Cameron enfrenta pressão no Reino Unido por "Panama Papers"

Após confissão de premiê sobre posse de ações em fundos offshore, parlamentares da oposição pedem que David Cameron divulgue sua carteira de investimentos completa, além de declarações de imposto de renda.

Parlamentares da oposição no Reino Unido exigiram nesta sexta-feira (08/04) que o primeiro-ministro britânico, David Cameron, preste esclarecimentos na Câmara dos Comuns sobre seus investimentos em fundos offshore, que vieram à tona com o vazamento dos chamados Panama Papers.

Líderes oposicionistas pedem que o premiê revele em uma declaração na próxima segunda-feira todas as ações que possui ou possuiu nesse tipo de negócio, além das que já admitiu.

"Este é o homem que está fazendo as regras e vivendo sua vida de acordo com um conjunto de regras diferentes. Ele anunciou a nova era da transparência. Ele disse que a luz era o melhor desinfetante. Por que ele não deixa as sombras e revela sua carteira de investimentos desde 2005?", questionou o vice-líder do Partido Trabalhista, Tom Watson.

Os parlamentares pedem que Cameron divulgue não somente suas declarações de imposto de renda recentes, algo que o premiê já se comprometeu a fazer, mas também revele os detalhes da sua carteira de investimentos desde 2005, quando assumiu a liderança do Partido Conservador.

Watson disse ainda que ninguém acredita que as ações que Cameron admitiu ter possuído em fundos offshore são seus únicos investimentos do tipo.

Investimentos offshore

Ao ver nomes de familiares citados no escândalo dos Panama Papers, o premiê admitiu nestaa quinta-feira que possuía até 2010 ações em um fundo de investimentos offshore que pertencia a seu pai, Ian Cameron. A confissão veio depois de dois dias de negação de envolvimento no caso.

Cameron reconheceu ter sido titular de 5 mil títulos da Blairmore Investment Trust e ressaltou que vendeu as ações do fundo em 2010, alguns meses antes de assumir o cargo de primeiro-ministro. A transação movimentou cerca de 37 mil euros. O premiê afirmou que pagou os impostos referentes ao negócio no Reino Unido.

O nome de Ian Cameron aparece entre os 11,5 milhões de documentos internos do escritório panamenho de consultoria e advocacia Mossack Fonseca, revelados na série de reportagens chamada Panama Papers, que mostrou detalhes de como empresas offshore são usadas na lavagem de dinheiro e para a evasão fiscal.

Ian Cameron, juntamente com outros membros do Partido Conservador, aparece em uma lista de clientes que teria, supostamente, realizado negócios com a Mossack Fonseca. De acordo com documentos, o pai do primeiro-ministro era diretor da Blairmore Holdings, um fundo de investimento com domicílio nas Bahamas criado em 1980 e que ainda existe. O pai do premiê morreu em 2010.

Não há indícios de que Cameron ou o pai tenham cometido algum crime, mas as revelações colocaram em questão a riqueza do primeiro-ministro. A confissão de Cameron aumentou ainda mais a pressão que ele vinha sofrendo desde o início do escândalo. No Twitter, vários usuários pediram sua renúncia.

A divulgação dos Panama Papers levou países a iniciarem investigações sobre possíveis práticas ilegais de políticos e personalidades e causou a renúncia do ex-primeiro-ministro da Islândia Sigmundur David Gunnlaugsson, após a revelação de sua participação numa empresa offshore.

CN/ap/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos