Nacionalização do Canal de Suez dividiu britânicos

A crise envolvendo o Canal de Suez, no Egito, nos anos 50, dividiu a Grã-Bretanha e abalou as relações entre o governo britânico e a BBC.

A crise começou depois que o governo egípcio decidiu nacionalizar a empresa anglo-francesa Suez Canal Company, em julho de 1956.

Em retaliação, a Grã-Bretanha e a França apoiaram, secretamente, a invasão israelense à Península do Sinai.

Londres e Paris se ofereceram para intervir e criar uma zona de exclusão entre Israel e o Egito, mas quando a oferta foi recusada, no dia 31 de outubro de 1956, suas tropas assumiram o controle da zona do canal.

A crise se agravou quando a União Soviética ofereceu apoio ao Egito.

Eram tempos de Guerra Fria, e os Estados Unidos queriam impedir qualquer expansão da influência soviética. O país então pressionou a Grã-Bretanha e a França a retirar suas tropas, o que foi feito em novembro.

O que fez desta uma época particularmente difícil para a BBC foi que, ao contrário de outros conflitos, como a Segunda Guerra, a Guerra das Malvinas ou o Iraque, não havia um consenso amplo no Parlamento, com os dois principais partidos - o Conservador e o Trabalhista - divididos.

Apesar de o Partido Trabalhista, liderado por Hugh Gaitskell, ter sido inicialmente contra a nacionalização anunciada pelo Egito, eles mudaram de lado e se tornaram extremamente críticos aos conservadores, liderados por Anthony Eden.

A mudança de lado ocorreu antes mesmo da invasão, em agosto, quando o então primeiro-ministro australiano, Robert Menzies, que estava de visita a Londres, se ofereceu para fazer um pronunciamento de rádio em apoio a Eden.

A BBC rejeitou a idéia. John Green, que controlava o conteúdo das transmissões, acreditava que depois da transmissão do discurso de Eden e de outro, planejado pelo ministro do Exterior Selwyn Lloyd, a rádio estava sendo parcial, em favor do governo.

Irritado, Anthony Eden ligou para o diretor da BBC, Alexander Cadogan, para reclamar.

Os dois eram velhos amigos, e Cadogan solidarizou-se com o primeiro-ministro, descrevendo em seu diário a decisão da BBC como uma "bobagem".

Mas, apesar do temor dentro da própria BBC de que Cadogan adotaria uma postura mais intervencionista, a decisão de não transmitir o pronunciamento de Menzies se manteve.

As orientações sobre os pronunciamentos ministeriais haviam sido definidas em 1947, e o princípio de é que elas não deveriam ser controversas.

Segundo a legislação aprovada pelo Parlamento, elas deveriam lidar com fatos ou pedir a cooperação pública.

Mas, se a oposição achasse que uma transmissão havia ultrapassado esta linha, seu líder no Parlamento poderia pedir o direito de resposta.

Se o governo se recusasse, a junta de governadores da BBC era chamada a arbitrar. A situação pôs esta junta em uma situação complicada, por ter que tomar uma decisão política.

Como explicou o diretor-geral Ian Jacob: "Os procedimentos que governam as transmissões políticas foram desenhados para as controvérsias domésticas do tipo que normalmente acompanham a vida pública. Uma emergência nacional quando a ação do governo não contava com o apoio nacional apresentava um novo problema".

Depois da invasão israelense, em 29 de outubro, a crise aumentou. O primeiro-ministro, Anthony Eden, fez um pronunciamento, e o líder trabalhista exigiu direito de resposta.

Eden foi contra a idéia, acreditando que o país deveria estar unido no que ele via como uma guerra e temendo que o moral das tropas fosse prejudicado. Mas ao ser chamada para arbitrar, a BBC concordou com o pedido dos trabalhistas.

O pronunciamento de Hugh Gaitskell, no domingo, 4 de novembro, aumentou ainda mais a divisão. O assessor para Relações Públicas de Eden, William Clark, sugeriu que ele fosse editado para a transmissão pelo Serviço Árabe, que chegava ao Egito.

Depois, Clark revelou que "vários esquemas para disciplinar a BBC" foram discutidos na época.

Houve até informações, nunca confirmadas, de que o governo chegou a pensar em assumir o controle da BBC. Mas Eden queria contar com o mesmo apoio da BBC que o governo obteve durante a Segunda Guerra.

O grande problema, segundo Eden, foi o modo como os serviços de língua estrangeira retrataram as diferenças dentro da Grã-Bretanha.

Mesmo antes do início da ação militar, os comentários sobre a imprensa britânica transmitidos pela BBC mostravam as críticas ao governo publicadas nos jornais. O governo acreditava que isso minava sua posição quando ele tentava fazer ultimatos ao Egito.

Para deixar a questão clara, Jacob foi convocado pelo Ministério do Exterior e informado de que os ministros planejavam cortar o financiamento da BBC em 1 milhão de libras, com o dinheiro sendo enviado aos serviços de informação do governo no exterior.

Jacob e Cadogan, diretores da BBC, protestaram junto ao ministro sem pasta RA Butler, e tiveram a ameaça de corte reduzida pela metade. Mais tarde, ela foi suspensa totalmente.

Mas o governo queria manter uma pessoa de confiança na BBC para monitorar as transmissões, e depois do início do ataque anglo-francês, em 29 de outubro, um representante foi enviado à sede do Serviço Mundial para vetar boletins em árabe.

Nos próximos meses, sob ataques regulares do Ministério do Exterior e de parlamentares conservadores, a

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos