ONG denuncia mortes de refugiados na fronteira turca

Guardas na fronteira da Turquia mataram ao menos oito sírios que tentavam fugir do próprio país, diz Observatório Sírio de Direitos Humanos. Exército turco afirma ter disparado somente tiros de advertência.

Oito sírios, entre eles quatro crianças, foram mortos por guardas de fronteira turcos ao tentarem fugir da Síria neste domingo (19/06), afirmou o Observatório Sírio de Direitos Humanos. Outras oito pessoas foram feridas, estando algumas delas em estado grave.

A Coalizão Nacional Síria da Oposição e das Forças Revolucionárias - aliança opositora ao regime do presidente sírio, Bashar al-Assad, com sede em Istambul - falou em 11 mortos e condenou a "terrível tragédia".

Ao menos duas mulheres e quatro crianças estavam entre os mortos no tiroteio, iniciado quando refugiados sírios tentaram atravessar a fronteira com a Turquia na região da aldeia síria Khirbet al-Jouz, disse o Observatório Sírio de Direitos Humanos, ONG sediada em Londres. Vários ativistas na área confirmaram as informações.

As vítimas fugiam de Manbij, no norte da Síria. Ocupada pela organização extremista "Estado Islâmico" (EI), a cidade está sob constante bombardeio de forças apoiadas pelos EUA. Os refugiados rumaram em direção à província de Idlib e, posteriormente, à fronteira com a Turquia, segundo o observatório.

A organização que monitora a violência na Síria afirmou ter documentado as mortes de quase 60 civis por guardas de fronteira turcos durante tentativas de fuga desde o início do ano. A Turquia, no entanto, tem repetidamente negado as acusações.

"Alegações de que soldados turcos mataram pessoas que estavam tentando atravessar a fronteira na província [turca] de Hatay [...] não são verdadeiras. Na última noite houve uma tentativa de atravessar a fronteira ilegalmente, mas nenhum tiro foi disparado em direção às pessoas", disse o Exército turco, em nota. "Após tiros de advertência, um grupo de sete a oito pessoas correu em direção à floresta."

Em comunicado, a Coalizão Nacional expressou "surpresa" e condenou a "terrível tragédia contra nossos irmãos que fugiam do regime". "As mortes de sírios indefesos contradizem a hospitalidade do governo turco e do povo turco", concluiu.

A Turquia abriga mais de 2,7 milhões de refugiados do conflito na Síria. Apenas aproximadamente 280 mil deles vivem em acampamentos, enquanto o restante está alojado em vilas e cidades.

Apesar de ser um dos principais patrocinadores de grupos que lutam para derrubar Assad, a Turquia fechou suas fronteiras para refugiados, mas admite a entrada de sírios cujas vidas estão sob ameaça iminente.

PV/ap/rtr/afp

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos