Reservista brasileiro de Israel diz que clima é de 'profunda tristeza'

Um brasileiro que mora em Israel e é reservista do Exército do país disse à BBC Brasil que o clima entre os que estão servindo nas Forças Armadas de Israel na faixa de Gaza - inclusive entre brasileiros - é de profunda tristeza.

11 DIAS DE CONFLITO

  • Reuters

    Tanque do Exército israelense toma posição na faixa de Gaza durante incursão terrestre

  • Reuters

    Garotos palestinos olham buraco em muro de escola que abriga refugiados atingida por bomba

  • AFP

    Presidente francês Nicolas Sarkozy é recebido por ministro da Síria Walid Muallem



Carlos (nome fictício), de 25 anos, recebeu esta semana um aviso de que poderá ser convocado nos próximos dias para o conflito.

Natural de São Paulo, ele obteve cidadania israelense há quatro anos e hoje mora em Ashkelon, município com cerca de 100 mil habitantes. A cidade fica a menos de dez quilômetros da faixa de Gaza e é uma das que mais tem sofrido com foguetes disparados pelo Hamas.

Ele tem mantido contato com israelenses e outros três brasileiros que servem nas Forças Armadas do país.

"Eu falo com os meus amigos, com os meus comandantes, com os meus oficiais o tempo todo - o pessoal que está acima de mim no meu serviço - e, para ser bem sincero, o sentimento comum a todos no momento, fora o temor pelos entes queridos, é de profunda tristeza."

Com o anúncio feito esta semana pelo ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, de que o país vai convocar "milhares" de reservistas para atuar na faixa de Gaza, muitos estrangeiros que possuem cidadania israelense se preparam para entrar no conflito com o grupo palestino Hamas.

Violência brasileira
Apesar de se dizer preocupado com a possibilidade de participar do conflito, Carlos conta que em Israel esse tipo de situação é algo quase cotidiano na vida dos israelenses, mesmo dos estrangeiros que obtiveram cidadania.

"É uma questão cultural importante. Aqui não é como no Brasil, que o pessoal acaba o colegial e vai para faculdade. Aqui o pessoal acaba o colegial, vai para o Exército e depois vai para a faculdade. É um estágio a mais."

Carlos trabalha em um escritório de uma empresa e diz ter uma vida normal "como qualquer pessoa". O que distingue a sua vida da maioria, no entanto, é o grau de violência ao qual é exposto no seu cotidiano.

Ele conta que convive diariamente com os foguetes disparados pelo Hamas e chegou a construir um bunker em um dos cômodos da sua casa. "Aconteceu muitas vezes, na última semana principalmente, de eu estar parado no farol vermelho dentro do carro e de começar a tocar a sirene e eu não ter onde me esconder."

Ele compara a situação com a qual convive diariamente em uma das cidades na fronteira de Israel e Gaza com a violência urbana em São Paulo, sua cidade natal.

"No Brasil, se vive uma guerra civil. É uma guerra não-declarada. Se nós formos comparar com números e proporções, hoje em dia morre muito mais gente em assaltos e com a violência urbana em São Paulo, por exemplo, que é de onde eu vim, do que aqui [em Israel], com todas as guerras e todos os conflitos militares entre um país e outro", diz.

"Obviamente a minha família morre de medo, todo mundo está apavorado e para dizer a verdade, nós aqui também. É uma situação muito complicada e imprevisível. A qualquer momento pode começar a tocar uma sirene avisando que tem um foguete vindo em nossa direção e nós temos 30 segundos para entrar em um bunker."

Carlos defende a ação de Israel contra o Hamas na faixa de Gaza. Na sua opinião, Israel tentou a todo custo evitar a operação na faixa de Gaza, mas a situação se tornou insustentável. Para ele, a culpa do conflito é do Hamas, que não cumpriu um cessar-fogo e continua atacando civis israelenses.

"Eu sou um soldado terrestre dentro da minha unidade. Ao entrar em Gaza, o intuito de Israel não é destruir o máximo possível. Pelo contrário, é destruir o mínimo possível. É tentar combater o problema com a maior precisão possível. A intenção não é matar, é prender quem está cometendo um crime contra a humanidade. É o grupo Hamas, não são os civis", diz.

"É profundamente triste termos que chegar a esse extremo de atentar de alguma forma contra a vida humana, seja ela de quem for, mesmo que seja de um terrorista que, se nós não o matarmos, ele vai nos matar."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos