ONU fecha acordo de ajuda alimentar na Coréia do Norte

O Programa Mundial de Alimentos da ONU (PAM) fechou um acordo com o governo da Coréia do Norte para expandir o trabalho da agência no país.

O acordo possibilita que o PAM passe a ajudar a alimentar 5 milhões de pessoas afetadas pela fome no país e permite o acesso mais amplo aos agentes internacionais em áreas rurais. Atualmente, a agência fornece ajuda apenas para 1,2 milhão de pessoas.

Com maior acesso ao país - que impõe restrições severas à entrada de estrangeiros -, a agência anunciou o envio de 50 novos agentes internacionais que irão monitorar a distribuição de alimentos na área.

"Com esse acordo, a agência estará em uma posição de alcançar mais pessoas famintas e implantar um sistema de vigilância mais amplo", disse o diretor regional do PAM para a Ásia, Tony Banburym.

A ONU havia alertado que a Coréia do Norte poderia enfrentar uma crise humanitária por causa da fome que atinge a população, que depende de ajuda internacional há vários anos.

A situação se agravou em agosto de 2007, quando enchentes destruíram milhares de hectares de lavouras no país.

Estados Unidos
Em maio, o governo norte-americano anunciou o envio de meio milhão de toneladas de alimentos para o PAM distribuir na Coréia do Norte.

No entanto, o correspondente da BBC em Seul John Sudworth, esclarece que a oferta foi a parte mais simples do processo. Isso porque a ONU vem negociando há semanas com o governo da Coréia do Norte para garantir acesso irrestrito aos seus agentes e, dessa forma, levar os alimentos para aqueles que mais precisam de ajuda.

O acordo foi finalmente assinado na última sexta-feira e um navio americano que transportava alimentos para o país chegou ao porto de Nampo no domingo.

De acordo com a agência, metade da carga de trigo trazida pela embarcação será descarregada na cidade e o restante será dividido entre dois portos no leste do país.

A ajuda enviada pelos EUA não está diretamente relacionada com o acordo internacional que prevê o fim do programa nuclear da Coréia do Norte. No entanto, a chegada do navio coincide com um avanço nas negociações nesse sentido.

Na semana passada, Pyongyang entregou à China uma declaração contendo detalhes do programa nuclear do país. Como resposta, os EUA afirmaram que poderão retirar a Coréia do Norte da lista de países que apóiam o terrorismo.

Há relatos de que as negociações internacionais sobre o programa nuclear do país podem ser retomadas no próximo mês.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos