Lagarde será julgada em escândalo na França

Diretora-gerente do FMI deverá responder sobre sua participação no pagamento de uma indenização milionária a um empresário apoiador de Sarkozy na época em que ela era ministra da Finanças no governo do então presidente.

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, será julgada pela Justiça francesa no âmbito do caso Bernard Tapie, determinou o tribunal de cassação da França ao rejeitar um recurso contrário nesta sexta-feira (22/07). A data para início do processo ainda não está marcada.

Lagarde, que era ministra das Finanças na época do escândalo, em 2008, é acusada de negligência com dinheiro público. No centro da acusação está o pagamento de uma indenização de 403 milhões de euros ao empresário Bernard Tapie para encerrar o litígio dele com o banco Crédit Lyonnais, referente à venda da empresa de material esportivo Adidas.

A decisão que resultou no pagamento da indenização foi anulada pela Justiça francesa em dezembro de 2015, e a corte de cassação confirmou o veredicto no fim de junho passado. Agora, negou um recurso de Lagarde, que deverá se apresentar à Corte de Justiça da República (CJR), instância competente para julgar ministros.

Logo após o anúncio de que Lagarde sentará no banco dos réus, o conselho de administração do FMI divulgou nota na qual expressa sua confiança na capacidade de Lagarde de conduzir de forma eficiente suas tarefas na instituição.

A Justiça francesa quer saber se Tapie recebeu tratamento privilegiado. Ele havia se sentido prejudicado na venda da Adidas, da qual era acionista majoritário, pelo banco Crédit Lyonnais, em 1993. Tapie havia confiado a venda da empresa ao banco. Quando este a revendeu pelo dobro do preço, o empresário se sentiu lesado e exigiu uma indenização do Estado, principal acionista do Crédit Lyonnais.

Após vários anos de litígio em tribunal, Lagarde, então ministra das Finanças do governo do presidente Nicolas Sarkozy - cargo que exerceu entre 2007 e 2011, antes de ter sido nomeada diretora-gerente do FMI - decidiu que o valor da indenização a Tapie fosse determinado por um tribunal arbitral.

O fato levou à abertura de investigação judicial. Suspeita-se que Tapie, que apoiou Sarkozy em 2007, tenha recebido um tratamento privilegiado por o caso ter sido decidido por um tribunal arbitral e por o governo não ter recorrido da decisão.

AS/afp/rtr/lusa

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos