PUBLICIDADE
Topo

Noruega é o melhor lugar para ser mãe, diz estudo; Brasil fica em 77º

05/05/2015 14h42

Países nórdicos lideram ranking da organização Save the Children; Brasil aparece na 77ª posição

Um relatório anual divulgado pela ONG Save the Children nesta segunda-feira (4) aponta a Noruega como o melhor país para ser mãe. Na 16ª edição do Mothers' Index, foram analisados 179 países com base em cinco indicadores, relacionados à saúde materna, educação, renda e ao status das mulheres.

A Noruega é seguida no ranking por Finlândia, Islândia, Dinamarca e Suécia. Entre os dez melhores países para a maternidade, a Austrália é o único não europeu, na 9ª posição. A Alemanha aparece em 8º lugar, atrás de Holanda (6º) e Espanha (7º).

Já o último colocado é a Somália, precedida pela República Democrática do Congo e a República Centro-Africana. O Brasil aparece na 77ª posição.

Segundo Carolyn Miles, diretora executiva da Save the Children, os dados recentes mostram que, além do bem-estar econômico, é fundamental investir em políticas financeiras para garantir a felicidade materna.

"Na Noruega, eles têm riqueza, mas também investem essa riqueza em aspectos como mães e filhos, como prioridade", diz.

Os dados também mostram que as chances de uma criança sobreviver numa cidade em desenvolvimento são influenciadas pela distância cada vez maior entre ricos e pobres.

"Estudos recentes no Brasil e na Índia indicam que o índice de mortalidade de recém-nascidos chega a ser 50% mais alto em favelas quando comparado ao de áreas sem favelas", destaca o relatório.

O índice anual da Save the Children também aponta uma disparidade global em termos de mortalidade infantil. Entre os dez países no topo do ranking, uma em cada 290 mães perde o filho antes dos cinco anos de idade, enquanto nos dez piores países, a proporção é de uma a cada oito mães.

Notícias