ONU alerta sobre falta d'água em Aleppo

Nações Unidas pedem cessar-fogo humanitário na cidade síria, palco de intensos conflitos entre regime e oposição, para que redes de água e luz sejam reparadas. Sobretudo crianças correm risco devido a água contaminada.

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu nesta terça-feira (09/08) um cessar-fogo urgente na cidade síria de Aleppo, dividida entre regime e oposição e onde dois milhões de pessoas estão sem acesso a água corrente limpa.

O alerta é feito num momento em que ativistas sírios relatam bombardeios de aviões de guerra do governo a áreas da cidade controladas pela oposição. A ONU pede uma "pausa humanitária" nos combates, para que seja possível levar alimentos e medicamentos à população e para que técnicos possam reparar redes elétricas e de água, que sofreram danos graves nos ataques dos últimos dias.

A ONU tem que "as consequências sejam terríveis para milhões de civis se as redes de luz e água não forem imediatamente reparadas", disse a organização em comunicado.

Estima-se que entre 250 mil e 275 mil pessoas estejam sitiadas no leste de Aleppo, após a estrada de Castello ter sido bloqueada no mês passado, que era o último acesso à área controlada pela oposição.

No último sábado, os rebeldes conseguiram romper o cerco do governo, que já durava um mês. O avanço da oposição danificou o corredor de abastecimento do governo e levantou temores de que um cerco seja imposto pelos insurgentes ao oeste da cidade, controlado pelo regime.

Crianças em risco

Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), crianças pequenas são especialmente vulneráveis a diarreia e outras doenças ao beberem água suja e em meio a uma onda de calor.

"Nas áreas a leste de Aleppo, até 300 mil pessoas - sendo um terço delas crianças - estão dependendo de poços cuja água está potencialmente contaminada por coliformes fecais e é imprópria para beber", disse Christophe Boulierac, porta-voz do Unicef.

Ele afirmou que o Unicef e outras agências estão levando diariamente água potável em caminhões a cerca de 325 mil pessoas no oeste de Aleppo.

Ao mesmo tempo, falta atendimento aos doentes e feridos. Ao menos dez ataques a instituições de saúde no leste de Aleppo foram confirmados somente em julho, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

"De acordo com autoridades de saúde do leste de Aleppo, oito em cada dez hospitais e 13 em cada 28 centros de atendimento primário estão funcionando somente parcialmente ou fora de serviço como resultado dos ataques", disse Tarik Jasarevic, porta-voz da OMS. "Somente 35 médicos permanecem na cidade", disse.

LPF/rtr/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos