Alemanha encerra, em parte, trauma contra seleção italiana

Philip Verminnen

Seleção alemã quebra parcialmente tabu de nunca ter derrotado a Itália numa partida oficial. Depois de empate em 1 a 1, a Nationalelf consegue pela primeira vez eliminar a Squadra Azzurra, em série dramática de pênaltis.

A Alemanha quebrou - parcialmente, é verdade - o tabu histórico de nunca ter derrotado a Itália numa partida oficial. A rigor, o duelo entre ambas seleções, neste sábado (02/07), em Bordeaux, terminou empatado em 1 a 1, com gols de Mesut Özil e Leonardo Bonucci. Se a Nationalelf segue sem derrotar a Squadra Azzurra, ela ao menos conseguiu pela primeira vez eliminar o rival, após uma série dramática de pênaltis.

O respeito da Alemanha pela seleção italiana - e pelo histórico tabu negativo - ficou evidenciado com a escalação definida pelo treinador Joachim Löw. Ao invés de uma equipe mais ofensiva, com Julian Draxler ou Mario Götze, Löw colocou um zagueiro na lateral-direita (Benedikt Höwedes, que atuou na posição na Copa do Mundo no Brasil) e manteve Joshua Kimmich no lado direito do meio-campo. Marcação foi a definição deste duelo - neste sábado e historicamente.

É a ressurreição do esquema tático 3-5-2. A Itália vem atuando desta forma sob o comando de Antonio Conte há tempos, com muralha BBC - Andrea Barzagli, Leonardo Bonucci e Giorgio Chiellini, que se transforma numa linha defensiva de cinco jogadores, com o apoio de Mattia De Sciglio e Alessandro Florenzi. E neste duelo, Löw também adotou o 3-5-2, principalmente para preencher mais espaços no meio-campo.

E a partida começou bastante truncada, com a Itália repetindo o plano de jogo da vitória contra a Espanha, na fase anterior: leve pressão no campo ofensivo, procurando Graziano Pellè para jogadas de pivô e uma precisa compactação defensiva. Primeira percepção: a Alemanha não conseguia impor triangulações rápidas e procurou demasiadamente lançar bolas para Mario Gómez, principalmente pelo lado direito, com Kimmich.

Sem chances relevantes de gol, a vantagem psicológica era conquistada nos duelos individuais no meio-campo. E num destes, Sami Khedira se lesionou - algo relativamente comum ultimamente para o volante da Juventus, de Turim. Em seu lugar entrou outro atleta fora do melhor condicionamento físico: o capitão Bastian Schweinsteiger, que desde janeiro não atuava por mais de 20 minutos numa partida.

Depois dos 20 minutos, a Alemanha começou a dominar mais as ações na partida. A primeira chance clara veio aos 26, quando Schweinsteiger chegou a balançar as redes de Gianluigi Buffon, mas o gol foi corretamente anulado: o alemão derrubou De Sciglio antes do cabeceio.

Aos 31 minutos, Boateng evitou o primeiro gol italiano, cortando o cruzamento de De Sciglio que buscava Emanuele Giaccherini. Corte providencial, após erro de Kimmich. A melhor chance alemã do primeiro tempo ocorreu aos 41 minutos, após uma série de lambanças na área italiana. Hector tentou o cruzamento, a bola sobrou para Toni Kroos, que teve sua finalização travada pela defesa. No rebote, Kimmich se enrolou com a bola e Thomas Müller concluiu mascado para fácil defesa de Buffon.

A resposta italiana veio no minuto seguinte. Bonucci lançou Giaccherini, que cruzou para a segunda trave onde estava Éder, mas Neuer desvio providencialmente. No rebote, Stefano Sturaro teve seu chute desviado rente à trave direita da meta alemã. Dentro de sua tática, a Itália anulou bem Kroos e deixou mais espaço para Höwedes ser a melhor opção na armação alemã.

Empate sem gols no intervalo, mas há um alento: 15 dos 18 gols em partidas oficiais entre Itália e Alemanha foram marcados após os primeiros 45 minutos - boa parte deles em prorrogações.

Na segunda etapa, a Itália começou buscando mais inversões longas de jogada, principalmente nas costas de Kimmich, que cometeu algumas pequenas falhas de marcação no primeiro tempo.

Aos oito minutos, depois de saída errada de Florenzi, a Alemanha recuperou a bola no campo de ataque. A bola chegou até Gómez, que ajeitou para Müller marcar seu primeiro gol em 10 partidas de Eurocopa. Mas Florenzi se recuperou do erro e cortou, acrobaticamente, a bola em cima da linha.

Era evidente que essa partida seria decidida por um erro individual, tamanha a qualidade defensiva de ambas as equipes. E este ocorreu aos 19 minutos. Florenzi voltou a errar no meio-campo e a bola sobrou na ponta esquerda para Gómez. Três zagueiros italianos cercaram o alemão, mas ninguém foi para o combate. Gómez lançou perfeitamente Hector, que não foi acompanhado por Sturaro. A defesa italiana chegou a desviar a trajetória do cruzamento, porém a bola sobrou limpa para Özil fuzilar Buffon: 1 a 0.

Foi apenas o segundo gol de Özil numa Eurocopa. Curioso: o outro tinha sido também contra a Itália, na derrota por 2 a 1, em 2012. A Alemanha podia ter ampliado três minutos depois. Gómez recebe de frente com Buffon, tentou concluir de calcanhar, mas o veterano goleiro italiano realizou defesa espetacular.

Boateng joga vôlei dentro da área alemã

A Itália chegou ao batalhado empate em cobrança de pênalti, aos 32 minutos. Após cruzamento de Florenzi, Chiellini tentou desviar de cabeça para um companheiro, mas Boateng cortou com o braço. Pênalti claro. Bonucci cobrou com categoria, sem chances para Neuer. O goleiro alemão ficou 492 minutos sem sofrer gols numa Eurocopa, dois a menos da lenda italiana Dino Zoff.

A última vez que a seleção alemã precisou jogar uma prorrogação numa Eurocopa foi em 1996, justamente na edição de seu último título continental. Esta também foi a terceira prorrogação entre Itália e Alemanha - as outras duas foram em Copas do Mundo, ambas vencidas pela Squadra Azzurra. Por outro lado, a Itália nunca venceu qualquer prorrogação em Eurocopas.

Pouco aconteceu no tempo extra. Esgotadas fisicamente, ambas as seleções levaram a decisão para as cobranças de pênalti. E em disputas por pênaltis, a Alemanha tinha desperdiçado apenas duas nas últimas 28 cobranças - a última em 1982. Desta vez a Alemanha perdeu logo três cobranças, com Müller, Özil e Schweinsteiger, mas a Itália errou uma a mais.

Pelo sexto torneio seguido, contando Copas do Mundo e Eurocopas, a seleção alemã alcança a semifinal: 2006, 2008, 2010, 2012, 2014 e 2016. Mas a batalha de Bordeaux não terminou sem baixas do lado alemão: Sami Khedira e Gómez saíram machucados e Hummels estará suspenso na semifinal. A Alemanha aguarda agora o vencedor de França e Islândia.

Ficha técnica

Alemanha (6) 1 x 1 (5) Itália

Local: Stade de Bordeaux, em Bordeaux

Arbitragem: Viktor Kassai (Hungria), auxiliado por seus compatriotas György Ring e Vencel Tóth.

Gol: Mesut Özil (19'/2T), Leonardo Bonucci (pen. 32'/2T)

Pênaltis:

Alemanha: Toni Kroos (?), Thomas Müller (x), Mesut Özil (x), Julian Draxler (?), Bastian Schweinsteiger (x), Mats Hummels (?), Joshua Kimmich (?), Jérôme Boateng (?), Jonas Hector (?)

Itália: Lorenzo Insigne (?), Simone Zaza (x), Andrea Barzagli (?), Graziano Pellè (x), Leonardo Bonucci (x), Emanuele Giaccherini (?), Marco Parolo (?), Mattia De Sciglio (?), Matteo Darmian (x)

Cartões amarelos: Stefano Sturaro (10'/2T), Mattia De Sciglio (11'/2T), Marco Parolo (13'/2T), Mats Hummels (44'/2T), Graziano Pellè (1'/1P), Emanuele Giaccherini (13'/1P), Bastian Schweinsteiger (7'/2P)

Alemanha: Manuel Neuer; Benedikt Höwedes, Jérôme Boateng, Mats Hummels: Joshua Kimmich; Sami Khedira (Bastian Schweinsteiger 15'/1T), Toni Kroos, Mesut Özil e Jonas Hector; Thomas Müller e Mario Gómez (Julian Draxler 26'/2T). Técnico: Joachim Löw.

Itália: Gianluigi Buffon; Andrea Barzagli, Leonardo Bonucci e Giorgio Chiellini (Simone Zaza 15'/2P); Marco Parolo, Stefano Sturaro, Emanuele Giaccherini, Alessandro Florenzi (Matteo Damian (41'/2T) e Mattia De Sciglio; Éder (Lorenzo Insigne 1'/2P) e Graziano Pellè. Técnico: Antonio Conte.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos