Opinião: Hillary terá que mudar para se eleger

Ines Pohl, de Washington

Ex-secretária de Estado tem votos suficientes para ser a candidata democrata, mas não um apoio amplo dentro do partido. Eleitores querem autenticidade, mais do que programas e conceitos, opina Ines Pohl.

As primárias americanas - pleito que define os candidatos à presidência - são longas e complicadas. E, embora ambos os partidos praticamente já tenham seus candidatos - Hillary Clinton e Donald Trump - isso não significa que eles contem com apoio claro de suas respectivas legendas.

Os problemas que envolvem os dois não poderiam ser mais distintos. O principal inimigo de Donald Trump se chama Donald Trump. Um homem em processo de envelhecimento, rico e que fez muitos inimigos entre os republicanos com declarações eruptivas, autoindulgentes e cheias de ódio - e assim deve continuar.

Hillary, por outro lado, tem ao menos duas frentes de batalha. Nos muitos anos em cargos políticos, ela foi responsável ou deve responder por uma série de erros. Ela também pode contar com um elevado número de adversários. Dessa forma, Hillary é a sua própria arqui-inimiga. Porém, além disso, há também uma pessoa bem real que pode lhe trazer muitos problemas mesmo depois da nomeação.

Bernie Sanders, de 74 anos, desafiou a política profissional de uma forma que ninguém esperava. Com seus discursos inflamados sobre revolução, fez com que Hillary, de 68 anos, parecesse velha e como uma mulher pujante, para quem o que importa é o sistema, pois foi através dele que ela adquiriu poder e riqueza.

Especialmente americanos e americanas jovens deixaram se envolver por essa lírica revolucionária. Motivados por preocupações bem reais, como as dívidas acumuladas durante a formação profissional. Mas também impulsionados por sonhos bastante transfigurados de uma revolução, que seria possível sem que tivessem que sair da própria zona de conforto.

Nesse ponto, Sanders introduziu questões existenciais indiscutíveis, como justiça social, que de outra forma teriam ficado de fora dessa estranha campanha eleitoral. Isso é e continua a ser mérito seu. Mas isso não vai ser suficiente para seus apoiadores, pessoas engajadas que saíram perdedoras. Foi Hillary e não Sanders quem conseguiu reunir o número suficiente de votos. E essa linha decisiva foi traçada justamente por alguns ricos "superdelegados" - material mais do que suficiente para a criação de mitos: quem não sabe que o primeiro amor perdido é o que mais dói?

O que significa tudo isso para Hillary Clinton, a primeira mulher na história dos EUA a se tornar candidata presidencial? Com a nomeação, ela estará pisando em terreno desconhecido. Pois, mesmo que ela já tenha lutado por isso, ele nunca foi a candidata dos sonhos.

Ela vai conseguir aproveitar tudo isso como um golpe de libertação? Como uma oportunidade de deixar para trás as palavras vazias e calculadas para falar e ser, como ela pode ser quando se sente segura? Ela vai se permitir admitir erros e mostrar um rosto em que as pessoas acreditam, porque eles acreditam em sua sinceridade? E o que Bernie Sanders vai fazer? Ele pode se mostrar solidário na derrota? Ou ele vai querer cimentar seu legado e sua afirmação de que não pode haver uma vida certa no errado?

Populismo e promessas vãs marcaram essa campanha eleitoral. Caso Hillary queira chegar à Casa Branca após o primeiro presidente negro, ela terá que desenvolver uma arma para derrubar os argumentos de seus adversários. Para tal, ela possui habilidades analíticas. Como primeira candidata à presidência, ela terá que conseguir, principalmente, mostrar as apropriadas emoções - não aprendidas, mas vividas - de forma convincente.

Pois é isso o que conta aqui nos EUA. As eleitoras e eleitores querem autenticidade, mais do que programas e conceitos.

A jornalista Ines Pohl é correspondente da DW em Washington.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos