Draghi rebate críticas alemãs e vê riscos à independência do BCE

Presidente do Banco Central Europeu afirma que trabalha para garantir a estabilidade de preços em toda a zona do euro e "não só na Alemanha". Alemães criticam como ineficaz a política de dinheiro barato da instituição.

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, rebateu nesta quinta-feira (21/04) as críticas, vindas principalmente da Alemanha, à atuação da instituição e alertou que a sua independência pode estar em risco.

"Temos um mandato para garantir a estabilidade de preços em toda a zona do euro e não só na Alemanha", afirmou Draghi. "Este mandato foi determinado por lei, e nós obedecemos a lei e não aos políticos. O conselho de presidentes de bancos centrais é unânime na defesa da independência do BCE e na conformidade da política monetária atual", assinalou.

Na semana passada, o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, advertiu que a política do BCE estava causando problemas "extraordinários" à Alemanha e foi, em parte, culpada pelo crescimento eleitoral do partido populista de direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

As taxas de juros zeradas ou até mesmo negativas estão prejudicando desproporcionalmente o sistema bancário fragmentado e saturado de dinheiro da Alemanha, elevando a perspectiva de que centenas de bancos menores, principalmente os pequenos bancos de poupança, possam se tornar inviáveis.

Além disso, os juros baixos irritam os correntistas alemães, que costumam deixar seu dinheiro na poupança e evitam aplicações de maior risco. Por causa dos baixos juros do BCE, os atuais rendimentos da poupança beiram o zero na Alemanha, causando descontentamento em boa parte da população.

Apesar das críticas, Draghi reconheceu que um debate "educado e vivo" é bem-vindo e ajuda o banco a explicar suas decisões. Ele reiterou, porém, que as decisões tomadas pela instituição funcionam e só precisam de tempo para mostrar resultados.

O Banco Central Europeu anunciou, nesta quinta-feira, que manterá sua taxa de referência em 0% e que monitora os efeitos de uma série de recentes medidas adotadas para estimular a economia. As demais taxas também ficaram inalteradas. Draghi disse que as taxas de juro vão manter-se no nível atual ou mais baixo por um período prolongado.

Em seu encontro anterior, em 10 de março, o BCE anunciara uma série de medidas destinadas a levar a inflação na zona do euro de volta a níveis economicamente saudáveis. Elas incluem a redução de juros, o reforço de seu controverso programa de compra de ativos, conhecido como quantitative easing, além de disponibilizar grandes quantidades de empréstimos baratos para bancos.

PV/rtr/lusa/dpa/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos