Atentado suicida em Istambul deixa dez mortos

Homem-bomba foi identificado pelo governo turco como um homem sírio de 28 anos, suspeito de ter ligação com o grupo terrorista "Estado Islâmico". Maioria dos mortos eram turistas estrangeiros.

Uma explosão causada por um homem-bomba no centro histórico de Istambul, na manhã desta terça-feira (12/01), deixou dez mortos e 15 feridos, dois dos quais em estado grave. Segundo informações do governo turco, a maioria das vítimas eram turistas estrangeiros.

"Um homem-bomba de origem síria foi responsável por este ato de terrorismo", disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que condenou o atentado em um pronunciamento na televisão. Segundo ele, a Turquia "é o primeiro alvo de todas as organizações terroristas ativas nesta região".

O ataque aconteceu às 10h18 (hora local) no distrito Sultanahmet, onde ficam alguns dos pontos turísticos mais famosos da Turquia, como a Basílica de Santa Sofia (Hagia Sophia) e a Mesquita Azul, na parte europeia da metrópole de 14 milhões de habitantes. Milhares de turistas passam pelo local todos os dias.

Turistas alemães entre as vítimas

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, telefonou à chanceler-federal alemã, Angela Merkel, para informar que a maioria dos mortos no ataque eram cidadãos alemães. Logo após a explosão, a Alemanha alertou seus cidadãos a evitarem pontos turísticos em Istambul. Pelo menos seis alemães estariam entre os feridos, segundo informou a rede de TV CNN na Turquia.

"O terrorismo internacional mostrou hoje, mais uma vez, sua face cruel e desumana. Nós precisamos agir decisivamente contra isso", disse Merkel logo após o atentado.

A União Europeia (UE) manifestou solidariadade para com a Turquia. "Condeno o brutal atentado terrorista em Istambul", escreveu o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk em sua conta no Twitter. A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, declarou que a UE e a Turquia "estão unidas contra todas as formas de terrorismo" - os esforços conjuntos precisam sem ampliados.

Até o momento, nenhum grupo assumiu autoria pelo ataque, mas, de acordo com o governo, o homem-bomba foi identificado como um sírio nascido em 1988. O ataque que deixou 103 mortos em outubro de 2015, na capital Ancara, foi atribuído ao grupo jihadista "Estado Islâmico", ativo no Iraque e na Síria. Desde então, a Turquia está em alerta máximo contra o terrorismo.

FF/rtr/dpa/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos