Assassinato de deputa interrompe campanhas sobre Brexit

Jo Cox, do Partido Trabalhista e pró-UE, é baleada e esfaqueada durante encontro com eleitores no norte da Inglaterra. Campanhas do referendo sobre permanência britânica no bloco são suspensas.

As campanhas do referendo sobre a saída ou permanência do Reino Unido na União Europeia (UE) foram suspensas por um dia, nesta quinta-feira (16/06), após a morte de uma deputada inglesa, que foi baleada e esfaqueada durante um ato na cidade de Birstall, no norte do país.

A deputada Jo Cox, do Partido Trabalhista e contrária ao "Brexit" (saída do Reino Unido da UE) levou dois tiros, durante encontro com eleitores. A deputada de 41 anos teria tentado intervir numa briga entre dois homens. Um deles estava armado e atirou duas vezes contra Cox, além de tê-la esfaqueado.

Um homem de 77 anos ficou ferido no ataque. O suspeito de ter atirado, de 52 anos, foi preso. O chefe do departamento policial local, Dee Collins, comunicou que a polícia acredita se tratar de um "incidente isolado" e não está à procura de qualquer outra pessoa em ligação com o ataque.

Collins afirmou ainda que a polícia não especulará sobre o motivo do tiroteio e acrescentou que policiais apreenderam "algumas armas", sem entrar em detalhes. Não está claro se o ataque contra Cox estava ligado ao debate político do "Brexit" ou se a deputada foi um alvo deliberado. Violência contra políticos é algo raro no Reino Unido, assim como ataques a arma.

Uma porta-voz da polícia local disse que ainda não foi possível confirmar o relato de várias testemunhas que afirmaram que o agressor gritou "Britain First!" ("Reino Unido primeiro"), em referência a um slogan utilizado pela extrema direita, que é contrária à imigração e pró-saída da UE.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, afirmou que "isso é absolutamente trágico e uma notícia terrível". "Perdemos uma grande estrela", disse. "Ela era uma grandiosa deputada que fazia campanha com profunda compaixão e um grande coração."

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, comunicou que "todo o Partido Trabalhista e da família do Trabalho - e na verdade todo o país - estão hoje em choque com o assassinato horrível de Cox".

Um membro do Parlamento britânico não era morto desde 1990, quando o Exército Republicano Irlandês (IRA) matou o parlamentar conservador Ian Gow com uma bomba colocada sob seu carro. Um ex-parlamentar, Donald Kaberry, foi ferido num atentado do IRA em 1990 e morreu no ano seguinte.

PV/ap/efe/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos