A revolucionária descoberta no rio Amazonas

Ruby Russel (lpf)

Cientistas anunciam que na foz do rio há um recife de coral "gigantesco", maior que as áreas metropolitanas do Rio e de São Paulo. Revelação quebra paradigma vigente e pode ajudar a estudar ecossistemas semelhantes.

A água doce do rio Amazonas, repleta de sedimentos, desemboca no Oceano Atlântico. Até agora, acreditava-se que a pouca luminosidade e o baixo nível de oxigênio, assim como a elevada acidez do rio, resultavam numa espécie de ruptura nos recifes de corais que ocupam a costa do continente americano. Mas uma equipe de cientistas acaba de revolucionar essa crença.

Pesquisadores americanos e brasileiros revelaram a existência de um recife de coral com cerca de mil quilômetros de extensão na foz do rio Amazonas, entre a fronteira da Guiana Francesa e o estado do Maranhão.

"Esta é a primeira vez que um recife foi descoberto em tais condições", disse Fabiano Thompson, um dos cientistas da equipe. "Consta nos livros que é impossível haver recifes em áreas desse tipo, que recifes não se formam na foz de grandes rios, como o Amazonas e o Ganges, por causa das águas ácidas e repletas de sedimentos."

Rico ecossistema

No recife do Amazonas, os pesquisadores identificaram 61 diferentes tipos de esponjas - incluindo três novas espécies - e 73 espécies de peixes, assim como lagostas e ofiuroides. Devido à baixa luminosidade, o recife contém poucos corais, sendo dominado pela esponjas e por um tipo de alga marinha de aparência semelhante à dos corais.

Diferentemente dos recifes de coral tropicais, o do Amazonas depende menos da fotossíntese de mais da quimiossíntese - processo bioquímico e microbiano que produz matéria orgânica a partir de minerais, e não da luz.

"A fotossínteses não desempenha um papel importante na base da cadeia alimentar. É uma quebra de paradigma encontrar um recife baseado na quimiossíntese", disse Thompson à DW. Segundo o pesquisador, recifes semelhantes podem estar "escondidos em muitos lugares do mundo".

O recife do Amazonas fica na plataforma continental, a cerca de 80 quilômetros da costa, numa profundidade de até 120 metros - mais fundo do que recifes de coral costumam ocorrer.

Peixes e esponjas associados a corais foram registrados na área pela primeira vez em 1977, e em 1999, corais foram encontrados no extremo sul da foz do rio. Mas esta é a primeira vez que o recife, descrito por Thompson como "gigantesco", foi confirmado e mapeado.

"Havia uma pequena evidência nos estudos de 1977 e 1999. Mas isso não garantia a existência do recife e que ele era funcional. O recife está totalmente vivo, abrigando grande quantidade de peixes e lagostas", diz o cientista.

Exemplo útil

Thompson e sua equipe acreditam que estudar o recife poderia fornecer insights sobre como ecossistemas de corais lidam com condições não ideais, com implicações para outros corais mundo afora, que enfrentam pressão crescente das mudanças climáticas e da acidificação dos mares.

Na semana passada, cientistas australianos relataram que 93% da Grande Barreira de Coral - o maior sistema de recifes do mundo - foi afetado pelo processo de branqueamento, que ocorre como resultado da elevação da temperatura dos mares.

Segundo Thompson, pode ser que recifes profundos sob condições marginais, como o do Amazonas, sejam mais resistentes à acidificação que recifes de coral tropicais.

No entanto, o próprio recife amazônico pode estar em risco diante de uma ameaça ainda mais imediata que o aquecimento global: a prospecção de petróleo. Num artigo publicado na revista Science Advances, os cientistas apontam que 125 blocos petrolíferos foram oferecidos para perfuração ao longo da plataforma amazônica. Desses, 20 "em breve estarão produzindo petróleo próximo do recife de coral".

Portanto, seriam necessários estudos mais abrangentes sobre a biodiversidade da área. "Atividades industriais de larga escala desse tipo representam um grande desafio ambiental. Empresas deveriam catalisar uma avaliação socioecológica mais completa sobre o sistema [de recifes]", escreveram os pesquisadores.

Até agora, os cientistas mapearam mil quilômetros quadrados - cerca de um nono da área total do recife, que é maior do que as regiões metropolitanas de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos