Ativista LGBT é morto a golpes de facão em Bangladesh

Homens invadem apartamento de editor da primeira revista LGBT do país. Um amigo dele também é morto. Polícia suspeita que extremistas islâmicos tenham executado o ataque.

Um ativista dos direitos LGBT está entre os dois homens que foram mortos nesta segunda-feira (25/04) num ataque na capital de Bangladesh. A polícia suspeita que o atentado foi cometido por extremistas islâmicos.

De acordo com a polícia local, os agressores invadiram o apartamento de Xulhaz Mannan, editor da primeira revista LGBT de Bangladesh, e atacaram o ativista e um amigo com facões. Segundo testemunhas, pelo menos cinco homens participaram do atentado. O grupo teria entrado no prédio disfarçado de entregadores.

Um segurança ficou ferido no ataque. Testemunhas disseram ainda que os agressores gritaram "Alá é grande" durante a fuga.

A embaixadora dos Estados Unidos em Bangladesh, Marcia Bernicat, condenou o ataque. Mannan trabalhou por um período na embaixada americana em Daca.

"Abominamos esse ato de violência sem sentido e pedimos fortemente ao governo de Bangladesh que prenda os criminosos envolvidos nessas mortes. Xulhaz era mais do que um colega para aqueles que tiveram a sorte de trabalhar com ele na embaixada americana. Ele era um amigo querido", disse Bernicat.

O ataque ocorreu dois dias depois de um professor universitário ser morto de forma similar, em atentado reivindicado pelo grupo extremista "Estado Islâmico" (EI).

Onda de violência

A Anistia Internacional pediu um esforço maior do governo para evitar ataques desse tipo. O diretor da organização responsável pelo sul da Ásia, Champa Patel, disse que os atentados "destacam a terrível falta de proteção" de ativistas no país e ressaltou que a lei que considera relações homossexuais um crime impede que ameaças sejam reportadas às autoridades.

Bangladesh enfrenta uma onda de violência contra ativistas, estrangeiros e minorias religiosas nos últimos meses. Desde fevereiro de 2015, cinco blogueiros seculares foram mortos no país. No início deste mês, um braço da Al Qaeda na região reivindicou a morte de um blogueiro liberal. Já o EI assumiu o assassinato de dois estrangeiros, além de ataques a mesquitas e padres cristãos que ocorreram desde setembro passado.

O governo nega a presença de extremista dos EI ou da Al Qaeda no país e afirma que radicais islâmicos locais estariam por trás dos recentes ataques.

CN/rtr/ap/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos