Fidel Castro: o grande ausente faz 90 anos

Andreas Knobloch, de Havana (av)

O líder revolucionário cubano festeja o 90º aniversário. Sem ser a figura forte e onipresente de décadas atrás, seu legado ainda reverbera na política da ilha e no coração de parte do povo. Mas os jovens querem mudança.

É preciso procurar bastante na capital Havana para encontrar referências ao aniversário do líder revolucionário Fidel Castro, que completa 90 anos neste sábado (13/08). Em alguns muros foram pintados votos de parabéns, aqui e ali veem-se cartazes, e nas vitrines de certas lojas estatais afixaram-se mensagens de congratulações. Na vida quotidiana dos cubanos, Fidel praticamente não é mais presente.

Pouco mais de dez anos atrás, a coisa era bem diferente. Na noite de 31 de julho de 2006 os cidadãos da república comunista foram confrontados com o inconcebível: em horário nobre e com expressão séria, Carlos Valenciaga, secretário particular de Fidel Castro, anunciava o retiro temporário do "Comandante".

Depois de 47 anos à frente da nação, seu abalado estado de saúde - na época ainda um segredo de Estado - obrigava Fidel a entregar todos os postos importantes ao irmão Raúl, cinco anos mais novo.

Assim Fidel abandonava o palco da grande política, que ele adentrara em 1953, com o assalto ao Quartel de Moncada, em Santiago de Cuba, acompanhada do famoso discurso "A história me absolverá". E, o mais tardar, com o triunfo da Revolução Cubana em 1959. Em 2008, a despedida provisória tornou-se permanente.

"Quando eu morrer mesmo, ninguém vai acreditar"

Sob o irmão Raúl, tido como mais pragmático, nos últimos anos o Estado insular mudou. Agora é permitida a compra e venda de automóveis e imóveis, foram abolidas as restrições às viagens e ampliado o acesso à internet para a população. Além disso, Raúl Castro abriu a economia aos investidores estrangeiros, reduziu o setor estatal, permitindo mais iniciativas privadas.

Desde então, centenas de milhares de cubanos se tornaram trabalhadores autônomos. No entanto, a maior façanha política de Raúl Castro é, possivelmente, a apenas iniciada aproximação aos Estados Unidos. Uma iniciativa quanto a qual Fidel se mostra cético.

Após a histórica visita do presidente Barack Obama a Cuba, o ex-líder esbravejou em sua coluna de opinião publicada a intervalos irregulares no jornal do Partido Comunista de Cuba (PCC), o Granma: "Não precisamos de presentes do Império" - para, num pós-escrito, recordar dos anos de sanções, atentados e os mortos das agressões americanas.

Um ex-chefe do serviço secreto cubano assegura que contra o próprio Fidel teriam sido realizadas 638 tentativas de atentado pelos serviços secretos dos EUA e por cubanos exilados. Em anos recentes, o "Comandante" foi várias vezes dado como morto. Seu comentário: "Minha morte foi inventada tantas vezes, que no dia em que eu morrer mesmo, ninguém vai acreditar."

Despedida longamente anunciada

Aparentemente Fidel superou a grave enfermidade intestinal que o obrigou a se retirar, porém à custa da antiga onipresença: ocasionalmente ele recebe visitantes estrangeiros para conversas privadas, como o papa Francisco e o presidente francês, François Hollande.

As imagens divulgadas pela mídia estatal mostram um homem grisalho, visivelmente envelhecido, magro, de voz trêmula e roupa esportiva. Contudo, mesmo sem poder político real, Fidel Castro permanece sendo uma figura de peso para a ala ortodoxa do PCC, aquele para quem a virada promovida por Raúl está indo longe demais.

"Os conservadores, que não querem nenhuma mudança, se aferram a Fidel, disso não há a menor dúvida", declarou o ex-diplomata cubano Carlos Alzugaray à agência de notícias AP.

No entanto trata-se também da herança de Fidel. "A hora de cada um de nós chega, mas as ideias da Revolução Comunista vão perdurar"; afirmou em abril, na sessão de encerramento do Congresso do PCC, realizado a cada cinco anos. Essa seria "talvez uma das últimas vezes que falo neste salão", disse o veterano. Entre os cerca de mil delegados presentes, não eram poucos os que tinham lágrimas nos olhos.

Eterno jovem barbudo de uniforme revolucionário

Apesar de tudo, o país se preparou para a festa de aniversário de seu antigo líder. A TV passa entrevistas da época do governo Fidel, e são muitos os programas especiais para a ocasião.

Em Birán, no leste da ilha, onde ele nasceu em 1926, esperam-se centenas de visitantes para as festividades deste sábado (13/08), e serão plantadas árvores em sua homenagem. No entanto não está prevista nenhuma cerimônia pública com a presença do aniversariante.

Pelas ruas de Havana, a importância do revolucionário é venerada. "Sou fã de Fidel, isso eu digo abertamente", ostenta a professora sexagenária Mirta Hernández. "Como ele, não há outro. Tomara que ele fique conosco ainda por muitos anos."

Em contrapartida, Alejandro afirma: "Não ligo para política nem para Fidel." Ele trabalha "por conta própria" e nasceu depois da Revolução, assim como a maior parte de população. "Até Fidel e o Raúl dele irem embora, nada vai mudar neste país", reforça.

Já o informático Fahd Perreira acha que "Fidel vai ser sempre uma personalidade extraordinária, não só em Cuba, mas principalmente em Cuba. Mas agora é hora de a juventude assumir e de as coisas andarem adiante."

Quer absolvido pela história ou não, certo está: hoje Fidel Castro tem lugar cativo na memória coletiva como aquele jovem barbudo de uniforme verde-oliva, que liderou a revolta armada e depois resistiu aos Estados Unidos durante décadas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos