Suíços rejeitam endurecimento de lei de imigração

Primeiras projeções sobre o referendo dão maioria folgada para votos contrários a lei proposta por partido nacionalista de direita, que prevê expulsão automática de estrangeiros condenados por determinados crimes.

Os suíços rejeitaram neste domingo (28/02), através de referendo, o endurecimento da lei, para facilitar a expulsão de estrangeiros que cometem crimes, de acordo com as primeiras projeções.

Segundo Claude Longchamp, diretor do instituto de pesquisas estatísticas Gfs.bern, 59% votaram contra o texto e 41% foram a favor. A lei, proposta pela legenda nacionalista de direita Partido Popular Suíço (SVP, na sigla em alemão), prevê que estrangeiros que cometem certos crimes sejam automaticamente deportados depois de cumprir a sentença a que foram condenados, sem direito a recurso.

Entre os crimes citados na lei estão ofensas graves como homicídio e estupro, mas também delitos menores, como furtos ou dirigir acima do limite de velocidade que, se repetidos duas vezes em um período de dez anos, poderão resultar na expulsão.

Em 2010, os suíços já haviam aprovado uma lei similar também de iniciativa do SVP, com 52,9% dos votos. A lei, que já previa a possibilidade de expulsão por crimes graves, foi finalmente sancionada em março do ano passado, mas ainda não tem sido aplicada com rigor.

Após a aprovação, o SVP acusou o Parlamento local de desfigurar o texto original e sabotar o mecanismo de deportação automática com a inclusão de exceções e a possibilidade de que juízes pudessem suspender algumas deportações.

MD/efe/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos