Venezuela desvaloriza moeda e aumenta gasolina

Para combater crise econômica, agravada por queda nos preços do petróleo, Maduro anuncia série de medidas que diz serem "necessárias". Alta do combustível é a primeira em mais de 20 anos.

O governo da Venezuela desvalorizou nesta quarta-feira (17/02) sua moeda em 37% e subiu, pela primeira vez em mais de 20 anos, o preço da gasolina mais barata do mundo. A alta do combustível chegou a mais de 6.000%.

As medidas são uma tentativa de combater a grave crise econômica que assola o país petroleiro. O presidente Nicolás Maduro pediu que os venezuelanos apoiem suas decisões, afirmando que se trata de medidas "necessárias".

A partir desta sexta-feira, o preço da gasolina de 95 octanas subirá de 0,097 bolívar por litro para 6 bolívares por litro. Já a de 91 octanas, passará de 0,070 bolívar para 1 bolívar por litro. Para efeito de comparação, uma cerveja custa cerca de 300 bolívares, e uma caixa de morango, 800 bolívares.

Segundo Maduro, os novos preços do combustível devem assegurar "o pagamento do que se investe para produzi-lo", assim como o funcionamento da petroleira estatal PDVSA.

O presidente afirmou que apenas 30% dos veículos do país necessitam desse tipo de gasolina de alta octanagem, mas que 70% a utilizam devido à pouca diferença de preço com a de 91 octanas.

"Gastamos cerca de 1 bilhão de dólares para fazer a gasolina de 95, poderíamos economizar 800 milhões com o novo sistema de preços, que podem ir para alimentos e medicamentos", disse Maduro. Segundo o chefe de Estado, 30% dos rendimentos provenientes do novo sistema de preços irão para a Missão Transporte, que inclui programas de auxílio ao transporte público.

Taxa de câmbio e salário mínimo

Maduro também anunciou que a mais forte das taxas de câmbio oficiais do país, usada para itens básicos, como alimentos e medicamentos, passar de 6,30 bolívares para cada dólar para 10 bolívares por dólar. Outro tipo de câmbio, que o líder venezuelano classificou de "complementário e flutuante", ficará em 203 bolívares por dólar.

Maduro também anunciou a alta dos preços controlados para uma centena de serviços e produtos. Na tentativa de amenizar o impacto das medidas, que podem pressionar a inflação, o presidente também decretou um aumento de salário mínimo de 20%, para 11.578 bolívares.

Crise e lembranças do "Caracaço"

A Venezuela enfrenta uma profunda crise - caracterizada por uma recessão econômica, a inflação mais alta do mundo e escassez de bens básicos -, que se agravou com a queda dos preços do petróleo, sua principal fonte de divisas.

O aumento do preço dos combustíveis é um tema sensível no país, que detém as maiores reservas de petróleo cru do mundo. Em 1989, o então presidente Carlos Andrés Pérez empreendeu uma série de ajustes econômicos, incluindo o aumento da gasolina, que levaram a protestos violentos conhecidos como "Caracaço". A partir de então, os venezuelanos assumiram como um direito adquirido desfrutar da gasolina mais barata do mundo.

LPF/efe/rtr/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos