Todos os livros do mundo em um chip

Pesquisadores holandeses anunciam dispositivo com capacidade de armazenar 500 vezes mais dados que melhor HD hoje disponível. Instalação em celulares e computadores, porém, ainda é considerada realidade distante.

Quem quiser acessar informações contidas neste chip precisa ter paciência. Quem quiser salvar algo nele também precisa ter paciência. Mas o minúsculo dispositivo apresentado por pesquisadores holandeses na revista Nature Nanotechnology nesta segunda-feira (18/07) consegue algo que nenhum outro já conseguiu: o dispositivo alcançou uma densidade de armazenamento de 500 terabits por polegada quadrada, 500 vezes mais do que o melhor disco rígido atualmente disponível.

"Teoricamente esta densidade de armazenamento permitiria escrever todos os livros que a humanidade já criou num único selo postal", diz o líder do estudo, Sander Otte, na Universidade Técnica de Delft. "É possível compará-lo a um quebra-cabeça deslizante."

Otte e sua equipe desenvolveram o chip com base em átomos de cloro. Eles aproveitaram a capacidade desses átomos de, numa superfície de cobre plana, se organizarem em uma estrutura bidimensional.

Ao disporem menos átomos de cloro do que seria necessário para cobrir toda a superfície, os cientistas provocam o surgimento de lacunas na estrutura. A partir de uma dessas lacunas e de um átomo de cloro, eles formam um bit, a menor unidade de armazenamento digital.

Para poder salvar dados, os cientistas precisam movimentar os átomos, o que fazem com um microscópio de corrente de tunelamento. Operado por um computador, o microscópio desloca os átomos de lacuna para lacuna até que os campos de bits se formem.

Milhares de anos

Por enquanto, a leitura de um bloco de 64 bits salvo no chip dura cerca de um minuto, e para salvar a mesma quantidade de informação no dispositivo são necessários cerca de dois minutos. Além disso, o procedimento só funciona a uma temperatura de -196 °C.

Portanto, caso se tentasse armazenar todos os livros do mundo em um chip do tipo, isso demoraria milhares de anos. Até agora os pesquisadores só armazenaram no dispositivo uma frase: "Há muito espaço lá em baixo." Trata-se de uma referência a uma palestra do físico americano e visionário Richard Feynman, realizada em 1959 e considerada a semente da nanotecnologia.

Ainda vai demorar para que chips de cloro e cobre estejam instalados em computadores e celulares. Otte e seus colegas veem a invenção mais como parte da pesquisa básica, e comemoram o fato de um sistema de armazenamento atômico que funcione ter sido desenvolvido.

LPF/efe/dpa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos