Cúpula expõe mais divergências entre países do Mercosul

da BBC, em Londres

A Cúpula do Mercosul terminou nesta sexta-feira com poucos avanços em relação às “assimetrias”, diferenças entre as economias do bloco, e acabou expondo divergências ainda maiores entre os integrantes.

Na pauta oficial, os presidentes aprovaram os primeiros projetos do Fundo de Convergência para a Estrutura (Focem), que beneficiarão em especial o Paraguai e o Uruguai. O Brasil também anunciou o fim da cobrança dupla da TEC (Tarifa Externa Comum) de produtos do Paraguai e do Uruguai.

No entanto, questões mais polêmicas – como a situação do Uruguai e o ingresso da Bolívia – ficaram sem resposta, como ficou evidente nos discursos dos chefes de Estado na reunião de sexta-feira, no hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro.

A criação do Banco do Sul, uma instituição de fomento nos moldes do BNDES para todo o bloco, também foi alvo de divergências.

Na quinta-feira, primeiro dia do evento, a polêmica declaração do presidente venezuelano, Hugo Chávez, de que pretendia "descontaminar o Mercosul do neoliberalismo" dominou a repercussão do encontro.

Nesta sexta, as atenções se voltaram para o presidente boliviano, Evo Morales, que, diante dos demais chefes de Estado, sustentou que o Brasil deveria pagar mais pelo gás do seu país, alegando que a Bolívia não pode "subvencionar o gás para o Brasil".

Uruguai

A maior insatisfação foi expressa pelo Uruguai, que no passado já havia ameaçado deixar o bloco.

Agora, na véspera de assinar um acordo comercial com os Estados Unidos que poderia provocar a saída definitiva do país do Mercosul, o presidente Tabaré Vázquez fez duras críticas ao tratamento que recebe no bloco.

“O que o Uruguai reclama é por justiça no tratamento das assimetrias do Mercosul”, disse o uruguaio, que reclamou que o bloco, para o seu país, é deficitário.

“Que se cumpram as promessas e os compromissos adquiridos nesses anos (de formação do Mercosul). Se não, continuaremos escutando nas próximas cúpulas os mesmos discursos.”

Bolívia

O pedido de ingresso da Bolívia no Mercosul também contribuiu para mostrar as discordâncias dos países no tema das assimetrias. Diplomatas e presidentes não conseguiram chegar a um consenso sobre o pedido de regalias de La Paz na adoção da Tarifa Externa Comum.

No discurso da Cúpula, os presidentes de Argentina, Brasil, Paraguai e Venezuela defenderam o ingresso da Bolívia, mas silenciaram sobre o pedido.

A proposta do presidente venezuelano de criar um Banco do Sul – de fomento para a região – recebeu apoio explícito do argentino Nestor Kirchner.

“Dois projetos são fundamentais para a integração do Mercosul. A criação do Banco do Sul, que ainda tem o ceticismo de alguns, e o Gasoduto do Sul”, disse o argentino.

Antes da cúpula, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, havia dito que o projeto poderia trazer dificuldades na hora de ser executado.

“Vamos formar uma comissão para discutir a idéia, com todos os ministros de Economia. Alguns defendem a idéia, mas outros ainda resistem. Vamos discutir”, pediu Chávez aos demais presidentes.

Durante a reunião, o Brasil defendeu algumas propostas para pôr fim às assimetrias. O governo brasileiro anunciou o fim da cobrança dupla da TEC de produtos do Paraguai e do Uruguai com componentes internacionais e defendeu concessões à Bolívia para ingresso no bloco.

“Nunca existiu um clima político tão favorável à integração”, disse Lula. “Estou plenamente convencido de que a convergência da CAN e do Mercosul será em benefício de todos.”

O presidente também confirmou que Brasil e Argentina vão abandonar o dólar nas transações comerciais entre os dois países.

Já o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, reconheceu que o Mercosul precisa de “uma boa dose de autocrítica”, mas ressaltou que no Rio houve “uma discussão muito profunda sobre as frustrações que os países menores têm em relação ao Mercosul”.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos