COI homenageia vítimas israelenses dos Jogos de Munique

No Rio, presidente do Comitê Olímpico Internacional inaugura monumento em homenagem aos mortos. Ataque de terroristas palestinos durante as Olimpíadas de 1972 resultou na morte de 11 atletas e treinadores.

Viúvas de dois dos 11 atletas e técnicos israelenses mortos por atiradores palestinos nos Jogos Olímpicos de Munique de 1972 finalmente receberam o reconhecimento pelo qual lutavam há muito tempo. O Comitê Olímpico Internacional (COI) homenageou nesta quinta-feira (04/08), no Rio de Janeiro, os mortos no ataque com um minuto de silêncio, e uma cerimônia de inauguração de um monumento em homenagem às vítimas, batizado de "Local de Luto".

"Hoje, a inauguração do 'Local de Luto' nos dá a oportunidade de lembrar aqueles que morreram durante os Jogos Olímpicos", disse o presidente do COI, Thomas Bach, junto a uma pequena plateia formada por funcionários do comitê, membros da delegação israelense, atletas e as viúvas de dois dos esportistas israelenses mortos no atentado terrorista na Vila Olímpica em 1972.

Familiares das vítimas pediam há anos que o Comitê Olímpico Internacional desse um reconhecimento especial aos israelenses mortos. Embora o COI não tenha concedido o pedido de um minuto de silêncio nas Cerimônias de Abertura dos Jogos Olímpicos, decidiu inaugurar o chamado "Local de Luto" que será característica presente nas Vilas Olímpicas em todos os Jogos Olímpicos.

O ataque

A tragédia começou no fim da madrugada de 5 de setembro de 1972 e durou 18 horas. Oito terroristas palestinos da organização Setembro Negro invadiram os alojamentos da delegação israelense na Vila Olímpica da capital bávara e fizeram nove atletas como reféns. Outros dois morreram na invasão.

O grupo exigia a libertação de 200 árabes presos em Israel. O impasse culminou num tiroteio, que resultou na morte de 11 israelenses, um policial alemão e cinco dos terroristas palestinos. Três extremistas foram presos.

Mais de 40 anos de espera

"Isso [a homenagem] representa um encerramento para nós. Isso é incrivelmente importante. Esperamos 44 anos para termos essa lembrança e reconhecimento para os nosso entes queridos que foram brutalmente mortos em Munique", disse Ankie Spitzer.

Seu marido, Andre Spitzer, era treinador da equipe de esgrima de Israel e foi morto junto com o halterofilista Joseph Romano, cuja esposa, Illan Romano, também esteve presente na cerimônia desta quinta-feira. "Nunca acreditei que [o reconhecimento] fosse chegar. Depois de 44 anos, estou muito feliz por esse momento histórico", disse Romano.

"Não consigo explicar o quanto isso significa para nós", acrescentou Spitzer. "Nós passamos por muita coisa. Sempre recebemos um 'não' [do COI] e, desta vez, não recebemos um simples 'sim', mas um 'sim' bem grande."

Com lágrimas nos olhos, Bach abraçou Spitzer e Romano. "Escolhemos a Vila Olímpica como o local [...] porque ela simboliza a união da família olímpica", disse o presidente do COI.

Bach leu, então os nomes dos 11 israelenses e do policial alemão mortos em 1972. Ele também leu o nome do georgiano Nodar Kumartiashvili, que morreu na véspera dos Jogos Olímpicos de Inverno de Vancouver, em 2010, num acidente enquanto treinava para a prova de luge - uma das diversas modalidades de descida em trenó.

PV/ap/rtr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos