Morales diz que reformas são irreversíveis

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse nesta terça-feira que as reformas promovidas por seu governo são irreversíveis.

Em um longo discurso no Congresso, para marcar seus dois anos à frente do governo, Morales disse há espaço para todos no que ele chamou de "revolução democrática e cultural", mas somente se os bolivianos estiverem unidos.

"Há espaço para todos nessa revolução. E somente se nós estivermos unidos conseguiremos fazer as profundas mudanças que o povo quer", disse Morales, em um pronunciamento transmitido pela TV boliviana.

"O caminho que nós começamos a trilhar dois anos atrás é um caminho sem retorno." Nas últimas semanas o governo vem tentando dialogar com governadores de quatro dos nove departamentos bolivianos, que exigem mais autonomia.

Em seu discurso, no entanto, Morales não mencionou diretamente a crise política provocada pelo confronto com os governadores, nem a oposição, algumas vezes violenta, que suas reformas vêm sofrendo.

A proposta de Constituição da Assembléia Constituinte foi aprovada no ano passado sem a presença da oposição, o que exacerbou o confronto com os departamentos. O presidente boliviano citou a nacionalização dos hidrocarbonetos como uma das principais conquistas de seu governo.

Também destacou o avanço nos índices de alfabetização e saúde, mas criticou o lento progresso na construção de estradas e moradia.

Primeiro presidente de origem indígena da Bolívia, Morales tomou posse em 22 de janeiro de 2006, depois de vencer as eleições com mais de 50% dos votos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos