Opinião: Sem motivo para alívio

Ines Pohl, de Iowa

Ultraconservador Ted Cruz venceu em Iowa a primeira prévia republicana à presidência dos EUA, deixando Donald Trump em segundo lugar. Isso, no entanto, não é razão para relaxara, opina a correspondente Ines Pohl.

O resultado da primeira prévia republicana não é, de forma algum, bom. Por, pelo menos, duas razões. Por um lado, um homem que insultou mulheres sem pudor, que considera suspeito todo muçulmano e que, se pudesse, construiria um muro bem alto na fronteira com o México, recebeu quase 24% dos votos republicanos.

Muitos podem estar aliviados que ele não tenha ganhado essas importantes prévias. Mas cuidado: Donald Trump conseguiu, com sua retórica racista e desumana, ganhar um segundo lugar na corrida para a nomeação como candidato presidencial dos republicanos. Só isso já é motivo de preocupação.

Muito tem sido escrito que Iowa é importante principalmente para medir as expectativas. E que, por isso, os favoritos Hillary Clinton e Donald Trump seriam os que teriam mais a perder. Isso é certo. Em todas as análises e matérias de capa sobre a gestão de expectativas, no entanto, pouco foi escrito sobre os programas propostos pelos outros candidatos para ganhar naquele pequeno e evangélico estado.

A segunda má notícia é esta: Ted Cruz é um verdadeiro linha-dura evangélico, que é claramente contra a igualdade de direitos das minorias, como homossexuais e muçulmanos, contra o direito ao aborto, que quer cancelar o acordo com o Irã e revogar o "Obamacare". No próprio dia do caucus, ele anunciou, em um pequeno ginásio esportivo, sob aplausos estrondosos, que, como presidente, iria declarar imediatamente Jerusalém como a capital oficial de Israel. Esse é um entendimento estranho de política para o Oriente Médio.

Ele obteve quase 28% dos votos republicanos. Ted Cruz, pode-se dizer, vai de ultraconservador a reacionário. No caso do grosseiro Donald Trump, a esperança é que seu mero sentido para negócios sirva para impedi-lo de maiores desatinos, caso ele seja eleito. É peculiar para o campo de candidatos republicanos que procuremos características positivas mesmo em Donald Trump.

E os democratas? Bernie Sanders realmente conseguiu colocar em apuros Hillary Clinton e sua cuidadosamente planejada "operação Iowa". Ela venceu apertado no final. E para ela, isso é importante. Não para Bernie Sanders e seus seguidores. Eles comemoraram os quase 50% dos votos democratas em um hotel de aeroporto como se fosse uma vitória clara. Quando o herói dos jovens e grisalhos ex-revolucionários finalmente entrou no salão, por volta das 23h, seus partidários foram ao delírio.

E essa é a boa notícia de Iowa. Ninguém, exceto seus seguidores mais fanáticos, realmente acredita que o autodenominado democrata socialista possa conseguir a maioria no país e, por consequência, a nomeação democrata. Para isso, suas ideias estão por demais longe da realidade, seus conceitos políticos são sofisticados demais e sua agenda, pequena demais. Na política externa, ele simplesmente não pode competir com Hillary Clinton. Isso ficou cada vez mais claro nos debates.

Mas Sanders, com sua base de seguidores, é a voz discordante que Hillary Clinton agora precisa para não se deixar pressionar demais por seus adversários republicanos Ted Cruz ou Donald Trump e para manter sua imagem de sociedade liberal, o que contribui para não fortalecer Sanders demais.

A campanha eleitoral já começou para valer. E ela ainda vai ficar suja, pelo que deu para perceber nos últimos dias aqui em Iowa. Só pode ser uma boa coisa que um genuíno sonhador colabore para moldar esse debate.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos