Trump muda de novo o comando da sua campanha eleitoral

Candidato republicano nomeia dois novos líderes, incluindo diretor de site de notícias que fazia cobertura favorável. É a segunda grande mudança na equipe em apenas dois meses.

O candidato republicano à Casa Branca, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira (17/08) novas mudanças na equipe de sua campanha eleitoral. Esta é a segunda vez que ele mexe no time nos últimos dois meses.

O magnata nomeou Stephen Bannon, diretor do site de notícias conservador Breitbart News, presidente-executivo da campanha e promoveu a assessora e analista de pesquisas Kellyanne Conway a chefe da campanha e responsável pela gestão.

"Conheço os dois há muito tempo. Eles são pessoas fantásticas, vencedoras e campeãs. Nós precisamos vencer", afirmou Trump.

De acordo com um comunicado, a entrada de Bannon visa "reforçar a estratégia na vertente empresarial" da campanha. O site do novo presidente-executivo é uma espécie de plataforma de propaganda de Trump e de críticas a líderes republicanos.

Embora Bannon não tenha experiência em campanhas, seu perfil combativo é semelhante ao de Corey Lewandowski, o ex-diretor da campanha de Trump que foi demitido em meados de junho e substituído por Paul Manafort, atual presidente da campanha.

Na época, a imprensa americana avaliou que a situação havia sido provocada por um conflito entre Lewandowski - cujo lema era "deixem Trump ser Trump" - e Manafort, então chefe de estratégia.

Conway, que desde o início do ano intrega a equipe do magnata, já trabalhou em campanhas eleitorais de vários republicanos. "As mudanças são um incremento numa fase crítica da etapa final", declarou.

Mudança em meio a escândalo

Manafort permanecerá no seu atual cargo, mas ganhará novas funções e terá competências e responsabilidades diminuídas. Ele assumiu o cargo há apenas dois meses e tentava aproximar Trump de parlamentares republicanos.

A reformulação da equipe ocorre dois dias após Manafort ter sido acusado pelo jornal The New York Times de receber quase 13 milhões de dólares de um partido pró-Rússia na Ucrânia ao longo de seis anos. Ele também estaria envolvido numa transação ilícita para a venda de ativos de uma emissora de televisão a cabo a um consórcio formado por ele e pelo oligarca russo Oleg Deripaska, aliado do presidente Vladimir Putin.

As mudanças ocorrem a menos de três meses da eleição presidencial e visam dar um impulso na controversa campanha para tentar reverter a tendência de queda de Trump nas pesquisas eleitorais, lideradas pela sua adversária, a democrata Hillary Clinton.

CN/efe/lusa/ap

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos