Polícia investiga overdose como causa da morte de Prince

Imprensa americana relata que medicamento opiáceo foi encontrado no corpo do artista. Autoridades procuram médico que supostamente estava no avião quando o músico desmaiou e teria prescrito os analgésicos.

As autoridades que investigam a morte do músico americano Prince encontraram um remédio opiáceo (substância derivada do ópio) no corpo do cantor, segundo relatos de vários veículos de imprensa dos Estados Unidos.

Além de não descartarem overdose de drogas como causa da morte de Prince, as autoridades estariam também investigando possíveis ligações com um médico que teria prescrito as drogas ao artista pouco antes de sua morte.

A emissora CNN informou que um analgésico opiáceo foi encontrado em Prince, e o jornal Star Tribune, de Minneapolis, relatou que as pílulas com receita médica foram descobertas na residência onde o artista morreu, na semana passada, aos 57 anos. As duas reportagens se basearam em fontes anônimas de agentes da lei.

Vários meios de comunicação, incluindo a CNN, também relataram que as forças policiais locais solicitaram assistência da Agência de Repressão às Drogas dos Estados Unidos na investigação.

A polícia já comunicou não ter encontrado sinais de suicídio ou de traumatismo evidente na morte de Prince. A autópsia já foi concluída, mas os resultados não serão divulgados pelas próximas semanas.

O Star Tribune afirmou que as autoridades estão tentando determinar se e qual foi o papel que os opiáceos tiveram na morte do cantor, e se os remédios encontrados no local de sua morte foram receitados para ele.

Autoridades relataram à agência de notícias AP que estão procurando um médico que teria estado com Prince quando o cantor desmaiou num avião, no começo de abril. Eles afirmaram estar investigando se Prince teve ou não uma overdose no avião e depois outra overdose em casa, quando morreu.

O músico intensamente reservado, cujos sucessos incluem Purple Rain, Littel Red Corvette e Kiss, foi encontrado morto na última quinta-feira num elevador do complexo Paisley Park Studios, chocando fãs do mundo inteiro e inspirando homenagens de colegas do meio artístico.

Nesta quinta-feira, um juiz do condado de Carver, no Estado de Minnesota, atuando a pedido de uma irmã de Prince, Tyka Nelson, escolheu o Bremer Trust National Association como administrador especial para lidar com sua herança, que foi estimada em centenas de milhões de dólares.

Tyka havia solicitado que o banco fosse indicado para a função, dizendo que a instituição se ocupou dos assuntos do irmão durante anos. Uma audiência de legitimação testamentária foi marcada para 2 de maio, de acordo com documentos de um tribunal estadual e o porta-voz da corte.

PV/rtr/ap/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos