Obra perto de mesquita divide governo israelense

da BBC, em Londres

O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, rejeitou o pedido do ministro da Defesa, Amir Peretz, que exigiu a suspensão imediata das escavações iniciadas na terça-feira perto da Mesquita de El Aksa, em Jerusalém.

Em uma carta urgente a Olmert, Peretz afirmou que as escavações causam uma grande tensão em todo o mundo islâmico e podem gerar uma escalada da violência na região.

O primeiro-ministro, no entanto, disse que os argumentos contra as escavações "não têm fundamento".

O líder do movimento islâmico em Israel, Sheikh Raed Salah, declarou que os trabalhos "põem em risco a Mesquita de El Aksa", considerada o terceiro lugar mais sagrado para a religião islâmica.

De acordo com as autoridades israelenses, as escavações estão sendo feitas fora da Esplanada das Mesquitas e são necessárias para a reconstrução de uma rampa de acesso, que estava desabando e leva do Muro das Lamentações às mesquitas.

"Terceira Intifada"

Os ativistas do movimento islâmico consideram os trabalhos uma intrusão no local sagrado.

"Estamos protestando contra as escavações, pois a rampa tem 800 anos de idade e tudo que se encontra por baixo dela pertence aos muçulmanos e não aos judeus. O objetivo de Israel é transformar a mesquita em uma sinagoga", disse o porta-voz do movimento islâmico, Zahi Nudjidat.

Um dos líderes da população árabe israelense, Mohamed Zidan, afirmou que a continuação das escavações pode levar a uma "terceira Intifada".

"O mundo árabe não se calará diante das ações de Israel, se as obras continuarem a situação será pior do que a última Intifada (levante palestino contra a ocupação israelense)", disse Zidan.

O rei Abdullah, da Jordânia, tambem criticou as obras e afirmou que "as escavações representam um ato de violência e prejudicam o processo de paz".

Estado de alerta

O arqueólogo Meir Ben Dov disse à radio estatal israelense que as escavações são desnecessárias. De acordo com Ben Dov, os problemas da rampa poderiam ser resolvidos com trabalhos menores e sem escavações no local.

Já o editorial do jornal Haaretz apóia a posição do governo e acusa o movimento islâmico de aproveitar a oportunidade para "incitar" contra Israel.

"O incitamento contra a construção da ponte é uma tentativa clara de abalar o status quo no local e não pode afetar a decisão das autoridades israelenses de substituir a ponte provisória. Os esforços das forças de segurança para garantir a continuação dos trabalhos merecem todo o apoio", diz o editorial.

A policia de Jerusalém entrou em estado de alerta e proibiu a entrada na mesquita de muçulmanos com idade abaixo de 45 anos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos