Dialeto saxônio: a língua de Lutero

Diana Pessler (sm)

O saxônio é um dialeto com alto grau de rejeição entre os alemães. Muitos saxônios até se envergonham dele, apesar de já ter sido o alemão exemplar. Lutero traduziu a Bíblia para o saxônio, e não para o alemão.

Já na Idade Média, a Saxônia, no leste da atual Alemanha, era uma região em ascensão. Pessoas de todos os cantos do território de língua alemã migravam para lá às enxurradas. E cada um trazia um falar próprio. Da confusão babilônica, acabou se desenvolvendo uma língua unitária de intercâmbio, o chamado "alemão forense de Meissen" (Meissner Kanzleideutsch). E como as vias de comércio da Europa se cruzavam na Saxônia, o dialeto local era entendido em quase todo o Sacro Império Romano de Nação Germânica.

Prussianos contra saxônios

Lutero não traduziu a Bíblia para um alemão qualquer, mas sim para o saxônio. E assim elevou o dialeto a língua padrão. O prussiano também se apropriou do vocabulário e da gramática do saxônio, só que pronunciava as palavras de outro jeito.

A Prússia derrotou a Saxônia na Guerra dos Sete Anos, em 1763. Com isso, a Saxônia perdeu o papel de modelo cultural. A partir de então, a língua oficial passou a ser o alemão padrão prussiano.

E os novos soberanos não estavam nem um pouco interessados em manter o prestígio saxônio. E foi assim que a Saxônia começou a ser ridicularizada.

Preguiça de falar direito?

"A língua dessas pessoas ofende meus ouvidos!", escreveu o dramaturgo Franz Grillparzer no século 19, chegando ao ponto de comparar o som do saxônio com o coaxar de sapos. A comparação não é das mais certeiras. Os saxônios não coaxam, apenas deixam as palavras escoarem da boca, num leve murmúrio.

Outras más línguas dizem que este dialeto surgiu da preguiça de falar. O saxônio tende a encurtar e abreviar as palavras. Haben wir ("temos") ou sind wir ("somos") viram hammer e simmer.

Além disso, uma regra básica para falar saxônio direito é não abrir demais a boca. A letra A tende para O - Orbeit em vez de Arbeit ("trabalho") -, e O tende a virar U - Oufen em vez de Ofen ("forno").

Outra coisa é que os saxônios não sabem diferenciar CH de SCH, de modo que é impossível distinguir Kirche ("igreja") de Kirsche ("cereja"). Desoladora é a ortografia nas redações de escolares saxônios. As crianças se admiram de descobrir que Disch ora é escrito Tisch ("mesa"), ora Dich ("te"). Tudo soa do mesmo jeito...

Sonoros derrotam surdos

No entanto, a regra básica para falar saxônio é "de Weechn besiechn de Hardn" (literalmente: "os suaves vencem os duros"). Traduzindo: as consoantes sonoras vencem as surdas. P se transforma em B, K em G, T em D. Portanto, se um copo cair no chão, está gabudd (e não kaputt, "quebrado").

A razão disso é que os saxônios abdicaram de qualquer "aspiração". Ao serem pronunciadas, as consoantes P, T ou K sempre são seguidas de um H aspirado. Sem esta aspiração, estes fonemas são impronunciáveis.

Como os saxônios não sabem aspirar, a única saída é pronunciar as consoantes surdas como se fossem sonoras. Estas não precisam de aspiração.

Quem se acostumar com a pronúncia, não tem dificuldade de entender o saxônio. Sobre o aspecto léxico e gramatical, este dialeto é bastante parecido com o alemão padrão - ou melhor, foi o alemão padrão que derivou do saxônio...

Aproveitar o momento certo

A mentalidade dos saxônios é tão peculiar quanto seu dialeto. Muitos forasteiros e alguns nativos dizem que o saxônio soa primitivo. Esta é uma afirmação, contudo, cuja objetividade dificilmente pode ser atestada pelos pesquisadores de dialetos.

Afinal, gosto não se discute. E além do mais: pode-se falar o que for do saxônio, mas simplório ele não é. Os saxônios são criativos. Basta ver tudo o que inventaram: a porcelana europeia, o filtro de papel para café, os patins inline... Os saxônios são educados. Para isso há razões históricas.

Habitantes de uma região de alto movimento comercial, eles criaram o hábito de tratar os visitantes com cortesia e respeito. E os saxônios também são conhecidos pela esperteza: sabem se virar e aproveitar o momento certo.

Resgatando os tempos áureos

Com estas três qualidades - criatividade, polidez e esperteza -, os saxônios foram longe! Economicamente, a Saxônia é o estado mais importante no território da antiga Alemanha Oriental, uma remota lembrança dos velhos tempos. No século 19, a região progrediu a ponto de se tornar o espaço econômico mais moderno e inovador da Alemanha.

Um importante motor da industrialização era a indústria têxtil de Chemnitz. Até hoje, a estrutura econômica de Chemnitz é marcada pela indústria pesada.

"O que se produz em Chemnitz é vendido em Leipzig e o dinheiro é torrado em Dresden", diz um antigo ditado, resumindo a distribuição regional de trabalho... Os resultados da ostentação dos regentes saxônios podem ser apreciados até hoje em Dresden. A cidade abriga um exuberante patrimônio artístico: antigos e novos mestres da pintura, porcelana, esculturas, joias. Não é para menos que o filósofo alemão Johann Gottfried Herder batizou Dresden de "Florença alemã".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos