PAC é 'tímido demais', diz 'The Economist'

da BBC, em Londres

A última edição da revista britânica The Economist, divulgada nesta quinta-feira, afirma que o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), anunciado pelo governo brasileiro nesta semana, é “tímido demais” para gerar o crescimento econômico.

No artigo intitulado Mexido, mas não sacudido, a revista afirma que o pacote do governo pretende estimular “investimentos impressionantes de R$ 504 bilhões em infra-estrutura e moradia nos próximos quatro anos” e cortar impostos na cifra “não tão impressionante de R$ 6,6 bilhões”.

“Em uma análise mais detalhada, o pacote perde um pouco do seu brilho”, afirma a Economist em seu artigo.

“A maior parte do investimento prometido é o que empresas estatais já haviam planejado gastar e o que o governo espera que a iniciativa privada vá investir. Apenas R$ 68 bilhões são investimentos do governo federal. Praticamente todos os cortes de impostos já estavam em vigor; há apenas R$ 1,4 bilhões de novos cortes.”

Virtude

A revista afirma que a principal virtude do PAC é “obrigar o governo a executar programas, em vez de apenas falar sobre eles”.

“O pacote vai funcionar em fomentar o crescimento? É possível que ele ajude marginalmente. Mais importante é o efeito da estabilidade. Inflação baixa e taxas de juros decrescentes significam que papéis do governo não são mais as únicas opções sadias de investimento.”

A revista conclui que o Brasil pode estar deixando para trás o torpor econômico sem mudanças radicais na economia.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos