Parlamento venezuelano aprova Lei da Anistia

Maioria dos membros da Assembleia Nacional vota a favor do projeto de lei em primeira instância. Medida visa libertar políticos presos e conta com a desaprovação da bancada chavista e do presidente, Nicolás Maduro.

A Assembleia Nacional da Venezuela aprovou nesta terça-feira (16/02), em primeira instância, a Lei da Anistia e Reconciliação Nacional. A medida visa libertar um grupo de políticos presos e conta de antemão com a desaprovação do presidente Nicolás Maduro.

O projeto de lei recebeu o aval da bancada majoritária, que o submeteu à votação nas últimas duas semanas e saudou a aprovação com gritos de "liberdade, liberdade". A bancada chavista votou contra a proposta, alegando que esta planta uma "insurreição" contra o Estado venezuelano.

"Hoje acontece o primeiro debate sobre uma lei muito importante para o nosso país, uma lei que tem como firme propósito por fim a uma longa era de prisão e perseguição tendo pensamentos distintos como motivo", disse a deputada da oposição Delsa Solórzano, ao iniciar a votação.

A deputada lembrou que um dos que está atrás das grades é o líder opositor Leopoldo López, do partido Vontade Popular, condenado a quase 14 anos de prisão por delitos como incitação à violência durante uma marcha contra o governo em fevereiro de 2014.

Após essa marcha, teve início uma onda de protestos contra o governo de Maduro, que culminou na morte de 43 pessoas. Durante o debate sobre a Lei da Anistia também se recordou que o presidente de Carcas, Antonio Ledezma, o ex-prefeito de San Cristóbal, Daniel Ceballos, e um grupo de estudantes também estão na prisão.

O parlamentar chavista Héctor Rodríguez afirmou que sua bancada não pode aprovar "esta aberração da lei da anistia criminal", que defende "o terrorismo, o narcotráfico e a corrupção". "Não podemos permitir que haja impunidade na Venezuela."

A lei será submetida agora a uma segunda votação no Parlamento. O presidente pode recorrer à Sala Constitucional, órgão do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que a oposição alega ser controlado pelo governo.

O presidente da Assembleia Nacional, Henry Ramos Allup, indicou que Maduro havia anunciado que não aprovaria uma lei da anistia antes mesmo de o projeto existir. Allup lembrou que outras leis aprovadas pelo Parlamento de maioria opositora já foram vetadas pelo TSJ.

LPF/efe/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos