Imagem: Reuters

18/05/2022 07h06

Um deputado conservador britânico foi preso por suspeita de estupro e agressão sexual, segundo autoridades do Reino Unido. A identidade do parlamentar não foi revelada.

A Polícia Metropolitana de Londres confirmou que um homem esteve sob custódia por acusações que datam de 2002 a 2009.

O Partido Conservador disse que pediu ao parlamentar que não compareça ao Parlamento enquanto a investigação prossegue. O homem também enfrenta acusações de abuso de cargo de confiança e má conduta em um cargo público.

O porta-voz da polícia não confirmou a identidade do homem e nem se ele é parlamentar.

"Em janeiro de 2020, o Met (polícia) recebeu uma denúncia relativa a supostas ofensas sexuais cometidas entre 2002 e 2009. Os crimes teriam ocorrido em Londres", diz uma nota da polícia.

"Um homem [...] foi preso por suspeita de atentado ao pudor, agressão sexual, estupro, abuso de cargo de confiança e má conduta em cargos públicos."

O whip (líder encarregado de disciplinar os parlamentares) do Partido Conservador, Chris Heaton Harris, confirmou que se tratava de um parlamentar e que pediu a ele que se afastasse do Parlamento durante a investigação.

"Até a conclusão da investigação, não faremos mais comentários."

A polícia disse que a investigação está sendo conduzida por oficiais da unidade Central de Especialistas em Crimes.

A detenção do parlamentar acontece em meio a outros escândalos envolvendo parlamentares do Partido Conservador, do primeiro-ministro Boris Johnson.

No mês passado, o deputado conservador Imran Ahmad Khan foi condenado por assediar sexualmente um garoto de 15 anos e foi expulso do partido.

Outro parlamentar conservador, David Warburton, também foi suspenso após acusações de assédio sexual, que ele nega.

No mês passado, foi divulgado que houve queixas sexuais contra 56 parlamentares. A lista inclui três membros do gabinete de Boris Johnson e dois parlamentares do Partido Trabalhista, de oposição, segundo o jornal The Sunday Times.

Internacional