Opinião: Por que é errado proibir a burca

Martin Muno

Véu islâmico reflete uma imagem de mulher submissa ao homem: é um sintoma - assim como a exibição feminina na publicidade. Atual discussão sobre um pedaço de pano é inoportuna e supérflua, opina o jornalista Martin Muno.

Meados de 2016: a cidade síria de Aleppo se apresenta como o inferno na Terra, no Mar Mediterrâneo os refugiados continuam morrendo afogados, a política de juros baixos esvazia as pensões alemãs. E sobre o que a Alemanha discute? Sobre um pedaço de pano!

Este país não precisa de uma proibição da burca. Para começar, o termo já é errado, pois a burca - vestimenta que cobre, além do corpo, também todo o rosto com uma espécie de grade de pano - não é usada na Alemanha. Existem, sim, mulheres que trajam um niqab - a túnica que cobre todo o corpo, só deixando uma pequena fresta para os olhos -, mas seu número é ínfimo.

Para que não haja dúvida: burca, niqab e xador são a expressão repressiva de uma imagem reacionária de mulher, que dá ao homem o total direito de dispor do corpo feminino. Mas essas peças só são o sintoma, e o velamento compulsório é apenas um lado dessa imagem. Pois a exibição ostensiva do corpo feminino sexualizado em público - por exemplo, na publicidade - também reflete a mesma distorção.

Por isso precisamos lutar apaixonadamente por uma sociedade em que esse direito de dispor dê lugar a um direito de autodeterminação da mulher. Concretamente isso significa, neste caso: cada mulher deve poder decidir por si o que veste.

Os recém divulgados planos dos secretários alemães do Interior dos partidos conservadores cristãos CDU e CSU são também uma demonstração de desamparo político: não se trata de uma proibição generalizada da burca, mas de uma parcial - ao volante dos automóveis ou no serviço público. Francamente: qual mulher que usa um véu islâmico tem permissão para dirigir ou para exercer uma profissão?

Também aqui se confundem sintoma e causa do problema, visando o impacto público e - às vésperas das eleições legislativas estaduais - com um viés populista, voltado para os adeptos do partido Alternativa para a Alemanha (AfD) e do movimento Pegida (sigla em alemão para "Patriotas europeus contra a islamização do Ocidente"), ambos de ultradireita.

Pois nós, alemães, temos de fato um problema: se não conseguirmos que nossa forma de sociedade, ocidental e liberal, seja mais atraente do que uma autoritária; se já chegamos ao ponto de regulamentar por lei o porte de certas peças de vestuário, então já perdemos a batalha das opiniões.

A grande promessa de que todos podem almejar à felicidade, independentemente de origem, gênero, cor da pele ou orientação sexual, é central para a nossa sociedade. Ela deve ser um farol, não uma barricada.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos